07 Maio 2019
Polícia Civil do DF mira traficantes que usavam até fuzil de ouro

Polícia Civil do DF mira traficantes que usavam até fuzil de ouro

Três quadrilhas especializadas no tráfico de drogas sintéticas e de armas pesadas foram desmanteladas por uma operação deflagrada na manhã desta terça-feira (07/05/2019) pela Polícia Civil. Ao todo, 102 policiais cumprem 11 mandados de prisão e 17 de busca e apreensão em seis cidades do Distrito Federal, além de Goiás e Paraná, onde um dos bandidos tinha um rifle banhado a ouro.

A Operação Sem Fronteiras, coordenada pela 5ª Delegacia de Polícia (Área Central), é resultado de dois anos de investigação e mapeou a produção das organizações criminosas que chegaram a enviar, mensalmente, 10 kg de cocaína para o DF, 90 kg para o Rio de Janeiro, além de armas de grosso calibre.

A ação é desdobramento da Operação Delivery, deflagrada em 6 de fevereiro do ano passado, que resultou na prisão de 24 suspeitos envolvidos com o tráfico de drogas.

Um dos principais alvos da ação ficava baseado em Foz do Iguaçu (PR) e se especializou na venda de fuzis para facções criminosas no Rio de Janeiro. Os policiais fizeram a prisão em uma casa anexa a um lava-jato onde o suspeito morava.

No celular do criminoso, os investigadores encontraram vídeos em que o homem ostenta armas de grosso calibre banhados a ouro.

Veja vídeo:

Cozinheiro
Outro grupo investigado se especializou no tráfico de drogas sintéticas para usuários de alto poder aquisitivo. Um dos alvos da operação, preso nesta manhã em Águas Claras, produzia entorpecente em casa. De acordo com as investigações, o rapaz teria aprendido técnicas para “cozinhar” as drogas na Califórnia, nos Estados Unidos.

Entre as substâncias produzidas pelo suspeito está o cristal, droga derivada da metanfetamina.  Traficantes e usuários chamam o cristal de MD. A droga é rara no DF, e o homem preso na operação seria um dos poucos fabricantes de cristal que existe em Brasília.

Além de Águas Claras, outros traficantes foram presos na Asa Sul, Guará, Samambaia, Paranoá e Alto Paraíso (GO).

Haxixe e maconha

O terceiro grupo desarticulado pela PCDF também faturava alto com a venda de drogas geneticamente modificadas, como é o caso da maconha gourmet. Imagens que estavam no celular dos criminosos mostram como o grupo negociava as drogas. Eles pesavam os carregamentos, fotografavam e enviavam as imagens para os compradores.

As apurações policiais apontam que apenas um grupo seleto de usuários consegue acesso a esse tipo de maconha. Uma pequena porção chega a custar R$ 1,4 mil. Ao contrário do produto vendido nas ruas e em bocas de fumo, as substâncias gourmet são negociadas em rodas de amigos.

A diversidade oferecida pelos traficantes elevavam o valor do produto. Um deles fotografou grandes tijolos de haxixe – subproduto potencializado da maconha – de sabor uva e origem afegã, considerado um dos mais fortes, raros e caros do mercado da droga. As informações são do site Metrópoles.