26 Março 2018
O xeque-mate de Moro no STF

O xeque-mate de Moro no STF

Este jogo de xadrez, entre a equipe operação Lava-Jato e o Supremo Tribunal Federal – STF, vem de muito tempo atrás. Ambos travam uma luta que envolve atos e atitudes dentro e fora da esfera judicial, partindo até para jogadas de bastidores dignas de mestre e que tem uma enorme repercussão não permitindo assim passar desapercebidas pelos formadores de opinião e atingindo o exato objetivo de impactar a opinião pública.

De antemão quero colocar que não torço em nenhum momento pela prisão do Lula sozinho, pelo contrário, quero a prisão dele, de Aécio, de Temer, Jucá, Renan e toda a quadrilha que usurpou a nós, povo brasileiro e tenho uma opinião já amplamente divulgada que Lula deveria participar das próximas eleições para que fechássemos essa parte eleitoral do nosso país e virássemos essa pagina do PT de vez. Ainda de acordo com meu pensamento o PT já deu o que tinha que dar (de bom e de ruim) para país e devemos partir pra frente na nosso tão jovem democracia.

Voltando ao jogo de xadrez da Lava-Jato com o STF, temos que lembrar alguns acontecimentos que dão a exata ideia das jogadas dos dois lados.

Tudo começou em 2014 quando, nas prisões do doleiro Alberto Yussef e o ex-diretor de abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa que chegou a ser preso por suposto envolvimento em operações de lavagem de dinheiro, houve uma mudança de decisão do Supremo. A prisão foi determinada pelo juiz Sergio Moro, mas entre os presos estava o deputado federal André Vargas (PT-PR) e isso faria o processo ir para o Supremo.

Numa jogada de mestre, o juiz paranaense sabendo que isso faria todos serem soltos e o processo dormir numa das gavetas do STF, arrumou uma brecha judicial para o desmembramento dos processos da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, para que apenas investigações envolvendo o deputado federal André Vargas (PT-PR) ficassem na Corte do STF. Primeira vitória curitibana.

Esse embate continuou em vários momentos e vale também citar um deles, em que a justiça não venceu o jeitinho de emplacar uma vitória mesmo que fosse extrajudicial, esse momento foi em que Moro deixou vazar para a imprensa gravações do ex-presidente Lula com a então presidente Dilma, amplamente divulgado e conhecido com “tchau querida”. Isso impediu o ex-presidente ser nomeado ministro.

Neste novo embate do hábeas corpos de Lula está em andamento mais uma jogada que pode resultar em uma verdadeira catástrofe para os membros do Supremo, um xeque-mate. Nossas fontes dão conta de que a equipe de Curitiba vem estrategicamente deixando a estancia máxima da justiça se desgastar junto com todas as forças favoráveis ao ex-presidente e condenado, Lula. Sabe-se no ambiente interno da justiça paranaense que Moro têm muitos motivos para já ter efetuado a prisão preventiva de Lula, no primeiro processo do triplex e no que está sendo julgado em fase de anunciar a sentença, do sítio de Atibaia, mas não o fez. Segundo pessoas próximas do juiz ele não pediu a prisao preventiva para não dar munição aos inimigos.

Todos sabem que hoje, segunda dia 26, termina o julgamento do primeiro processo na quarta região da justiça federal em Porto Alegre. Assim que se confirmar essa condenação, Lula pode ser preso após o julgamento do hábeas corpus no STF, mas e se o STF livrar Lula da prisão? Bem, é aí que entra a nova bomba lançada de Curitiba direto para o STF no Planalto Central. Nós vamos antecipar aqui uma informação que nos chegou.

A equipe da lava-jato já fez um levantamento junto as varas judiciais de todo país e pretende divulgar (talvez hoje mesmo no programa Roda Viva da Cultura onde Moro estará ao vivo) que com o hábeas corpus de Lula, vai acontecer soltura de 300 mil presos que estão na mesma condição do ex-presidente. Isso significa 40% da população carcerária do Brasil que estaria livre, envolvendo até pessoas que cometeram crimes graves na área penal. A pergunta é: sabendo disso o que fará o STF no próximo dia 04?

Todos sabem que aqueles ministros da suprema corte não andam mais em paz entre a população, mas sendo responsáveis pela soltura de 40% da população carcerária do Brasil as coisas podem piorar muito para o lado deles. XEQUE-MATE Moro.