18 Dezembro 2018
Em PE o toma lá dá cá deve continuar entre PT e PSB

Em PE o toma lá dá cá deve continuar entre PT e PSB

A coluna do Edmar Lyra hoje traz uma informação da prática da velha política que deve continuar aqui no Estado de Pernambuco para as eleições 2020. Indo de encontro ao desejo das urnas no país e aproveitando o estelionato eleitoral praticado em nossa região, onde o leitor nordestino foi amplamente enganado com a farsa do "Lula Presidente". A barganha política está para continuar tendo como atriz principal novamente a Marília Arraes.

A coluna diz: 

Eleita deputada federal com a segunda maior votação de Pernambuco, Marília Arraes foi lançada por Humberto Costa como pré-candidata a governadora de Pernambuco com o objetivo de atrair o PSB e garantir a vaga de senador na chapa encabeçada pelo governador Paulo Câmara. A estratégia deu certo e não só garantiu a reeleição de Paulo Câmara no primeiro turno como permitiu a renovação do mandato de Humberto no Senado como o mais votado do pleito.

Quando imaginava-se que o entendimento entre PT e PSB estava sacramentado, eis que surge uma nova dúvida na relação dos dois partidos, uma vez que alguns socialistas advogam da tese que o PT já foi contemplado com a reeleição de Humberto Costa, e que não há fundamento para que o governador seja obrigado a ceder uma robusta secretaria ao partido. Enquanto isso, petistas avaliam que o apoio do partido foi fundamental para a vitória do governador e que merecem ter um espaço representativo no governo. A exigência se dá, sobretudo, pelo fato de o partido ter sido varrido de muitos estados do Brasil, e apenas o Nordeste garantiu vitórias de governadores da sigla ou aliados, então a garantia de espaço no governo de Pernambuco será fundamental para abrigar membros do partido que estão sem ter onde ficar.

Diante do imbróglio envolvendo os dois partidos, o nome de Marília Arraes surge novamente como uma alternativa do partido para uma disputa majoritária, desta vez a prefeitura do Recife em 2020. O PSB considera que a vitória do sucessor de Geraldo Julio será vital para a manutenção da hegemonia do partido, e quanto mais candidaturas colocadas pior para aquele que for ungido pelo partido para o pleito. O nome de Marília Arraes, que virou pesadelo do PSB em 2018, seria novamente desesperador para o partido, se colocado na disputa pela prefeitura do Recife, o que acende o sinal de alerta no governo.

Faltando poucos dias para a confirmação do secretariado de Paulo Câmara, as definições relacionadas ao Partido dos Trabalhadores serão vitais para o pleito municipal, e por isso a temperatura entre os dois partidos que saíram vitoriosos do pleito eleitoral de 2018 tende a subir nos próximos dias se não houver um consenso quanto ao espaço dado pelo PSB ao PT no governo de Pernambuco e na prefeitura do Recife.