08 Novembro 2019
Sem nenhum atrativo e já decidido, GP Brasil 2019 usa R$75 mi dos cofres públicos de SP

Sem nenhum atrativo e já decidido, GP Brasil 2019 usa R$75 mi dos cofres públicos de SP

O autódromo de Interlagos recebeu ao longo deste ano R$ 75,2 milhões dos cofres públicos para receber o GP Brasil de F-1, que acontece entre os dias 15 e 18 deste mês. Os valores foram levantados pela reportagem com base nos contratos publicados no Diário Oficial e confirmados pela assessoria de imprensa da SP Obras, empresa responsável pelo mobiliário urbano da cidade de São Paulo.

Dos R$ 75 milhões, R$ 51,7 milhões foram utilizados para benfeitorias nas pistas e dependências do autódromo, principalmente nos boxes. A maior parte disso, R$ 41 milhões, foi paga pelo governo federal, e o restante pela prefeitura de São Paulo.

"Ampliamos os boxes ao retirar pilares de concreto e utilizamos viga de metal, aumentando o pé direito, e também colocamos paredes removíveis. Houve a troca de piso e instalamos iluminação de LED", afirmou Luís Ernesto Morales, engenheiro responsável pelo circuito do GP Brasil desde 2000.

Sob o argumento que a F-1 é um evento rentável para economia da cidade, a prefeitura banca todos os anos as despesas com infraestrutura. Em 2019, foram R$ 23,5 milhões destinados para contratos com prestadores de serviços. 

Entre eles, jardinagem, abastecimento com água potável, serviço de limpeza (incluindo lixo hospitalar e esgoto), instalação de ar comprimido nos boxes, sistema de áudio e vídeo, circuito fechado de tevê e nobreak, além da contratação de máquinas de grande porte para transportar contêineres das equipes. Informações da FolhaPress.