11 Junho 2020
Pastor Cleiton Collins vai acionar o MPF contra peça teatral em que Jesus é retratado como transexual

Pastor Cleiton Collins vai acionar o MPF contra peça teatral em que Jesus é retratado como transexual

O deputado estadual Pastor Cleiton Collins (PP) disse que vai acionar o Ministério Público Federal (MPF) contra a peça “O Evangelho Segundo Jesus, a Rainha do Céu”. A peça já é um dos assuntos mais comentados na internet, com forte volume de condenação por parte dos cristãos.

Por isso mesmo, o Pastor vai acionar o MP, para que o órgão aja de imediato para bloquear o conteúdo no YouTube. “É um absurdo como as pessoas usam os recursos artísticos para atingir a fé do outro”, criticou o parlamentar.

O deputado ficou sabendo da informação, após o anúncio que o canal do Youtube “Corpo rastreado” pretende exibir, no feriado de Corpus Christi, às 20 horas, a polêmica peça onde Jesus é retratado como travesti.

Os organizadores da peça já foram impedidos de igual tentativa do “espetáculo” em Garanhuns. Na época, todos os credos cristãos se uniram para pôr abaixo a exibição por entender se constituir num grande desrespeito ao que representa Jesus Cristo como base de sustentação da fé na vida após morte.

Collins já havia repudiado com veemência a exibição no Festival de Inverno de Garanhuns da peça teatral “O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu”.

A Constituição Federal, no artigo 5º, VI, estipula ser inviolável a liberdade de consciência e de crença, assegurando o livre exercício dos cultos religiosos e garantindo, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e as suas liturgias.

“Iremos acionar o Ministério Público, pois não podemos ver as pessoas debochando de nossa ver e se vangloriando em escandalizar a figura de Jesus Cristo. As pessoas precisam ser punidas para entender que a liberdade de expressão da arte, não precisa atingir a fé de ninguém”, disse.

Uma petição foi feita pelo deputado estadual Alberto Feitosa (PSC) contra a realização do vídeo e pedindo que o Youtube não reproduza a peça.

A petição pode ser encontrada no link abaixo:

https://bit.ly/2zkBsxl