21 Março 2018
Na comissão da ALEPE deputado Rodrigo coloca o fígado acima do cérebro

Na comissão da ALEPE deputado Rodrigo coloca o fígado acima do cérebro

Desde 1982 envolvido profissionalmente em campanhas eleitorais e jornalísmo político, ainda não conheci um só político que encontrasse exito colocando o, "fígado" (raiva) na frente, na hora de formar estratégias políticas. No caso do deputado estadual, Rodrigo Novaes PSD, foi atingido o extremo do mico contra seu desafeto figadal, deputado federal licenciado e secretário de transportes de PE, Sebastião Oliveira. 

Autor de um levante contra a falta do colega federal na Comissão de Agricultura da Assembleia Legislativa de Pernambuco - ALEPE, Rodrigo propôs formalmente uma investigação, sobre Sebastião, por possível crime de responsabilidade devido ao não comparecimento do secretário nas duas reuniões realizadas pela dita comissão.

Esse tipo de crime de responsabilidade é configurado quando um secretário, ou membro do poder executivo, falta a uma "convocação" em alguma comissão da ALEPE. “A procuradoria da Casa vai dizer agora se a gente vai manter esse poder de pé ou se alguém vai humilhar e desfazer do Legislativo”, reagiu duramente Rodrigo ...

O deputado Rodrigo pouparia o vexame se tivesse, pelo menos, consultado o comunicado de sua comissão da ALEPE que foi enviado ao secretário Sebastião. O documento trata-se de um "convite" e não uma "convocação". Há uma diferença entre convite e convocação: os convidados podem recusar o chamado da comissão; já para os convocados a presença é obrigatória.

Tranquilo, o deputado federal licenciado, Sebastião Oliveira, que vai assumir novamente o mandato agora em abril, diz que justificou a ausência, enviou um substituto e não se preocupa com esse tipo de perseguição e ainda completa dizendo: "se os deputados quisessem me confrontar, devem pedir autorização ao meu presidente (da Câmara dos Deputados), Rodrigo Maia."

Ao deputado Novaes resta a lição de não mais colocar o fígado acima do cérebro na hora da estratégia de confronto político.