12 Janeiro 2021
Manifestantes promovem ato contra  a demissão de Áureo Cisneiros

Manifestantes promovem ato contra a demissão de Áureo Cisneiros

Estiveram presentes no ato, diversas figuras políticas importantes, dentre elas, Marília Arraes (Deputada Federal- PT), Juntas (Co-deputadas Estaduais - PSOL), João Arnado Novaes (Advogado e Militante Social), Paulo Rubem Santiago (Professor Acadêmico e Militante Social), Dani Portela (Vereadora do Recife - PSOL), Liana Cirne (Vereadora do Recife - PT) e Michel Zaidan (Professor e Militante Social), além de todas as centrais sindicais e sindicatos, movimentos e organizações sociais que também fortaleceram o ato com sua presença.

A Deputada Federal Marília Arraes (PT) afirmou que "É importante que consigamos dar uma visibilidade nacional à demissão de Áureo Cisneiros, pois o PSB é um partido que se coloca como vestal do socialismo, da esquerda, da moralidade e que há muito tempo que o 'S' de PSB de socialista não tem nada. E mesmo que eles tentem nos calar, nos persigam, comprem eleição e disputem com Fake News, não iremos descansar, por que no dia que isso acontecer, entregaremos pra eles a escritura do estado de Pernambuco e essa escritura eles não vão ter não!"

Para Dani Portela, Vereadora (PSOL) "O que está acontecendo agora, tem Nome e CPF e é o de Áureo Cisneiros, que hoje não só se representa, ele representa uma categoria organizada em um sindicato, uma pessoa que coloca sua luta por anos em nome dos Policiais Civis e que por isso teve que lutar contra o PSB, que retira e suprime direitos da classe trabalhadora. Um ataque à Áureo é um ataque as trabalhadoras e trabalhadores do estado de Pernambuco."

João Arnaldo Novaes, Advogado e Militante Social afirmou que "Essa demissão é um ataque à todas as lideranças sindicais e à todos e todas que pensam contrário desse governo que se apossou do que é público."

Para Liana Cirne "a simbologia maior do ato está em você, Áureo, um servidor público que vem sofrendo perseguição política que só vimos nos tempos da ditadura militar. E é a partir desses atos que o governo quer que todos os trabalhadores sintam medo e se sintam ameaçados."

As Co-deputadas Estaduais Juntas (PSOL) afirmaram que "A gente sabe que essa demissão tem cunho político e por isso é muito importante que a gente mostre a nossa força e que somos contra as atrocidades desse governo que se diz oposição de Bolsonaro, mas que na verdade tem as mesmas práticas fascistas."

Para Áureo Cisneiros "esse não foi um ato apenas na defesa do meu emprego, é pela liberdade sindical, pela nossa democracia, por todos e todas nós e por isso não vamos parar de lutar, só está começando agora, por isso é importante que possamos nos unir para ir à luta contra os atos ditatoriais praticados pelo governo do PSB."

Também foi convocado um próximo ato que está sendo organizado pelo Sinpol-PE (Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco) que será no dia 18/01 às 10h.