Blog do Adriano Roberto


Alckmin: destituição de Tasso ‘não contribui para união do PSDB’
Autor
Adriano Roberto

Alckmin: destituição de Tasso ‘não contribui para união do PSDB’

Um dos postulantes pela candidatura do PSDB à presidência em 2018, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, reagiu à destituição do senador Tasso Jereissati (CE) da presidência interina do partido pelo senador Aécio Neves (MG), presidente afastado da legenda, nesta quinta-feira. “Eu não fui consultado. E se fosse, teria sido contra, porque não contribui para a união do partido”, afirma Alckmin, por meio de nota.

O nome do governador paulista é cogitado no partido como possível alternativa de consenso ou terceira via na disputa pelo comando tucano, até agora polarizada por Tasso e o governador de Goiás, Marconi Perillo, que tem o apoio de Aécio.

O senador mineiro está afastado da presidência do partido desde maio, quando foi atingido pela delação premiada do empresário Joesley Batista, que o gravou pedindo 2 milhões de reais para custear sua defesa na Lava Jato. Na ocasião, foi o próprio Aécio quem indicou Tasso Jereissati como presidente interino.



PCR entrega obras e anuncia R$ 52,9 milhões para o PAC Beberibe II
Autor
Adriano Roberto

PCR entrega obras e anuncia R$ 52,9 milhões para o PAC Beberibe II

Nesta sexta-feira (10), o prefeito Geraldo Julio, o ministro das Cidades, Bruno Araújo, e o secretário de Saneamento do Recife, Alberto Feitosa, assinam a ordem de serviço para o início das obras dos lotes 2 e 3 do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Beberibe II. Na ocasião, também serão entregues os serviços de pavimentação, drenagem e esgotamento sanitário de 11 ruas, das 23 previstas dentro do lote 1 desta segunda etapa do programa, e dois becos, além de 34 unidades habitacionais do Conjunto Governador Miguel Batista, localizado no bairro de Passarinho, que faz parte do PAC I.
 
Os lotes 2 e 3 do PAC Beberibe II vão custar R$ 31,5 milhões e R$ 21,4 milhões, respectivamente. No lote 2 será construído 2.204m de via marginal e uma estação elevatória de esgoto. Já no lote 3 serão feitos  mais 1.286m do acesso, além da estação elevatória de esgoto.
 
Das 23 ruas anunciadas para a segunda fase do PAC Beberibe, 11 logradouros e duas vias de pedestre serão entregues à população. Até o momento, o investimento total previsto na execução das obras das vias foi de R$ 1,8 milhão.
 
No bairro de Campina do Barreto receberam os serviços de pavimentação em paralelo, drenagem e esgotamento sanitário com ramal de calçada as Ruas Professor Jarbas Manso, Sapateiro José das Neves Cavalcanti, João Bezerra de Menezes, Educadora Maria José Guimarães Araújo, João Praxedes de Oliveira Filho, Rio Fundo, Ubirajara Vilarim e Vereador Mivaldo Cavalcant e Paulo Rogério.  
 
Em Água Fria, dois logradouros e duas vielas já sofreram intervenções. As Ruas São Joaquim Monte e Bom Conselho receberam a pavimentação em paralelo e asfalto, respectivamente, além de galeria de drenagem e esgotamento sanitário com ramal de calçada. Nas vielas Sinhá e Esperança, ambos com pavimento cimentado, foram instalados canaletas de drenagem e coletores de esgoto.
 
No Conjunto Residencial Governador Miguel Arraes, em Passarinho, serão entregues 34 casas. Duas unidades, localizadas no bloco G, são acessíveis, destinadas a idosos, e possuem 46,16m². De tipologia padrão, com 46, 96m², ainda serão destinadas aos beneficiários 17 no bloco F e 15 no bloco G. As casas possuem sala, cozinha, dois quartos e banheiro. Pessoas que antes viviam nos bairros de Porto da Madeira, Dois Unidos e Beberibe serão deslocadas para o habitacional.
 
PAC BEBERIBE II - O PAC Beberibe II conta com três lotes de obras, que vão beneficiar mais de 38 mil famílias dos bairros de Arruda, Água Fria, Peixinhos, Campina do Barreto, Fundão, Beberibe e Linha do Tiro. Os moradores de Nova Descoberta, Dois Unidos, Cajueiro, Porto da Madeira, Brejo do Beberibe e Passarinho também serão favorecidos com o programa. A obra contará com a construção de 4.890m de via marginal com ciclovia da mesma extensão, pavimentação, drenagem, equipamentos comunitários, estações elevatórias e ligações intradomiciliares de esgoto, que serão executadas pela Construtora Ingazeira.



Palácio diz que operação da PF foi “espetáculo”

Com relação à operação da Polícia Federal e da Controladoria Geral da União realizada hoje (09.11) em prédios da Secretaria da Casa Militar do Estado, o Governo de Pernambuco reafirma a disposição de prestar todos os esclarecimentos necessários, como sempre tem feito quando solicitado por órgãos de controle e fiscalização. A Operação Reconstrução, ocorrida a partir de julho de 2010, envolveu recursos advindos do Estado de Pernambuco e da União, dirigidos ao atendimento emergencial às 120 mil pessoas da Zona da Mata Sul atingidas pela enchente, bem como o trabalho de reconstrução das cidades. As prestações de contas respectivas foram apresentadas a tempo e modo às autoridades competentes, estaduais e federais. Não foi descumprido nenhum prazo ou foi negada nenhuma informação por parte do Governo de Pernambuco. Com relação à Operação Prontidão, realizada após a enchente deste ano de 2017, os prazos de prestação de conta ainda estão em curso. A Operação Reconstrução construiu a Barragem de Serro Azul e cinco hospitais, o Hospital Regional de Palmares, os hospitais municipais de Água Preta, Cortês, Barreiros e de Jaqueira. A Operação Reconstrução também entregou 12.131 mil casas; recuperou ou reconstruiu 71 pontes, recuperou 185 vias urbanas e 28 muros de arrimo em diversos municípios atingidos. A Operação Reconstrução recuperou, ainda, 63,13 quilômetros de rodovias e 203 quilômetros de estradas vicinais; reconstruiu 29 escolas atingidas, revitalizou a orla de Palmares; recuperou e reconstruiu 123 bueiros e 11 passagens molhadas, promoveu a dragagem do Rio Una e criou a Rede de Monitoramento Hidrometeorológico. É absolutamente lastimável o processo de espetacularização negativa das atividades de controle da atuação pública. O que assistimos hoje é exemplo da grave prática de buscar criminalizar toda a atuação dos agentes públicos e políticos. Os trabalhos da Operação Reconstrução envolveram grande número de servidores públicos, que realizaram um esforço extraordinário na missão de minimizar o sofrimento que as enchentes causaram à população pernambucana. É lamentável a operação desproporcional realizada no Gabinete do chefe da Casa Militar, no Palácio do Campo das Princesas. O acesso a todos os documentos e equipamentos ali localizados, assim como a qualquer outro documento público, poderia ter sido solicitado sem a necessidade de qualquer ordem judicial. Logo que disponha de mais informações, o Governo de Pernambuco voltará a se pronunciar publicamente. Governo do Estado de Pernambuco


A Polícia Federal enviou nota sobre a operação no Palácio do Governo de PE
Autor
Adriano Roberto

A Polícia Federal enviou nota sobre a operação no Palácio do Governo de PE

Confira a íntegra:  
A Polícia Federal com apoio da Controladoria-Geral da União e da Procuradoria da República de Pernambuco deflagrou na manhã desta quinta-feira (09/11) a “Operação Torrentes” que visa desarticular um esquema criminoso de desvio de recursos públicos, fraudes em licitações e corrupção de servidores públicos vinculados à Secretaria da Casa Militar do Estado de Pernambuco.

A investigação teve início no ano de 2016, a partir de um relatório elaborado pela Controladoria-Geral da União com relação aos gastos efetuados pela Casa Militar na cifra de R$ 450 milhões que lhe foram repassados pela União na denominada “Operação Reconstrução” para assistência às vítimas das enchentes que devastaram diversos municípios da mata-sul pernambucana em junho de 2010.

Naquela ocasião verificou-se que a depender do objeto licitado, funcionários da Secretaria da Casa Militar direcionavam os contratos a diversos grupos empresariais em troca de contrapartidas financeiras. Também foram verificados indícios de superfaturamentos e inexecução de contratos.

Foram detectados, também, fortes indícios de superfaturamento em alguns contratos recentemente firmados pela Secretaria da Casa Militar com recursos públicos federais desta feita na “Operação Prontidão”, que tem por objetivo a reestruturação dos municípios da mata sul pernambucana atingidos, uma vez mais, pelas chuvas torrenciais ocorridas em maio do corrente ano de 2017. 

A operação


No dia de hoje, 260 policiais federais de 10 estados da federação (PE, PB, MT, RO, AL, MA, RN, RR, AP, SE) e 25 (vinte e cinco) servidores da Controladoria-Geral da União-CGU, distribuídas entre 44 equipes estão dando cumprimento a 71 mandados judiciais, sendo 36 de busca e apreensão, 15 de prisão temporária e 20 de condução coercitiva em Pernambuco e no Pará (01 Condução Coercitiva). Também foi determinado o sequestro e a indisponibilidade dos bens dos principais investigados. O nome Torrentes faz alusão as enchentes que devastaram diversos municípios da mata-sul.

Todos os presos serão trazidos para a sede da Polícia Federal onde serão interrogados e dependendo do seu grau de participação e envolvimento responderão pelos crimes de peculato, fraude em licitação, corrupção ativa e passiva e associação criminosa, cujas penas ultrapassam os 25 anos de reclusão. Após serem ouvidos todos serão encaminhados para fazer exame de corpo de delito e compareceram à audiência de custódia e caso seja ratificada suas prisões os civis serão encaminhados para o Cotel e Colônia Penal Feminina e os militares para uma instituição designada pelo Comando da Polícia Militar de Pernambuco.

Os prejuízos aos cofres públicos ainda estão sendo contabilizados porque a Casa Militar à despeito de várias solicitações feitas pela Controladoria-Geral da União, não havia encaminhado os comprovantes de despesas que são essenciais para efetuar o respectivo levantamento. Coletiva de imprensa será concedida na sede da Polícia Federal em Pernambuco às 10h onde serão repassados maiores detalhes sobre as investigações!

A CASA MILITAR é o órgão da administração direta, subordinado diretamente ao Governador do Estado. É uma instituição destinada, fundamentalmente, para a proteção dos altos interesses do Estado, do governo e de seu povo. Suas funções, abrangem a segurança da máxima autoridade do Estado, a sede do governo e a ajudância-de-ordem do presidente ou governador. A Casa Militar é uma das secretarias integradas ao Palácio do Campo das Princesas. O Secretário-Chefe da Casa Militar possui as mesmas prerrogativas, direitos e vantagens atribuídas aos Secretários de Estados.



PF deflagra operação contra desvio de recursos na Casa Militar de PE
Autor
Adriano Roberto

PF deflagra operação contra desvio de recursos na Casa Militar de PE

Do G1 PE - A Polícia Federal em Pernambuco (PF) deflagrou, na manhã desta quinta-feira (9), uma ação no Grande Recife. Agentes estão no prédio da Casa Militar do governo do estado, ao lado do Palácio do Campo das Princesas, sede da administração estadual, no bairro de Santo Antônio, na área central da capital.

A 'Operação Torrentes' tem como objetivo desarticular um esquema criminoso de desvio de recursos públicos, fraudes em licitações e corrupção de servidores públicos ligados à Casa Militar.

Há, ainda, equipes cumprindo mandados em uma residência na Rua da Harmonia, em Casa Amarela, na Zona Norte do Recife. A corporação também realiza buscas em um prédio localizado no bairro de Casa Caiada, em Olinda.

A PF não deu detalhes sobre a operação nem os motivos das ações. Disse, ainda, que vai divulgar mais detalhes às 10h desta quinta.



Fim de privilégios a servidores é ponto central da reforma
Autor
Adriano Roberto

Fim de privilégios a servidores é ponto central da reforma

O fim dos privilégios a servidores públicos será uma das "cláusulas pétreas" durante as negociações do novo texto da reforma da Previdência, indicou ontem o deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), relator da proposta. Ele fez um discurso feroz contra as regras que permitem que funcionários públicos se aposentem mais cedo e ganhando mais do que trabalhadores da iniciativa privada. Outro ponto "imexível", segundo ele, será a fixação da idade mínima, embora não tenha garantido que permanecerá a exigência nos patamares de 62 anos para mulheres e 65 anos para homens.

Além desses dois pontos, todo o resto será negociado, inclusive o trecho que pretendia elevar o tempo mínimo de contribuição para a aposentadoria de 15 para 25 anos. Segundo apurou o Estadão/Broadcast, na quarta-feira, 8, foi batido o martelo para a retirada de mudanças no Benefício de Prestação Continuada (BPC), pago a pessoas de baixa renda - idosos e portadores de deficiência - e na aposentadoria rural, que teria a idade mínima das mulheres elevada de 55 anos para 57 anos.

O relator ainda vai se reunir com os líderes dos partidos para coletar os pedidos de mudanças e ver "o que dá conforto" para que os parlamentares votem a favor da reforma. Todos esses pontos serão costurados em uma emenda aglutinativa que será apreciada no plenário da Câmara. Serão necessários 308 votos em dois turnos de votação.

Oliveira Maia admitiu que a própria regra de transição pode ser alvo de alterações. A proposta atual combina a cobrança de adicional de 30% sobre o tempo que falta hoje para a aposentadoria, o chamado "pedágio", com idades mínimas de transição, que começam em 53 anos para mulheres e 55 anos para homens e evoluem ao longo de duas décadas. "Há disposição do governo de fazer concessões, mas desejamos que modificações sejam as mínimas possíveis", disse o relator.

A mudança na regra de cálculo do benefício proposta pelo governo também pode mudar, mas Oliveira Maia adiantou que vai defender a fórmula construída na comissão especial. Ela prevê o direito a um mínimo de 70% do salário de contribuição ao preencher os requisito de pelo menos 25 anos de contribuição à Previdência, com ganhos crescentes até conseguir os 100% aos 40 anos de trabalho.

O relator destacou, porém, que nenhum detalhe das regras que serão propostas no texto mais enxuto pode ser confirmado antes das conversas com as bancadas. À exceção da idade mínima e do fim dos privilégios dos servidores, as negociações começam do zero.

Consenso

Sobre a manutenção da exigência de idade mínima para a aposentadoria, Oliveira Maia afirma haver "consenso" entre parlamentares sobre a importância da medida. "Não há sentido em fazer reforma da Previdência se não modificar essa condição absurda de a pessoa se aposentar não por idade mínima, mas por tempo de contribuição. Isso tem permitido que pessoas com menos de 50 anos se aposentem."

Ele destacou que "não há chance" de a reforma permitir regras diferentes para servidores e trabalhadores privados.

As categorias do funcionalismo são bem articuladas e têm forte poder de pressão sobre os parlamentares. O próprio relator já reconheceu ter recebido representantes dos servidores pedindo por flexibilizações no texto da reforma, mas ele acredita agora que essa pressão diminuiu e não vai recrudescer, mesmo com o aumento no número de propostas do governo que atingem as categorias, como o adiamento do reajuste previsto para 2018. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo e Estadão Conteúdo. 



Moro autoriza deslacre do acervo presidencial de Lula
Autor
Adriano Roberto

Moro autoriza deslacre do acervo presidencial de Lula

Os contêineres com inúmeros objetos e mais de 400 mil cartas recebidas pelo ex-presidente Lula durante seus dois mandatos tiveram o deslacre e a liberação autorizados pelo juiz Sergio Moro.

O material está guardado no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC e aguardava, segundo a colunista Monica Bergamo, do jornal Folha de São Paulo, o término da ação judicial que apontava irregularidades no armazenamento.

Na acusação, o líder petista e o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamoto, tiveram de responder sobre suposta lavagem de dinheiro e corrupção passiva diante do fato de a OAS ter pago a manutenção do acervo.

Moro absolveu a dupla e, agora, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) decidirá se a sentença do juiz de Curitiba será mantida ou não.



MPPE investiga suspeita de fraude no concurso da UPE
Autor
Adriano Roberto

MPPE investiga suspeita de fraude no concurso da UPE

O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) está investigando uma suposta fraude no concurso da Universidade de Pernambuco (UPE), para o preenchimento de 388 vagas de analista técnico de gestão universitária, assistente técnico e também para médicos.

Um membro que faz parte da comissão do processo seletivo seria parente de um dos candidatos, a informação já foi confirmada pela Reitoria da UPE para o Ministério Público.

O caso está sendo investigado pela promotora de Justiça Andréa Nunes Padilha,que determinou que fosse encaminhado um novo ofício à Reitoria solicitando novas informações, entre elas se a candidata investigada foi aprovada em alguma das etapas da seleção, além da nota obtida por ela. Não há prazo determinado para a conclusão do inquérito.



Sai resultado do concurso do TJPE; confira o listão
Autor
Adriano Roberto

Sai resultado do concurso do TJPE; confira o listão

Da Folha de PE - O resultado da prova objetiva do concurso do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) foi divulgado nesta quarta-feira (8). Clique aqui para conferir o resultado.

A publicação do resultado das provas foi feita no site do Instituto Brasileiro de Formação e Capacitação (IBFC), organizador do certame. Com a divulgação, a perícia médica para pessoas com deficiência e habilitadas na prova objetiva será realizada nos dias 18 e 19 de novembro, no Recife. 

O mesmo vale para a aferição da veracidade de autodeclaração como pessoa negra. A convocação, em ambos os casos, estará disponível no site do IBFC a partir das 16h de 13 de novembro.

O instituto também divulgou as análises dos recursos contra questões do exame objetivo e gabaritos.



De olho. PEC na Câmara pode liberar salários acima do teto
Autor
Adriano Roberto

De olho. PEC na Câmara pode liberar salários acima do teto

Após a polêmica envolvendo a ministra dos Direitos Humanos, Luislinda Valois (PSDB), a comissão especial que analisa o projeto que regulamenta o limite salarial dos servidores prepara uma proposta de emenda à Constituição (PEC) para regulamentar as possibilidades de acúmulo de salários além do teto do funcionalismo público, de R$ 33,7 mil, quando há ocupação de diferentes cargos. A mudança constitucional também deve propor o fim das férias de 60 dias concedidas a membros do Judiciário e do Ministério Público.

Segundo o relator do projeto, deputado Rubens Bueno (PPS-PR), a PEC é necessária para contemplar decisão recente do Supremo Tribunal Federal (STF), com repercussão geral, que prevê a incidência de mais de um teto remuneratório no caso de acumulação de vínculos com a administração pública. Na prática, isso legaliza o recebimento acima do limite de R$ 33,7 mil, que é o salário de um ministro do Supremo.

A Corte previu que a incidência de dois tetos remuneratórios independentes se aplica “nos casos autorizados constitucionalmente de acumulação de cargos, empregos e funções”. A Constituição prevê que essa acumulação é permitida a profissionais de saúde e professores, mas o entendimento de consultores do Congresso é de que a decisão do STF deixou a questão em aberto para outras categorias.

A interpretação é de que a menção a “cargos, empregos e funções” é vaga e pode abrir espaço para situações como a da própria ministra e, por isso, há a necessidade de restringir a regra de acúmulo. Como revelou a Coluna do Estadão, Luislinda pediu ao governo para acumular seus vencimentos como ministra (R$ 30.934,70) e como desembargadora aposentada (R$ 30.471,10).

Em um pedido de 207 páginas, ela reclamou que, por causa do teto constitucional, só pode ficar com R$ 33,7 mil e que essa situação, “sem sombra de dúvidas, se assemelha ao trabalho escravo”. Após a repercussão negativa, porém, a ministra desistiu da solicitação. A PEC terá tramitação própria e independente do projeto de lei que regulamenta o teto salarial de servidores, que deve ser votado ainda neste ano, incluindo no limite uma série de “penduricalhos”.



Senador faz emenda em MP que beneficia empresa da qual é sócio
Autor
Adriano Roberto

Senador faz emenda em MP que beneficia empresa da qual é sócio

DO UOL, EM BRASÍLIA - O senador  Cidinho Santos (PR-MT), membro da bancada ruralista, fez emendas ao texto de uma MP (Medida Provisória) que podem beneficiar uma empresa da qual é sócio e que tem débitos parcelados com Funrural (Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural).

As alterações foram feitas à MP 793, que prevê descontos a produtores rurais com débitos junto ao fundo. Se as emendas feitas por Cidinho entrarem em vigor, sua empresa poderá aderir a um refinanciamento em situações mais favoráveis .  

Procurado pela reportagem, Cidinho negou que sua empresa fosse devedora do Funrural e disse que "não legislou em causa própria".

A PGFN (Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional), por outro lado, confirmou que a empresa de Cidinho Santos constava como devedora da União até o dia 30 de outubro, quando parcelou os débitos.  A MP 793 foi enviada pelo presidente Michel Temer (PMDB) ao Congresso Nacional em julho deste ano.  

Ela foi vista como uma medida para ganhar o apoio da bancada ruralista, pois o texto prevê o desconto de multas e juros devidos por produtores rurais em débito com o Funrural, fundo responsável pela aposentadoria de trabalhadores rurais em todo o Brasil. Estimava-se que o total da dívida fosse de  R$ 10 bilhões.  

À época,  Temer precisava do apoio da Câmara dos Deputados para se livrar da primeira denúncia contra ele feita pela PGR (Procuradoria-Geral da República). 

O texto enviado pelo governo previa, entre outros benefícios, um perdão de  25%  nas multas das dívidas e a possibilidade de parcelamento dos débitos em até  15 anos.  Estudos técnicos indicavam que a MP apresentada pelo governo resultaria em uma perda de  R$ 8,6 bilhões  em arrecadação. 

Para virar lei, porém, a medida precisa ser aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo presidente da República.

Na última terça-feira (7),  a Comissão Mista responsável por avaliar o texto enviado pelo governo aprovou o relatório da deputada Terezinha Santos  (PSB-MS). O texto incorporou algumas das emendas feitas por Cidinho Santos --apesar do mesmo sobrenome, eles não são parentes. 

Cidinho, que é suplente do ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PR-MT), é é um dos 13 membros titulares da comissão, além de figurar como sócio da empresa União Avícola Agroindustrial, em Mato Grosso. A empresa trabalha com o abate de aves e mantém contratos com grandes processadoras de proteína animal como a BRF. 

De acordo com a lista de devedores da PGFN, disponível na internet, a empresa tinha um débito de R$ 3,3 milhões referente a dívidas previdenciárias. Não é possível, no entanto, identificar quanto deste valor era referente à dívida da empresa com o Funrural.

A PGFN, que confirmou que a União Avícola Agroindustrial parcelou seus débitos junto ao Funrural, não informou o valor do débito.

Emendas podem beneficiam empresa de senador

Cidinho foi o autor de cinco emendas ao texto enviado pelo governo ao Congresso Nacional. Em pelo menos duas delas, o texto proposto por ele beneficiaria sua empresa.  

O senador sugeriu o perdão de 100% das multas de mora, encargos e honorários advocatícios devidos por produtores rurais "pessoa física" e de companhias que trabalham com a compra de produção rural de terceiros, caso da sua empresa.

O valor é quatro vezes maior do que o proposto pelo governo, que era de um perdão de apenas 25% nesses valores. 

Outra proposta de Cidinho que acabou incluída no texto aprovado pela Comissão Mista é a que vincula o pagamento das dívidas à receita das empresas que trabalham com a compra de produção rural. 

O texto do governo previa que, após o pagamento de uma entrada, o restante da dívida total poderia ser dividida em até 176 vezes.

Pela sugestão de Cidinho, a empresa devedora pode parcelar o débito no mesmo prazo, mas o valor das prestações não seriam vinculados ao total da dívida, mas à receita bruta da empresa no ano anterior.  

Na prática, as mudanças propostas por Cidinho Santos aumentam a renúncia fiscal que o governo havia dado ao setor do agronegócio. Pelo texto que foi aprovado nesta terça-feira, a empresa da qual Cidinho Santos é sócio poderá aderir às novas regras, mais vantajosas aos devedores.

Senador nega "legislar em causa própria"

Procurado pela reportagem, Cidinho Santos negou que sua empresa seja devedora do Funrural. 

"Temos uma dívida previdenciária, mas tenho 110% de certeza que não devemos o Funrural", afirmou o senador. 

Diante da negativa do senador, a reportagem procurou novamente a PGFN, que confirmou a informação de que a empresa de Cidinho não apenas era devedora do Funrural, mas que havia aderido a um parcelamento dos débitos pouco mais de uma semana antes.  

A reportagem voltou a procurar Cidinho Santos e este, mais uma vez, negou que sua empresa tivesse débitos com o Funrural. "Minha empresa tinha dívidas previdenciárias, mas nada com o Funrural", reafirmou. 

O senador negou haver conflito de interesse entre sua atuação como empresário do setor agropecuário e membro da comissão que avalia a MP do Funrural.

"Não tenho dívida com o Funrural, então para mim é totalmente tranquilo", disse Cidinho Santos. 

Ele também negou que as emendas apresentadas por ele e que beneficiaram, em tese, sua empresa, poderiam ser vistas como um exemplo de "legislação em causa própria". 

"Não estou legislando em causa própria. Se fosse assim, eu deveria esperar e aderir ao novo financiamento da dívida só depois que a gente aprovar a MP. E não tenho intenção de fazer isso. Mas sou um parlamentar que representa o segmento do agronegócio e estamos procurando uma forma de não inviabilizar os produtores rurais", afirmou.



Chineses investem R$ 35,3 bilhões no Brasil e há mais à vista
Autor
Adriano Roberto

Chineses investem R$ 35,3 bilhões no Brasil e há mais à vista

A China está cada vez mais forte no mercado brasileiro. Um estudo da Dealogic aponta que os investimentos de empresários chineses no país, de janeiro a outubro deste ano, movimentaram, pelo menos, US$ 10,84 bilhões (cerca de R$ 35,3 bilhões).

Quando consideradas as compras feitas por empresas chinesas no Brasil, os números também apontam crescimento: em 2016, foram seis aquisições; neste ano, já foram 17. A onda de investimentos não deve ser afetada pelas eleições presidenciais.

Os analistas ainda prevêem que uma segunda leva de investimentos chineses ocorra em 2018. Tal análise é embasada no fato de pelo menos dez grandes marcas estarem em processo de chegada no país. As principais áreas de atuação são: energias renováveis, ferrovias, portos, mineração e papel e celulose, listou Daniel Lau, sócio-diretor da KPMG, à Folha de São Paulo. 

Conforme Lau, esta entrada começou a ser analisada pelos chineses em 2012 e já está avançada. "Hoje, as perguntas que nos fazem não são mais básicas, já conhecem os entraves regulatórios, as diferenças fiscais dos Estados, os atrativos de cada região", detalhou.

A expectativa é que empresas ligadas a transportes entrem no mercado ainda no primeiro semestre de 2018, de olho nos de leilões do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos), como o do Ferrogrão. Sócio do banco Modal, Eduardo Centola estimou ao jornal que, em seguida, virão empresários que atuam em saúde, logística, agronegócio e telecomunicações.