25 Junho 2018
TCE e MPCO começam desmascarar obra modelo dos Ferreiras por sobrepreço em Jaboatão

TCE e MPCO começam desmascarar obra modelo dos Ferreiras por sobrepreço em Jaboatão

EXCLUSIVO                              EXCLUSIVO                           EXCLUSIVO

Tanta propaganda e muito prejuizo aos cofres da Prefeitura de Jaboatão, ou seja, do povo de Jaboatão. O TCE enviou um "alerta de responsabilização" ao prefeito de Jaboatão dos Guararapes, Anderson Ferreira (PR), sobre o aluguel do novo Centro Administrativo da gestão municipal. Relatório preliminar de auditoria do TCE cita possível prejuízo de 7 milhões de reais, em um contrato no valor total de 20 milhões de reais, por 48 meses de aluguel. O contrato foi fechado pelo prefeito Anderson Ferreira sem licitação. O novo Centro Administrativo abriga todas as secretarias municipais e vários órgãos municipais. 

Relatório do MPCO

O "alerta", enviado pelo Gabinete do Conselheiro Dirceu Rodolfo, menciona relatório preliminar, cota do Ministério Público de Contas e despacho da Gerência de auditoria do TCE. Os auditores do TCE querem a demonstração de economicidade na locação, tendo apontado possível "sobrepreço" no contrato. Segundo o relatório de auditoria, na folha 21, a "contratação com o valor de aluguel baseado em laudo com flagrantes irregularidades caracterizará dano ao erário". 

Na sua manifestação, o MPCO diz que "a locação acima dos preços de mercado, pode gerar responsabilidade pessoal pelo ressarcimento" do prefeito. 

No Ministério Público do Estado de Pernambuco (MPPE) o contrato de aluguel do novo Centro Administrativo também é alvo de investigação. A promotora Ana Luiza Pereira, abriu um procedimento para investigar a matéria (Autos 2017/2729991). A promotora solicitou um laudo independente, por técnicos do próprio MPPE, para atestar o sobrepreço do aluguel. O MPPE já recebeu o compartilhamento dos documentos do TCE sobre o tema, incluindo o relatório preliminar de auditoria, que aponta um suposto prejuízo de 7 milhões de reais.

Agora, o prefeito Anderson Ferreira deve não só satisfação ao Tribunal de Contas e o Ministério Público de Pernambuco, mas também aos jaboatonenses.