09 Maio 2019
Em entrevista a Folha, Padilha fala de Moro, Bolsonaro e da 2ª temporada da série Mecanismo

Em entrevista a Folha, Padilha fala de Moro, Bolsonaro e da 2ª temporada da série Mecanismo

A estreia da segunda temporada acontece na próxima sexta (10), e Padilha se diz preparado para as críticas: "Sou antipetista, antipeessedebista e antipeemedebista. Mas só me criticam por ser antipetista. Acho que a Dilma sofreu um golpe, mas sempre achei que o PT roubou. E essas coisas são compatíveis, sim".

Leia abaixo os melhores trechos da entrevista que aconteceu na terça (7).

*Pergunta - Você disse que não pensou em mudar a representação do juiz Sérgio Moro na segunda temporada de "O Mecanismo". Mas haverá uma terceira, quarta, quinta temporada para mostrar isso? O que você planejou?

José Padilha - Eu não estou fazendo uma série sobre o Sergio Moro. Estou fazendo uma série sobre o mecanismo, que ele é real e opera independente do partido político. Serra foi denunciado, Temer foi preso, Lula está na cadeia. O mecanismo não tem ideologia, ele é a forma pela qual a política se estruturou no Brasil desde o primeiro governo democrático. Agora, eu não sei quem mais é o Moro. Eu vejo duas possibilidades: ele não olhou direito onde estava entrando e, como o Fernando Henrique, é muito vaidoso. Não se deu ao trabalho de olhar o histórico dos Bolsonaros. Os Bolsonaros têm relações com a esgotosfera do crime organizado carioca. Ele é de Curitiba, talvez não saiba. A outra possibilidade é que ele sabia o que estava fazendo e ele fez. Aí o Moro é totalmente diferente de quem eu pensei que ele fosse.

P - Mas há uma terceira temporada planejada?

JP - A gente não pode falar sobre isso. O Netflix me proíbe. Eu estou censurado, como se fosse o Toffoli [risos]. Mas é uma questão econômica. A nossa série é muito mais cara do que todas as outras séries do Netflix no Brasil. Então temos que olhar o resultado versus o custo.

P - Quanto custa cada episódio?

JP - Eu não posso te dizer... E a abertura dessa temporada, que mostra políticos como FHC, Lula, Temer e muitos outros enquanto toca a canção "se gritar pega ladrão, não fica um, meu irmão"? Essa é a abertura que eu tinha proposto para a primeira temporada. Mas tinha aquele pensamento com a série: "será que a gente vai ser processado por alguém? Por todos?". Aí resolvemos fazer uma abertura inócua, que foi ao ar na primeira temporada. E então começou a ser todo mundo preso, acusado, e não houve processos contra nós. Aí eu quis de novo usar a abertura e dessa vez deu certo.

P - Será que justamente essa nova abertura não vai dar processo?

JP - Não sei. Estou mostrando a história do Brasil, do presidencialismo democrático. Eu me dei ao trabalho de separar o refrão de forma que quando diz "se gritar pega ladrão, não fica um, meu irmão" só aparecem imagens de quem foi condenado. No resto da música aparece