Blog do Adriano Roberto


Congresso barra medidas com impacto de R$ 32 bi
Autor
Adriano Roberto

Congresso barra medidas com impacto de R$ 32 bi

Todas as medidas de ajuste fiscal enviadas pelo governo Temer ao Congresso para cortar benefícios (parte deles de servidores e empresas) foram barradas pelos parlamentares. É o que o mostra estudo do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Se essas propostas tivessem sido aprovadas por deputados e senadores, o impacto positivo no Orçamento deste ano seria de R$ 31,8 bilhões, entre aumento de receitas e redução de despesas, de acordo com levantamento feito pelo Estadão/Broadcast.
 
Na lista, estão medidas que afetam diretamente os servidores, como o adiamento do reajuste dos salários, o aumento da contribuição previdenciária e a redução de benefícios, como ajuda de custo e auxílio-moradia.
 
Também compõem o pacote o fim da desoneração da folha de pagamento para 50 setores - proposta que deve ser alterada na Câmara para afetar menos segmentos - e a tributação de fundos exclusivos para investidores de alta renda. A reforma da Previdência, por sua vez, produziria economia de R$ 5 bilhões neste ano, mas foi engavetada.
 
O economista Manoel Pires, responsável pelo levantamento, destaca que houve uma predominância, no governo Temer, de medidas que proporcionam um aumento de receita, com efeito temporário no Orçamento. Os cortes de despesa se deram de forma administrativa, sem passar pelo Congresso, como foi o caso do pente-fino no auxílio-doença.
 
Segundo Pires, as medidas de redução de despesas mais importantes que foram aprovadas pelo Congresso não atacam efetivamente a despesa pública e têm efeito "abstrato". Um exemplo é o teto de gastos, que limita o crescimento das despesas à variação da inflação.
 
O teto deve estourar já em 2019, como apontou a Instituição Fiscal Independente (IFI). "Com o enterro da Previdência, acho que é hora de refletir bastante sobre o que deu certo e o que deu errado", disse Pires, ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda.
 
Temer assumiu a Presidência em agosto de 2016 com uma base parlamentar robusta, fazendo o mercado acreditar que ele conseguiria o ajuste fiscal. No início da semana, em sua maior derrota, o governo desistiu oficialmente da reforma da Previdência e tentou compensar a perda com medidas econômicas recicladas.
 
O lançamento dessa pauta serviu para acirrar os ânimos entre o Planalto e o Congresso, dificultando ainda mais as articulações. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), fizeram questão de mostrar que quem define a pauta é o Congresso, não o Executivo.
 
Entre as medidas que integram essa agenda está o fim da desoneração da folha de pagamento, que deve ser votado nas próximas semanas, mas enfrenta forte resistência de vários setores que fazem pressão para ficarem de fora da alta da tributação. A expectativa era de um impacto positivo de R$ 8,8 bilhões com a medida ainda este ano, mas a demora diminui o efeito.
 
Para o cientista político Murillo de Aragão, sócio da Arko Advice, o "estresse" na relação entre Congresso e Planalto pode atrapalhar o andamento das medidas. Ele acredita, porém, que eventual sucesso na intervenção do Rio pode fortalecer Temer. Com informações do Estadão Conteúdo.


Lula -  Poderão prender minha carne carcomida, mas não minhas ideias
Autor
Adriano Roberto

Lula - Poderão prender minha carne carcomida, mas não minhas ideias

Com olhos cheios de lágrimas "derramadas após citar a morte de amigos e petistas", Lula disse que seus adversários buscam uma forma de calá-lo. "Qual é o jeito? Quem sabe, tentar me prender. E vão ter outra surpresa, porque eles poderão prender apenas a minha carne carcomida, mas não prenderão as minhas ideias."
 
O ex-presidente voltou a dizer que "Lula não é um ser humano", mas uma ideia que o PT ajudou a criar. Lula disse também ser hoje a única unanimidade no país, porque todos os partidos tentam impedir sua candidatura. Irônico, o petista afirmou que, sem ele na disputa, até o presidente Michel Temer acredita que poderia se eleger.
 
Citando o instituto Datafolha, Lula afirmou que Temer desistiu da reforma previdenciária e optou pela intervenção federal no Rio para atender às pesquisas de opinião. "Bolsonaro cunhou uma frase histórica. Ele disse ao Temer 'Temer você já roubou de tudo neste país. Mas não vai roubar meu discurso".
 
Após lembrar a história do PT, o ex-presidente disse que "o partido não tem que ter medo o que está acontecendo com Lula". "É um processo. Se minha mãe fosse viva diria que é uma provação. Estamos sendo provados diante das leis divinas e dos homens para ver se a gente é capaz de resistir."
 
Citando desfechos trágicos de presidentes brasileiros, Lula repetiu: "Eu não vou fugir, não vou me matar, vou ficar aqui. Quem quiser me julgar vai arcar com a responsabilidade de pagar o erro histórico cometido". 


Morre Vani do Bode do restaurante Amigos do Bode em Floresta PE
Autor
Adriano Roberto

Morre Vani do Bode do restaurante Amigos do Bode em Floresta PE

Da redação do Blog do Thiago Ferraz - É com profunda tristeza que informamos que o amigo e irmão, Alvani Teotônio Sobral da Silva, carinhosamente conhecido por Vani do bode, faleceu na madrugada desta quinta-feira, (22) no Hospital dos Servidores Estado em Recife.

Segundo informações preliminares a causa da morte foi um sangramento interno provocado por varizes no esôfago. O seu sepultamento será na cidade de Floresta, sertão Pernambucano e o horário ainda será confirmado pelos familiares. A cidade e a região estão enlutados com sua partida, já que ele acalentou grande carinho com seus clientes no restaurante.



Obras do Hospital Geral do Sertão avançam em Serra Talhada
Autor
Adriano Roberto

Obras do Hospital Geral do Sertão avançam em Serra Talhada

Do Farol de Notícias - Para fazer valer o que foi prometido pelo governador Paulo Câmara (PSB), no final do ano passado, começaram nesta terça-feira (21) as obras de terraplanagem do Hospital Geral do Sertão (HGS), às margens da BR-232, em Serra Talhada.

Serão investidos cerca de R$ 60 milhões num equipamento público com 10 leitos de UTI pediátrica, 10 leitos de UTI adulto e nas duas modulagens, ao final, serão mais de 200 leitos.

O secretário de Transportes de Pernambuco, Sebastião Oliveira, ficou com a missão de acelerar e fiscalizar os trabalhos de terraplanagem.

“Assumi com muita determinação o compromisso de conseguir o terreno onde será construído o HGS. As mangas foram arregaçadas e a missão foi cumprida com êxito. Agora é avançar na terraplanagem”, declarou Sebastião Oliveira.



Recife ganha voos para Manaus, Curitiba e Cuiabá a partir de julho
Autor
Adriano Roberto

Recife ganha voos para Manaus, Curitiba e Cuiabá a partir de julho

Do G1 PE - A capital pernambucana passa a ter, a partir do mês de julho de 2018, voos com 15 frequências semanais para as cidades de Manaus (AM), Curitiba (PR) e Cuiabá (MT). Oferecidos pela companhia aérea Azul, os trajetos foram anunciados nesta quarta-feira (21) e estão disponíveis para venda através dos canais da empresa.
 
Para Manaus, o voo parte do Recife diariamente, com exceção dos sábados, sempre no fim da noite. De acordo com a Azul, o trajeto é inédito na aviação e os 2,8 mil quilômetros que separam as duas cidades fazem do voo o mais longo da companhia no país.
 
Já para a capital paranaense, os voos partem diariamente, também excetuando-se os sábados, no fim da manhã. Os voos para Cuiabá, por sua vez, estão previstos para acontecer às segundas, às quintas e aos domingos.
Confira os horários de partidas e chegadas
 
*Recife - Manaus
Segundas: 23h05 (saída do Recife) e 2h (chegada a Manaus)
Terças, quartas, quintas, sextas e domingos: 22h50 (saída do Recife) e 1h45 (chegada a Manaus)
 
*Manaus - Recife
De segunda a sábado: 03h (saída de Manaus) e 7h55 (chegada ao Recife)
 
*Recife - Curitiba
Segunda a sexta e aos domingos: 9h10 (saída do Recife) e 13h (chegada a Curitiba)
 
*Curitiba - Recife
Segundas: 18h30 (saída de Curitiba) e 22h05 (chegada ao Recife)
Terças, quartas, quintas, sextas e domingos: 18h15 (saída de Curitiba) e 21h55 (chegada ao Recife)
 
*Recife - Cuiabá
Segundas, quintas e domingos: 22h45 (saída do Recife) e 1h20 (chegada a Cuiabá)
 
*Cuiabá - Recife
Segundas, terças e sextas: 1h10 (saída de Cuiabá) e 5h45 (chegada ao Recife)


PF deflagra Operação Integração, primeira Lava Jato de 2018
Autor
Adriano Roberto

PF deflagra Operação Integração, primeira Lava Jato de 2018

A Polícia Federal *PF) deflagrou uma nova fase da Operação Lava Jato nesta quinta-feira, 22, a primeira em 2018. A 48ª etapa, Operação Integração, mira corrupção em concessão de rodovias federais no Estado do Paraná que fazem parte do "Anel da Integração". A ação tem o apoio de servidores da Receita Federal e membros do Ministério Público Federal.

A Integração cumpre 50 mandados de busca e apreensão e sete de prisão temporária nos Estados do Paraná, Santa Catarina, Rio de Janeiro e São Paulo.

Em nota, a PF informou que detectou, nas investigações da Lava Jato, o uso de estruturas de lavagem de dinheiro para operacionalizar recursos ilícitos pagos a agentes públicos, principalmente por meio dos operadores financeiros Adir Assad e Rodrigo Tacla Duran (ambos investigados na operação).

Uma das concessionárias usou os serviços de Assad e Tacla Duran para operacionalizar, ocultar e dissimular valores oriundos de atos de corrupção. Dentre os serviços prestados por estes operadores está a viabilização do pagamento de vantagens indevidas a agentes públicos do DNIT - Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes, DER/PR - Departamento de Estradas de Rodagem no Paraná e Casa Civil do Governo do Estado do Paraná.

A ação tem por objeto a apuração, dentre outros, dos crimes de corrupção, fraude a licitações e lavagem de ativos. Com informações do Estadão Conteúdo.



Morre o evangelista americano Billy Graham aos 99 anos
Autor
Adriano Roberto

Morre o evangelista americano Billy Graham aos 99 anos

O evangelista americano Billy Graham, conselheiro espiritual de diversos presidentes que pregou para milhares de pessoas no mundo todo, morreu nesta quarta-feira (21) aos 99 anos.

William Franklin Graham Jr. morreu em sua casa em Montreat, na Carolina do Norte, de acordo com Jeremy Blume, porta-voz da Associação Evangélica Billy Graham.

Graças a seu carisma, Graham conseguiu atrair as massas, que o seguiam através de seus programas de rádio e televisão. Ele propagava sua mensagem também por linhas telefônicas e satélites.

Cerca de 77 milhões de pessoas o assistiram pessoalmente e outras 215 milhões viram seus discursos pela TV ou por links via satélite, disse um porta-voz.

O reverendo se tornou capelão não oficial da Casa Branca para todos os presidentes desde Harry Truman (1945-1953), além de ter se encontrado com diversos líderes mundiais.

Billy Graham em foto de 1961 com o presidente John F. Kennedy (Foto: Associated Press)Billy Graham em foto de 1961 com o presidente John F. Kennedy (Foto: Associated Press)

Segundo a associação que leva seu nome, Graham pregou em 185 dos 195 países do mundo e converteu ao Cristianismo mais de 3 milhões de pessoas.



Wesley Batista deixa sede da PF em São Paulo
Autor
Adriano Roberto

Wesley Batista deixa sede da PF em São Paulo

O empresário Wesley Batista, sócio da JBS, deixou a sede da PF (Polícia Federal) em São Paulo às 2h51 desta quarta-feira (21). Ele saiu do local em um carro preto com vidros escuros sem falar com a imprensa.

Os advogados de Wesley chegaram à sede da PF por volta das 21h e gastaram muito tempo resolvendo questões burocráticas. Segundo um dos defensores, a demora na liberação do empresário foi devido a PF entender a decisão. "Ele estava sereno, foi para casa", disse o advogado.

Wesley fica proibido de se ausentar do país, de participar de operações no mercado de capitais e deve usar monitoramento eletrônico, além de ter de comparecer em juízo periodicamente e manter endereço atualizado. Ele também está proibido de ter contato com outros réus.

A decisão foi tomada nesta terça (20) por três dos cinco ministros do STJ (Supremo Tribunal de Justiça). O habeas corpus aos irmãos Wesley e Joesley Batista foi concedido na prisão por insider trading, sob a suspeita de terem se beneficiado com a compra de dólares e a venda de ações da JBS, aproveitando-se do impacto no mercado de seu acordo de delação premiada.

Joesley também foi beneficiado com o habeas corpus, mas, na prática, permanecerá preso porque tem uma prisão determinada pelo ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal).

O relator, Rogerio Schietti considerou a decretação da prisão preventiva acertada, mas destacou que como eles cumprem prisão há meses, o risco de reiteração no crime ficou enfraquecido e é possível substituir a prisão por outras medidas.

Os irmãos Batista foram presos em setembro quando tiveram os acordos de delação rescindidos pela PGR (Procuradoria-Geral da República).

A delação dos irmãos Batista e de outros funcionários da J&F, holding que detém a JBS, gerou a abertura de vários inquéritos no STF, além de duas denúncias contra o presidente Michel Temer e uma contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG).

"Foi uma vitória suada, mas muito merecida. Essa prisão era desnecessária", disse o advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay, que defende os irmãos Batista. "Agora é trabalhar para tirar a outra prisão do Joesley", afirmou.

Pierpaolo Bottini, também advogado de Wesley e Joesley e que fez a sustentação oral no STJ, destacou que a decisão foi "técnica, precisa e revelou que a justiça tem capacidade e bom senso de apartar-se de discussões emocionais para manter o respeito à lei."

RESCISÃO DA DELAÇÃO

No dia 4 de setembro, o então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, determinou abertura de investigação sobre o acordo da JBS, que foi rescindido por parte da PGR dez dias depois. Ele apontou indícios de omissão de informações sobre práticas de crimes no processo de negociação do acordo.

Depois, procuradora-geral da República, Raquel Dodge, reiterou o pedido. Para ela, os colaboradores omitiram fatos criminosos de que tinham conhecimento.

O problema surgiu após os delatores entregarem novos áudios à PGR.

Na gravação, datada de 17 de março, em que Joesley e Saud indicam possível atuação do ex-procurador da República Marcello Miller no acordo de delação quando ainda era estava no cargo -o qual deixou oficialmente em 5 de abril. O áudio foi entregue pelos delatores no dia 31 de agosto.

Em sua manifestação, Dodge sustentou que Joesley e Saud descumpriram cláusulas do acordo ao omitirem intencionalmente da PGR três informações relevantes: o pagamento de R$ 500 mil ao senador Ciro Nogueira (PP-PI) para ele se posicionar a favor do impeachment de Dilma Rousseff, a existência de uma conta bancária no Paraguai em nome de Saud e a participação de Miller na elaboração da delação, enquanto ele ainda era membro do Ministério Público Federal.

Para a PGR, houve patente descumprimento de dois pontos de uma cláusula do acordo de delação que tratam de omissão de má-fé, o que justificaria rever os benefícios.

O acordo de delação está suspenso até que o ministro Edson Fachin, do STF, decida homologar ou não a rescisão. Folhapress.



Agora vai. PT lança pré-candidatura de Lula nesta quarta-feira
Autor
Adriano Roberto

Agora vai. PT lança pré-candidatura de Lula nesta quarta-feira

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva viaja nesta quarta-feira (21) para Minas Gerais, onde sua pré-candidatura à presidência da República será lançada, em evento no Expominas, em Belo Horizonte, marcado para as 19h.

Lula iniciará a viagem pela cidade de Itatiaiuçu. Lá, visitará um acampamento do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), às 9h.

Inicialmente, o lançamento da candidatura ocorreria no dia 7 de fevereiro, mas a direção do PT resolveu adiar o ato para esta quarta. Segundo dirigentes do partido, o período pré-carnaval dificultou a mobilização de militantes para o ato.

Pensado para ser um evento menor, de acordo com a organização, o lançamento da pré-candidatura extrapolou os planos iniciais, o que exigiu mais tempo para organização e logística.

Ainda segundo a legenda, ato havia sido marcado em cima da hora, após divulgação de pesquisa Datafolha que mostrou o petista como favorito na corrida ao Planalto, mesmo após a confirmação da sua condenação pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região).

Lula lidera o primeiro turno em todos os cenários em que seu nome é colocado, com percentuais que variam de 34% a 37%. No segundo turno, venceria Alckmin (49% a 30%) e Marina (47% a 32%), além de Bolsonaro (49% a 32%).

De acordo com nota divulgada pelo PT, o ato em BH deve ser o primeiro entre vários que ocorrerão pelo país. Minas Gerais foi escolhido para a estreia porque é o Estado mais importante governado por um petista, Fernando Pimentel.



Ex-procurador foi informado previamente sobre ação da Lava Jato
Autor
Adriano Roberto

Ex-procurador foi informado previamente sobre ação da Lava Jato

O ex-procurador Marcello Miller recebeu com ao menos um dia de antecedência, e quando já atuava como advogado da J&F, informação de que a força tarefa da Lava Jato deflagraria uma de suas mais importantes operações: a que levou à prisão de Andrea Neves, irmã do senador Aécio Neves (PSDB-MG), e do primo do tucano, Frederico Pacheco.

O vazamento foi registrado por ele mesmo, em mensagem a uma advogada que era sua parceira no caso.Miller discutia com Esther Flesch um contrato que ampliaria os valores de honorários pagos pela JBS à dupla.

Às 8h15 de 17 de maio, o ex-procurador foi informado de que o escritório Trench Rossi Watanabi, no qual estava atuando, não aceitaria os termos propostos por ele numa minuta do trato.

Neste momento, ele diz a Esther que ela deveria readequar a proposta, e avisa: "Vamos correr, porque a informação insider é a de que a operação pode ser deflagrada amanhã" (sic).

Às 19h30 do mesmo dia, o jornal "O Globo" publicou em seu site a informação de que os donos da JBS haviam fechado um acordo de delação premiada. A matéria dizia que Joesley Batista havia gravado uma conversa com o presidente Michel Temer e que o empresário também havia apresentado grampos de um encontro em que Aécio pedia R$ 2 milhões a ele.

Às 6h do dia seguinte, 18, a Lava Jato deflagrou a operação Patmos, prendendo a irmã do tucano, seu primo e um assessor do senador Zezé Perrela (MDB-MG) sob a acusação de que teriam ajudado Aécio a obter o dinheiro.

A Patmos disparou 41 mandatos de busca e apreensão em quatro Estados. A irmã do doleiro Lúcio Funaro também foi encarcerada. Já Aécio, por foi afastado do mandato pelo ministro Edson Fachin.A conversa que registra o vazamento de informação da Lava Jato foi obtida em mensagens de WhatsApp trocadas por Miller e Flesch. Os dados foram coletados em um telefone funcional da advogada pelo Trench Rossi Watanabi. Fachin autorizou a quebra do sigilo telefônico.

Na mensagem à colega, Miller não diz quem lhe repassou a informação de que a operação seria deflagrada. Ao usar o termo "insider", o ex-procurador dá a entender que obteve o relato junto aos investigadores.

Àquela altura, a participação do ex-procurador nas tratativas da JBS com a Procuradoria ainda não havia sido explorada pelos políticos que foram alvo da delação.

VÍNCULO

O vínculo dele com o gabinete do ex-procurador-geral Rodrigo Janot foi escancarado dias depois pelo presidente Michel Temer, em um pronunciamento. Quando a crise escalou, Miller começou a discutir com Flesch sua própria estratégia de defesaNo dia 20 de maio, ele escreveu: "Pellela acabou de confirmar: PGR solta nota agora. Curta. Negando minha participação em delação".

Eduardo Pellela era chefe de gabinete de Janot. Miller informou sobre a nota às 10h57, que só foi tornada pública às 13h45 daquele dia. Enquanto atuou na Procuradoria, Miller era visto como um dos quadros mais próximos a Janot. Ele teve atuação decisiva em delações que envolveram gravações ocultas de autoridades, como o ex-senador Delcídio do Amaral e a cúpula do MDB, grampeada por Sérgio Machado, ex-diretor da Petrobras.

Miller foi contratado pela J&F, por meio do Trench Rossi Watanabi para cuidar do acordo de leniência do grupo -instrumento diverso da delação. No entanto, há evidências de que ele também orientou a colaboração dos irmãos Batista, inclusive enquanto ainda estava na PGR.

A atuação do ex-procurador na delação da JBS começou a ser formalmente investigada em setembro do ano passado. Nas mensagens que ele trocou com Flesch fica claro que delação e leniência eram tocadas em parceria. Com informações da Folhapress.



STJ solta Wesley Batista e mantém Joesley preso
Autor
Adriano Roberto

STJ solta Wesley Batista e mantém Joesley preso

Por 3 votos a 2, a Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu revogar a prisão preventiva decretada desde setembro contra o empresário Wesley Batista, um dos controladores do grupo J&F e da processadora de carne JBS, por uso de informação privilegiada.

O irmão dele, o também empresário Joesley Batista, foi beneficiado pela mesma decisão, mas vai permanecer detido porque tem outra ordem de prisão preventiva contra ele pelo Supremo Tribunal Federal (STF), no caso da omissão de informações da delação premiada da JBS. Entre as medidas cautelares impostas a Wesley para revogação da prisão preventiva está a obrigação de usar tornozeleira eletrônica.



Interventor vai propor a convocação de 4 mil policiais concursados
Autor
Adriano Roberto

Interventor vai propor a convocação de 4 mil policiais concursados

O general Braga Netto compartilhou com o deputado federal Marcelo Delaroli (PR-RJ) um desejo que tem no período em que estará a frente da intervenção no Rio de Janeiro. O militar vai propor a convocação de 4 mil aprovados no concurso da PM e Polícia Civil para ajudar na defesa do estado.

Há quase três anos, as vidas de cerca de quatro mil aprovados em concurso para soldado da Polícia Militar do Rio de Janeiro de 2014 permanecem estagnadas. Dados da corporação indicam que, desde a realização da prova, apenas 1.175 pessoas foram convocadas, ainda que 4.764 vagas continuem disponíveis. No mesmo período, já poderiam ter ingressado no Curso de Formação de Praças mais do que o dobro de recrutas, aproximadamente três mil militares.

Durante a bonança dos governos de Sérgio Cabral - antes da prisão do ex-governador e revelações da Operação Lava Jato - a Polícia Militar formava entre 500 e 600 soldados por semestre. De acordo com um oficial ouvido pelo G1, os quatro mil aprovados que esperam ser chamados representariam um contingente que equivale, atualmente, à soma dos efetivos de sete batalhões. Com informações da Veja e do G1.