26 Abril 2019
Janot se aposenta com salário integral de R$ 38,8 mil combatido pela reforma da previdência

Janot se aposenta com salário integral de R$ 38,8 mil combatido pela reforma da previdência

O ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot se aposentou do Ministério Público Federal (MPF) e deverá passar a advogar. A portaria que concedeu a aposentadoria foi assinada no dia 22 por sua sucessora na Procuradoria-Geral da República (PGR), Raquel Dodge, e foi publicada no Diário Oficial da União nesta quinta-feira (25). Janot vai receber aposentadoria integral de, R$ 38.800 reais, combatida no texto da nova previdência e defendida pela oposição que não quer apoiar a reforma.

Segundo o texto, Janot se aposentou voluntariamente, com salário integral. O ex-procurador-geral comandou a PGR por dois mandatos, de 2013 a 2017, indicado para o cargo pela ex-presidente Dilma Rousseff. Nas duas ocasiões, ele foi o primeiro colocado na lista tríplice formada em eleição interna.

De acordo com o jornal Folha de S. Paulo,  Janot se prepara para advogar em ao menos um caso de repercussão. Ele deve assumir, ao lado de Márcio Elias Rosa, ex-secretário estadual de São Paulo, uma causa contra a Vale, pro bono (de graça), em benefício de moradores do distrito de Macacos (MG) afligidos pela mineração.

Ações penais da Lava-Jato

À frente da instituição, Janot teve altos e baixos. Aumentou o número e o ritmo de investigações criminais, firmou vários acordos de delação premiada, incluindo o de executivos da Odebrecht e o da JBS e angariou apoio entre seus colegas, principalmente entre jovens procuradores, considerados combativos por colegas, que ascenderam no MPF em sua gestão.

Janot critica decisão do STF que proibiu condução coercitivaJanot critica decisão do STF que proibiu condução coercitiva
Por outro lado, deixou a PGR, em setembro de 2017, em meio a uma crise causada pelo escândalo da JBS, que abalou o governo do presidente Michel Temer e o mandato do então senador Aécio Neves (PSDB-MG).

Dias antes de entregar o cargo, Janot anunciou a rescisão da delação de Joesley Batista sob o argumento de que o empresário omitiu informações de má-fé, como o envolvimento de um ex-procurador da República, Marcello Miller, na elaboração do acordo. Ainda não há palavra final do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o caso.

Também em meio à delação da JBS, Janot pediu a prisão de um membro de sua equipe, Ângelo Goulart Villela, que meses depois o acusou de ter corrido com a delação dos irmãos Batista com o objetivo de evitar que Temer indicasse Dodge, seu desafeto, para chefiar a PGR.

Após seu mandato de procurador-geral, Janot voltou a ser subprocurador-geral da República, nível máximo da carreira, e se dedicou a ministrar cursos e palestras. Passou uma temporada na Colômbia e se tornou um crítico contumaz, principalmente pelo Twitter, dos rumos que algumas investigações da Lava-Jato tomaram.