Blog do Adriano Roberto


Joaquim pode ter Marina como vice e decide candidatura em janeiro
Autor
Adriano Roberto

Joaquim pode ter Marina como vice e decide candidatura em janeiro

Joaquim Barbosa ficou de bater o martelo sobre sua candidatura à presidência da República em janeiro, quando voltar de uma viagem ao exterior. Como se sabe, porém, as conversas com o PSB estão mais quentes do que nunca. Numa delas, recente, o ex-ministro disse ao interlocutor que ainda não tem convicção se deseja abrir mão das delícias do “ostracismo”.

“Hoje, saio na rua, tomo meu chope, faço o que bem entendo, sem ser incomodado. Quando alguém me para, é para pedir que eu me candidate”. Joaquim falou também sobre sua admiração por Marina Silva, que no sábado declarou-se na briga pelo Palácio do Planalto.

Também não é novidade, entretanto, que ele não planeja ser vice de ninguém. Se for para entrar na guerra será na cabeça de chapa. Mas e se Marina topasse ser a vice, provocou o interlocutor. O ex-ministro arrematou: “Isso seria ótimo”.



Aliança-PE abre concurso com 215 vagas e salários até 8 mil
Autor
Adriano Roberto

Aliança-PE abre concurso com 215 vagas e salários até 8 mil

A Prefeitura de Aliança, Pernambuco, informa que já estão abertas as inscrições do concurso para 215 vagas no quadro geral do executivo. O edital 01/2017 oferece oportunidades para candidatos de todos os níveis de escolaridade, com salários iniciais entre R$ 937,00 e R$ 8.000,00.

Prefeitura de Aliança-PE tem inscrições abertas em concurso com 215 vagasAs inscrições seguem até o dia 1º de janeiro de 2018, por meio da Consulpam - www.consulpam.com.br. As taxas de participação variam entre R$ 28,66 e R$ 47,33, com isenção prevista para candidatos doadores de sangue ou que estiverem inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (Cadúnico).

Para candidatos alfabetizados e de escolaridade fundamental, há vagas para Auxiliar de Serviços Gerais, Carpinteiro, Coveiro, Cozinheiro, Eletricista, Encanador, Gari, Mecânico, Merendeira, Motorista, Operador de Maquinas, Pedreiro e Pintor. Os salários iniciais variam entre R$ 937,00 e R$ 1.200,00.

De nível médio e técnico, as vagas estão nos cargos de Agente Comunitário de Saúde, Agente de Combate às Endemias, Atendente de Consultório Dentário, Auxiliar Administrativo, Fiscal de Obras, Recepcionista, Técnico de Enfermagem, Técnico em Farmácia, Técnico em Laboratório e Técnico Agrícola. As remunerações variam entre R$ 937,00 e R$ 1.014,00.

Candidatos de nível superior podem se inscrever para Assistente Social, Bioquímico, Educador Físico, Enfermeiro Plantonista, Enfermeiro, Engenheiro Agrônomo, Farmacêutico, Fisioterapeuta, Fonoaudiólogo, Médico Clínico Geral Plantonista, Médico Pediatra, Médico Psiquiatra, Nutricionista, Odontólogo, Professor de Letras/Libras, Professor de Educação Física, Professor de Português, Pedagogo e Psicólogo. Os salários iniciais variam entre R$ 1.500,00 e R$ 8.000,00.

A aplicação das provas objetivas está prevista para 25 de fevereiro. Serão aplicadas questões de Língua Portuguesa, Conhecimentos Matemáticos, Noções de Informática, Noções de Direito Administrativo e Atualidades. O resultado da etapa está previsto para 21 de março.

Os cargos de nível superior têm ainda etapa de títulos, com entrega de documentação no mesmo dia da prova objetiva. O resultado da etapa sai em 7 de abril.

O resultado final do concurso sai em 24 de abril e validade do certame será de dois anos, prazo que pode ser prorrogado uma vez pelo mesmo período, conforme informa o edital.



Autor
Adriano Roberto

"Eles vão ter que me engolir", diz Lula em ato em Vitória

Dois dias após a divulgação de pesquisa Datafolha que o aponta na liderança da corrida presidencial em 2018, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva chamou de bobagem a suposição de que pode não ser candidato na disputa.

"Como disse Zagallo, eles vão ter que me engolir", disse, em referência a uma frase que ficou famosa na boca do ex-técnico da seleção Mário Jorge Lobo Zagallo.

Durante ato no centro de Vitória (ES), na noite desta segunda-feira (4), o petista afirmou: "Não fiquem com essa bobagem de que o Lula não será candidato, não. Vou ser candidato e vou ganhar as eleições".

Um drone foi usado para detectar a ocorrência de manifestação antes que a comitiva chegasse ao ato.

Pouco antes de o petista assumir o microfone no ato, o presidente da CUT, Vagner Freitas, citou a pesquisa Datafolha para dizer que há uma tentativa de impedir a candidatura do ex-presidente. "Eleição sem Lula é golpe", discursou.

Ao pé do palco, o coordenador das Caravanas de Lula e vice-presidente do PT, Marcio Macedo, disse que os números da pesquisa, somado às consultas encomendadas pelo partido, consolidam a candidatura do ex-presidente, algo irrevogável, segundo ele.

Em seu primeiro discurso após a divulgação da pesquisa, o ex-presidente também lembrou ter lançado, durante a disputa presidencial de 2002, uma carta aos brasileiros em uma tentativa de tranquilizar o mercado quanto a riscos de sobressalto na economia. E acrescentou: "Quero voltar a ser Lulinha paz e amor".

Mais uma vez, Lula disse não depender do apoio do mercado, afirmando também que os empresários e banqueiros foram beneficiados em seu governo.

"O mercado vai precisar muito mais de mim do que eu deles", disse.

Em seu discurso, Lula ironizou o desempenho do presidente Michel Temer nas pesquisas de opinião. Afirmou que o peemedebista terminará seu mandato, que disse ter conquistado via golpe, "devendo ao Datafolha e ao Ibope".

Temer, de acordo com o Datafolha, é rejeitado por 71%, uma variação de dois pontos para baixo do registrado em setembro, dentro da margem de erro.

Sem citar o nome do prefeito de São Paulo,João Doria, Lula afirmou que o Brasil não está precisando de um gestor, "como se fosse uma oficina mecânica", mas de alguém que entenda do país. Também afirmou que não tem vergonha de ser político, nem de seu partido.

CARAVANA

O discurso de Lula marcou a abertura de sua caravana pelos Estados do Espírito Santo e do Rio de Janeiro. De Vitória, Lula seguirá até Campos, Maricá, Nova Iguaçu e Rio, passando por Cariacica.

Manifestantes chegaram a levar um trio elétrico ao aeroporto onde Lula era esperando por apoiadores. Mas, em menor número, se retiraram logo depois. Com informações da Folhapress



Instituto Federal de Pernambuco abre 19 vagas temporárias
Autor
Adriano Roberto

Instituto Federal de Pernambuco abre 19 vagas temporárias

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano (IF Sertão Pernambucano) está com inscrições abertas do Processo Seletivo que contratará temporariamente 19 novos Professores Substitutos por períodos que variam de cinco meses a um ano.

Há vagas disponíveis nas áreas de Sociologia (1), Engenharia Civil (1), Informática (2), Espanhol (1), Física (2), Pedagogia (1), Química (2), Tecnologia em Alimentos (1), Filosofia (1), Desenho Técnico, Construções Rurais e Topografia (1), Viticultura e Enologia (1), Inglês (2), Libras (1) e Língua Portuguesa (1), distribuídas entre os Campi de Floresta, Ouricuri, Petrolina, Salgueiro, Santa Maria da Bosta Vista e Serra Talhada.

Ao atuar em jornada de trabalho de 40 horas semanais, os Docentes selecionados receberão remunerações que variam de R$ 3.121,76 a R$ 3.552,08, de acordo com o grau de titulação apresentado por eles, conforme determina o edital de abertura já disponível para consulta em nosso site.

Os interessados poderão garantir participação até o dia 11 de dezembro de 2017, exclusivamente via internet, pelo site www.concurso.ifsertao-pe.edu.br. A taxa de participação, que deve ser paga por meio do Guia de Recolhimento da União (GRU), é cobrada no valor único de R$ 60,00.

A avaliação dos concorrentes constará das etapas de Prova de Desempenho Didático, de caráter eliminatório e classificatório, e também Avaliação de Títulos, de caráter apenas classificatório. Estas etapas estão previstas para serem realizadas de 19 a 20 e de 21 e 22 de dezembro de 2017.

O presente Processo Seletivo terá prazo de validade de 12 meses, podendo ser prorrogado.



Caciques poderosos podem ser varridos nas eleições de 2018
Autor
Adriano Roberto

Caciques poderosos podem ser varridos nas eleições de 2018

Por Marcus André Melo - Folha de SP

Surpreendentemente, as eleições para a Câmara dos Deputados no Brasil (2014) e na França (2012) têm algo em comum: a taxa de renovação parlamentar foi a mesma, 43%. Mas, nas eleições legislativas francesas ocorridas logo após a vitória de Macron, a taxa alcançou o impressionante escore de 78% –o mesmo das eleições fundadoras da 5ª República Francesa, que levou De Gaulle ao poder, em 1958. E, no Brasil, o que esperar em 2018?

Em nosso país, a taxa de renovação parlamentar foi de 61,8% em 1990. A taxa declina nas eleições seguintes: 54,3% (1994), 43,9% (1998), 44,8% (2002), 48% (2006), 46,4% (2010) e 43,7 (2014). A tendência é no sentido de estabilização do eleitorado e refletiu a transição de regime. A alternância de poder em 2002 e o mensalão contribuíram para o resultado discrepante de 2006, quando a renovação subiu.

A taxa de renovação no mundo varia amplamente e é muito baixa em algumas democracias estabelecidas, como os EUA (15%) ou a Alemanha (22%). Nas velhas democracias, do período do pós-guerra até 2012, a taxa média oscila em torno de 35%, dependendo da métrica utilizada.

A taxa média brasileira é elevada porque no Brasil adota-se a representação proporcional com distritos eleitorais grandes, os mandatos são longos, sem eleições intermediárias e há opções de carreira alternativas no plano subnacional, entre outros fatores. Mas esses fatores valem para tempos normais: o determinante básico é se o eleitorado foi submetido a um choque profundo que abale as suas preferências.

As eleições de 2018 no país serão o confronto de duas forcas que operam em direções contrárias: uma inédita demanda por renovação parlamentar e uma também incomum oferta reduzida de candidaturas viáveis. Nunca desde a redemocratização as pressões por renovação parlamentar foram tão elevadas.

Devido ao impacto da Lava Jato, seria natural esperar enorme demanda por renovação. Há mudanças recentes que potencialmente facilitarão a renovação, como a proibição das doações empresariais, a liberação das pré-campanhas e o encurtamento do período de campanha. Outros fatores também influenciarão, como o provável fraco efeito de "coattail" esperado (influência da eleição presidencial sobre a parlamentar).

Por outro lado, a criação do fundo de campanha valor assombroso de R$ 1,7 bilhão, a manutenção das regras de acesso ao tempo de TV e a cláusula de barreira recém aprovada criam um viés pró-incumbente como não se via desde a República Velha.

Mas que não se subestime a magnitude do choque ocorrido na cultura política: muitos caciques parlamentares poderosos poderão ser varridos da cena política nas eleições.



Dezembro começa com 3.200 vagas em concursos já abertos
Autor
Adriano Roberto

Dezembro começa com 3.200 vagas em concursos já abertos

Do Ache Concursos - Na primeira segunda-feira do mês de dezembro, pelo menos 20 concursos e seleções abrem inscrições pelo país. A oferta é de 3.183 vagas em funções de todos os níveis de escolaridade nos estados de Minas Gerais, Bahia, Paraíba, Mato Grosso, Goiás, Ceará, Pará, Espírito Santo, São Paulo e Pernambuco. Os salários chegam a R$ 8.800,00 na Prefeitura de Várzea Grande, Mato Grosso.

Os destaques ficam por conta da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), da Câmara Municipal de Salvador-BA, e das Prefeituras de João Pessoa-PB, Várzea Grande-MT e Frecheirinha-CE, que somam 2.816 vagas.

Cemig

São 47 vagas, mais formação de cadastro reserva, em cargos de nível médio. As funções de Eletricista de Linhas e Redes Aéreas, Eletricista de Linhas de Transmissão, Eletricista de Redes Subterrâneas de Distribuição, Eletricista de Montagem Elétrica de Linhas, Mantenedor Eletroeletrônico da Geração e Mantenedor Mecânico da Geração têm salários iniciais de R$ 1.900,00.

As inscrições acontecem pela Fumarc - www.fumarc.com.br - até 11 de janeiro, com taxas fixadas em R$ 38,00. A prova objetiva está prevista para 25 de fevereiro, com aplicação as cidades de Belo Horizonte, Divinópolis, Governador Valadares, Juiz de Fora, Montes Claros, Uberlândia e Varginha e questões de Conhecimentos Específicos, Interpretação de Texto/Português Instrumental e Raciocínio Lógico - saiba mais.

Câmara de Salvador-BA

Com exigência de escolaridade média ou superior, são oferecidas 60 vagas para Assistente Legislativo Municipal, Auxiliar em Saúde Bucal, Analista de Controle Funcional, Administração de Pessoal e Gestão de Pessoas, Analista de Desenvolvimento de Pessoas, Analista em Patrimônio e Materiais, Analista de Licitação, Contratos e Convênios, Analista Administrativo, Analista Financeiro, Analista Legislativo, Analista de Tramitação, Analista em Taquigrafia e Revisão, Analista de Controladoria, Analista do Gabinete da Presidência, Analista da Mesa Diretora/Ouvidoria, Analista de Secretaria de Cerimonial, Analista em Tecnologia da Informação, Advogado Legislativo, Arquiteto, Engenheiro Civil, Assistente Social e Odontólogo. Os salários iniciais variam entre R$ 4.575,44 e R$ 5.751,35.

As inscrições vão até 10 de janeiro de 2018 pelo site da FGV - www.fgv.br/fgvprojetos/concursos/cms2017 - com taxas de R$ 55,00 e R$ 95,00. As provas objetivas estão previstas para 25 de fevereiro, com 70 questões de Língua Portuguesa, Legislação Específica e Conhecimentos Específicos. Haverá ainda prova discursiva para os cargos de nível superior e prova prática para Analista em Taquigrafia e Revisão. Saiba mais.

Prefeitura de João Pessoa-PB

São 20 vagas de níveis médio e superior para Técnico Municipal de Controle Interno na área de Auditoria, Fiscalização, Ouvidoria e Transparência e Auditor Municipal de Controle Interno nas áreas de Auditoria, Fiscalização, Ouvidoria e Transparência nas especialidades Geral, Infraestrutura e Desenvolvimento de Sistemas.

Pelo Cespe/Cebraspe - www.cespe.unb.br/concursos/pref_jp_17_cgm - as inscrições vão até 18 de dezembro, com taxas de R$ 68,00 e R$ 105,00. Os candidatos serão avaliados em etapas objetiva e discursiva, com questões de Conhecimentos Básicos e Conhecimentos Específicos, com aplicação prevista para 28 de janeiro. Saiba mais.

Prefeitura de Várzea Grande-MT

Três editais somam 2.678 vagas em funções de todos os níveis de escolaridade, com remunerações iniciais variando entre R$ 985,00 e R$ 8.800,00. Serão selecionados profissionais para funções como Professor de Educação Infantil e Ensino Fundamental, Técnico de Desenvolvimento Infantil, Técnico de Desenvolvimento Educacional Especializado, Agente Administrativo, Técnico de Manutenção e Segurança da Infraestrutura Escolar, Técnico em Nutrição Escolar, Técnico de Manutenção da Infraestrutura e Higienização Escolar, Transporte Escolar, Administrador, Advogado, Analista de Rede, Analista de Sistemas, Arquiteto, Assistente Social, Contador, Economista, Engenheiro (Agrônomo, Ambiental, Civil, Segurança no Trabalho, Eletricista, Florestal, Sanitarista), Geógrafo, Geólogo, Gestor Municipal, Jornalista, Nutricionista, Programador Web, Psicólogo, Psicopedagogo, Secretário Executivo, Técnico de Nível Superior, Turismólogo, Agente Administrativo, Agente de Serviços Gerais, Fotógrafo, Mecânico de Veículos Leves e Pesados, Motorista, Operador de Máquina Rodoviária, Operador de Sistemas, Agente de Segurança e Manutenção, Técnico Agrícola, Técnico em Agropecuária, Técnico em Corte e Costura, Técnico em Edificações, Técnico em Estradas, Técnico em Meio Ambiente, Técnico em Padaria, Topógrafo, Biólogo, Biomédico, Enfermeiro, Médico, Técnico em Segurança do Trabalho, Gesseiro, Maqueiro e Procurador Municipal.

A abertura das inscrições do primeiro edital acontece em 4 de dezembro, com prazo até 4 de janeiro; já o prazo para os outros editais fica aberto entre 11 de dezembro e 18 de janeiro. As inscrições acontecem no site da UFMT - www.ufmt.br/concursos - com taxas de R$ 50,00, R$ 60,00 ou R$ 90,00. As provas objetivas do edital 01/2017 acontecerão em 4 de feveiro; já os outros editais aplicam provas em 25 de fevereiro. Estão previstas ainda prova de redação e avaliação de títulos para professores e prova discursiva para Procurador. Saiba mais.

Prefeitura de Frecheirinha-CE

São 11 vagas, mais formação de cadastro reserva, na função de Guarda Municipal. A função exige escolaridade média e carteira de habilitação AB, tendo remuneração de R$ 1.200,00.

As inscrições vão até 18 de dezembro, pelo site universidadepatativa.com.br, com taxa de R$ 80,00. A aplicação das provas objetivas está prevista para 7 de janeiro, com questões de Língua Portuguesa, Matemática Básica, Ética e Conhecimentos Específicos. Veja o edital.

Outros

A segunda-feira também tem a abertura de inscrições do processo seletivo da Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos do Estado do Pará (Sejudh), que tem sete vagas; processo seletivo da Prefeitura Municipal de Bom Jesus do Norte-ES, que tem 17 vagas; dprocesso seletivo da Prefeitura de Várzea Paulista-SP, com seis vagas; processo seletivo da Prefeitura Municipal de Apiacá-ES, com vagas em cadastro reserva; processo seletivo da Prefeitura Municipal de Nova Bandeirantes-MT, com 12 vagas; processo seletivo da Prefeitura Municipal de Marataízes-ES, com 90 vagas; processo seletivo da Universidade Federal de Pernambuco (Ufpe), com 69 vagas para Professor Substituto; e processo seletivo da Prefeitura Municipal de Colíder-MT, com 168 vagas.



Lula inicia caravana pelo Rio e Espírito Santo nesta segunda
Autor
Adriano Roberto

Lula inicia caravana pelo Rio e Espírito Santo nesta segunda

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva começa nesta segunda-feira (4) uma viagem por cidades do Rio de Janeiro e do Espírito Santo, na terceira caravana do petista neste ano. Diferentemente do que ocorreu no Nordeste, em agosto, e em Minas, em outubro, o ex-presidente não será recepcionado por governadores e deve enfrentar oposição mais forte.

As informações são do jornal Folha de S. Paulo. De acordo com a última pesquisa Datafolha, Lula tem vantagem de apenas seis pontos percentuais sobre o pré-candidato Jair Bolsonaro (PSC-RJ) na região. Em escala nacional, a diferença entre os concorrentes chega a 18 pontos. O PT está desgastado no Rio, domicílio eleitoral de Bolsonaro. O partido deve lançar o ex-ministro Celso Amorin ao governo do Estado em 2018.

Já no Espírito Santo, a sigla não deve ter representante na próxima eleição para governador. O líder do PT no Senado, Lindbergh Farias (RJ), vê a caravana como preparação para a chegada ao Sul do país. "Na primeira etapa, fomos a lugares lulistas. Agora, vamos a um terreno de maior disputa. Para mim, é a etapa mais importante. E a vinda de Lula tem impacto muito grande", diz.



General volta à cena e diz que obediência ao Estado tem limite
Autor
Adriano Roberto

General volta à cena e diz que obediência ao Estado tem limite

Uma mensagem postada hoje no twitter do GENERAL VILLAS BÔAS com toda certeza deixará de cabelos em pé aqueles que temem que os militares das Forças Armadas executem alguma ação para retirar as instituições brasileiras das mãos dos políticos corruptos. 

As solicitações por intervenção militar não param de crescer e apesar da possibilidade dessa ação ser reiteradamente afastada pelo comandante do Exército, a mensagem certamente pode ser entendida como uma espécie de recado para o parlamento, que discute nos próximos dias a questão do FORO PRIVILEGIADO.

Um militar ouvido pela Revista Sociedade Militar diz que: “O recado foi bem claro, os comandantes só obedecerão até o limite em que o poder constituído age em favor da sociedade. Obediência tem limite, e até dentro da caserna todos só cumprimos aquilo que está dentro da lei, se percebemos o erro e nos calamos – também erramos – omissão também é crime. Concordo com o general, se o ESTADO estiver contra o POVO os militares se posicionarão a favor do POVO“.

O general não abre mão de deixar claro que o Exército é o mesmo de 1964, mas é normalmente bastante ponderado em suas declarações. Dessa vez deixa escapar uma declaração forte e significativa. Ao comentar a frase de Huntington sobre as virtudes dos militares, entre elas a obediência, o oficial enfatiza que o poder de exercer a violência, delegado às Forças Armadas, é pra ser usado em favor da SOCIEDADE, DA QUAL OS MILITARES SÃO SERVOS.



Marina anuncia pré-candidatura à Presidência
Autor
Adriano Roberto

Marina anuncia pré-candidatura à Presidência

A ex-ministra e porta-voz da Rede, Marina Silva, anunciou neste sábado, 2, que será pela terceira vez candidata à presidência da República. A declaração é feita em meio às movimentações de alguns deputados do partido para deixar a legenda, que pode acabar perdendo metade de sua atual bancada na Câmara, de quatro deputados. 

Na reunião chamada Elo Nacional da Rede, em Brasília, representantes do partido nos Estados entregaram a Marina os resultados das conferências estaduais que aconteceram nos últimos dois fins de semana, que pediam que ela colocasse seu nome como pré-candidata da legenda. “Obviamente que não estaríamos aqui para dizer um não. O compromisso, o senso de responsabilidade, sem querer ser a dona da verdade, me convoca para este momento”, disse Marina.

Em um discurso parecido com o das campanhas anteriores, Marina não citou nominalmente nenhum de seus pré-adversários, mas criticou indiretamente Jair Bolsonaro por prometer distribuir fuzis para fazendeiros enfrentarem o MST. “O compromisso e senso de responsabilidade me convocam para este momento”, disse.

A agora pré-candidata da Rede fez críticas também ao governo do presidente Michel Temer, disse que a recuperação econômica ainda é lenta e que o país precisa de outras reformas que não as que o governo está propondo. “Um governo com 3% de aprovação não tem como construir reformas importantes, até porque as reformas importantes não são essas”, declarou.

Segundo ela, o país vive uma crise política, ética e uma crise econômica que só agora dá sinais de pequena recuperação. “Temos diminuição da inflação, mas se não tivermos processo duradouro não tem como se sustentar. O déficit publico só aumentou no governo do Temer.”

A ex-ministra disse que em 2014 boicotaram registro da Rede e ela teve que ir para uma candidatura de última hora. Lembrou uma conversa que teve com o ex-governador Eduardo Campos, que faleceu num acidente de avião durante a campanha e com isso ela se tornou candidata, sobre a presidente Dilma Rousseff, que acabou sendo reeleita.

“Disse a ele que teria sido um grande presente para Dilma se a gente tivesse ganhado a eleição de 2014”, afirmou a pré-candidata, que durante o processo de impeachment foi criticada por sua postura dúbia e pouco assertiva. Segundo ela, a crise política foi causada por PT, PSDB e PMDB e que agora o eleitor deveria puni-los nas urnas. “O melhor presente que a sociedade (deve dar) para os partidos que criaram essa crise é um sabático de 4 anos.”

A ex-senadora fez críticas também ao sistema político, disse que o partido terá apenas 0,05% do fundo eleitoral e pois esses partidos maiores “privatizaram” os meios políticos para se manterem no poder. “Teremos 12 segundos de televisão”, afirmou.

Ela repetiu o discurso usado nas eleições anteriores de que essa fraqueza aparente, que também é atribuída a ela, na verdade é força. “Esse não é o momento para salvadores da pátria, a pátria é uma construção de todos nós”, destacou. “As coisas grandiosas não são feitos por um único partido, de uma pessoa”, afirmou, ressaltando que está vivendo a dor e a delicia “de ser quem somos”.

Marina falou que “as dificuldades servem para exercitar a musculatura da persistência” e reconheceu que “vai ser difícil”. “Eu sei que vai ser campanha ralada, mas uma campanha ralada doí bem menos que um país partido”, afirmou, que ‘recitou’ trechos da musica Era uma vez, da cantora Kell Smith. Marina disse que sua motivação não é o poder pelo poder e que a política é um serviço.

Citando a polarização na política, Marina disse que vai repetir a estratégia de não agressão durante as campanhas, porque o país e está criando uma cultura politica do ódio e “isso não é bom para a democracia”. “Ao me dispor a ser pré-candidata da rede, vamos continuar dialogando com outros partidos e com a sociedade”, afirmou.

Saudado como “futuro governador do Rio de Janeiro”, o deputado Miro Teixeira (RJ) disse em seu discurso que precedeu Marina que o partido não quer desacatar a lei e antecipar candidatura, mas que o que a Rede quer é o consentimento da ex-ministra para que seu nome seja o nome do partido. “Em algum momento essa assinatura terá que ser feita e hoje a assinatura da Marina é a palavra e a palavra ‘sim’”.

Apesar do anúncio, a o partido informa que a candidatura ainda precisa ser aprovada no Congresso Nacional da Rede, previsto para acontecer em abril do ano que vem, e a definição de chapa e coligação acontecerá no começo de agosto, conforme prevê a legislação eleitoral.

Conforme mostrou o Estado, a dinâmica do evento promovido pela Rede neste sábado visou a, externamente, dar força ao anúncio da pré-candidatura ao mesmo tempo em que sinaliza internamente que Marina está fundamentada no apoio de seus correligionários.

Com isso, a ex-ministra tenta dirimir a principal crítica interna da qual é alvo: a de que é centralizadora das decisões da legenda. Nas últimas duas eleições Marina ficou em terceiro lugar. Em 2010, obteve cerca de 19 milhões de votos e em 2014 conseguiu conquistar um pouco mais de 22 milhões de eleitores.



Lu­la te­ria con­ta na Es­pa­nha, diz exe­cu­ti­vo
Autor
Adriano Roberto

Lu­la te­ria con­ta na Es­pa­nha, diz exe­cu­ti­vo

Do Estadão - Ger­son Al­ma­da, ex-vi­ce-pre­si­den­te da En­ge­vix, dis­se à PF ter ou­vi­do re­la­tos de que o ex-pre­si­den­te Lu­la e o ex-mi­nis­tro Jo­sé Dir­ceu te­ri­am con­ta em Ma­dri con­tro­la­da pe­lo lo­bis­ta Mil­ton Pas­cowit­ch. O de­poi­men­to, de ju­lho, te­ve o si­gi­lo le­van­ta­do pe­lo juiz Sér­gio Mo­ro. As de­fe­sas não se pro­nun­ci­a­ram.

O ex-vi­ce-pre­si­den­te da En­ge­vix Ger­son Al­ma­da afir­mou à Po­lí­cia Fe­de­ral que ou­viu re­la­tos de que o ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va e o ex-mi­nis­tro Jo­sé Dir­ceu te­ri­am uma con­ta em Ma­dri, na Es­pa­nha con­tro­la­da pe­lo lo­bis­ta Mil­ton Pas­cowit­ch. Al­ma­da dis­se ain­da ter fei­to con­tra­tos dis­si­mu­la­dos pa­ra pa­gar van­ta­gens in­de­vi­das a Dir­ceu. O de­poi­men­to, de ju­lho, te­ve o si­gi­lo le­van­ta­do on­tem pe­lo juiz fe­de­ral Sér­gio Mo­ro.

As de­cla­ra­ções fo­ram ane­xa­das às in­ves­ti­ga­ções que apu­ram a sus­pei­ta de pa­ga­men­to de pro­pi­nas das em­prei­tei­ras En­ge­vix e UTC pa­ra o ex-mi­nis­tro, que co­man­dou a Ca­sa Ci­vil no pri­mei­ro go­ver­no de Lu­la. Dir­ceu é acu­sa­do de re­ce­ber R$ 2,4 mi­lhões du­ran­te e de­pois do jul­ga­men­to do men­sa­lão – ação pe­nal em que o pe­tis­ta foi con­de­na­do. A de­nún­cia foi ajui­za­da em 2 de maio e ain­da não foi re­ce­bi­da por Mo­ro.

No de­poi­men­to no dia 4 de ju­lho, Al­ma­da dis­se à PF que fir­mou con­tra­tos dis­si­mu­la­dos com a em­pre­sa de co­mu­ni­ca­ção En­tre­li­nhas com o ob­je­ti­vo de re­pas­sar pro­pi­nas a Dir­ceu. Ele afir­mou que os ser­vi­ços pre­vis­tos no con­tra­to “nun­ca fo­ram pres­ta­dos”. Con­for­me Al­ma­da, por meio de no­tas fis­cais da En­tre­li­nhas, a em­prei­tei­ra pa­gou, en­tre 2011 e 2012, o va­lor de R$ 900 mil.

O ex-vi­ce-pre­si­den­te da En­ge­vix dis­se que man­ti­nha uma “con­ta cor­ren­te” com Pas­cowit­ch des­de 2005 pa­ra pa­gar pro­pi­nas a agen­tes pú­bli­cos, po­lí­ti­cos e par­ti­dos. Se­gun­do ele, o pró­prio lo­bis­ta su­ge­riu que os pa­ga­men­tos fos­sem fei­tos a Dir­ceu.

Gér­son Al­ma­da ain­da fez “ques­tão de cons­tar” em seu de­poi­men­to que “é mui­to di­fí­cil uma em­pre­sa es­tran­gei­ra in­gres­sar no mer­ca­do de pe­tró­leo bra­si­lei­ro co­mo for­ne­ce­do­ra e por con­ta dis­so bus­ca­ram pes­so­as com li­ga­ções po­lí­ti­cas pa­ra fa­ci­li­tar o seu in­gres­so e que a de­ci­são na épo­ca em ad­qui­rir o equi­pa­men­to se deu pa­ra re­for­çar os la­ços com Jo­sé Dir­ceu, ob­je­ti­van­do o fa­vo­re­ci­men­to da En­ge­vix nos con­tra­tos com a Pe­tro­brás”.

O ex-exe­cu­ti­vo dis­se que no iní­cio de 2014 Mil­ton Pas­cowit­ch te­ria di­to que “iria vi­a­jar pa­ra Pa­ris e, da­li, pa­ra não dei­xar ras­tro, vi­a­ja­ria de trem pa­ra Ma­dri, Es­pa­nha, pa­ra olhar a con­ta que ele ad­mi­nis­tra­va pa­ra pes­so­as do PT”. De acor­do com o ex-exe­cu­ti­vo, ele en­ten­deu que as pes­so­as se­ri­am Lu­la e Dir­ceu por­que o lo­bis­ta man­ti­nha con­ta­to in­ten­so des­de 2008 com o ex-mi­nis­tro.

‘Ne­nhum sen­ti­do’. Em de­la­ção pre­mi­a­da ho­mo­lo­ga­da pe­la Jus­ti­ça, Pas­cowit­ch não de­cla­rou ad­mi­nis­trar con­tas no ex­te­ri­or pa­ra o PT e nem re­la­tou pa­ga­men­tos ao ex-pre­si­den­te Lu­la. O ad­vo­ga­do Theo Di­as, que de­fen­de Pas­cowit­ch, dis­se que o de­poi­men­to de Al­ma­da “não faz ne­nhum sen­ti­do”.

O ex-exe­cu­ti­vo dis­se que “en­ten­deu” que os va­lo­res se­ri­am pa­ra os dois por­que, quan­do as­si­nou um con­tra­to en­tre a Eco­vix – En­ge­vix Cons­tru­ções Oceâ­ni­cas S. A. e a PNBV Pe­tro­brás Nether­land B.V., Mil­ton Pas­cowit­ch jus­ti­fi­cou a co­mis­são pe­di­da afir­man­do que “par­te se­ria des­ti­na­da pa­ra a apo­sen­ta­do­ria do ex-pre­si­den­te Luís (sic) Iná­cio Lu­la da Sil­va”.

Se­gun­do Al­ma­da, a Eco­vix fir­mou con­tra­to com a PNBV en­tre 2009 e 2010 pa­ra o for­ne­ci­men­to de 8 cas­cos re­pli­can­tes pa­ra uni­da­des de pro­du­ção e ar­ma­ze­na­men­to de pe­tró­leo (FPSO) no va­lor de US$ 3,5 bi­lhões. Pe­lo acor­do, Pas­cowit­ch te­ria fi­ca­do com uma co­mis­são de 0,5% do va­lor.

Pro­vas. Al­ma­da afir­mou não ter pro­vas so­bre a con­ta ad­mi­nis­tra­da por Pas­cowit­ch em su­pos­to be­ne­fí­cio dos pe­tis­tas, mas en­tre­gou do­cu­men­tos às au­to­ri­da­des que, se­gun­do ele, com­pro­vam o pa­ga­men­to de US$ 10 mi­lhões pa­ra o lo­bis­ta, nos Es­ta­dos Uni­dos, em 2014.

Pro­cu­ra­da, a as­ses­so­ria de Lu­la não se ma­ni­fes­tou. A re­por­ta­gem en­trou em con­ta­to com as de­fe­sas de Dir­ceu e da En­tre­li­nhas e até a con­clu­são des­ta edi­ção não hou­ve res­pos­ta.



No Brasil tem desvio e corrupção até na Cruz Vermelha
Autor
Adriano Roberto

No Brasil tem desvio e corrupção até na Cruz Vermelha

Epoca - Na sexta-feira 11 de agosto, a imagem de um homem careca, de óculos, trajando camisa social e gravata, dormindo ao relento nas ruas do Rio de Janeiro, com apenas uma sacola preta com seus pertences servindo de travesseiro, foi dispersa por diversos países como símbolo da crise econômica brasileira. O personagem até então desconhecido ganhou nome e história contada pelo jornal O Globo. Desempregado desde 2016, Vilmar Mendonça, de 58 anos, ex-gerente de RH de grandes empresas, passava o dia no aeroporto de Santos Dumont e dormia na rua. Havia seis meses, contava com as doações da Cruz Vermelha para se alimentar.

Luiz Alberto Sampaio, presidente da filial fluminense da Cruz Vermelha, aproveitou para divulgar o projeto Noites Solidárias e pedir doações. “O Vilmar é um exemplo da consequência da crise que vive nosso país”, disse. “O número de pessoas em situação de rua aumentou e precisamos estar preparados para auxiliá-las. Mas nossos projetos só podem ser desenvolvidos por meio de doações.” Em 23 de agosto, quando Vilmar Mendonça já havia conseguido um emprego, Luiz Alberto recebia uma batida da Polícia Civil e do Ministério Público do Distrito Federal em casa. Ele e sua mulher, Rosely Sampaio, então presidente nacional da Cruz Vermelha, foram conduzidos coercitivamente para depor, suspeitos de terem participado de uma fraude.

O casal é suspeito de saber do desvio de R$ 9,7 milhões de dinheiro público em um contrato firmado entre a filial da Cruz Vermelha de Petrópolis, Rio de Janeiro, com o governo do Distrito Federal. Parte dos R$ 60 milhões previstos em contrato para administrar duas Unidades de Pronto Atendimento (UPA) foi desviada para 77 pessoas e empresas que nada tinham a ver com a história. Os investigadores descobriram que Luiz Alberto atuou na Cruz Vermelha em defesa do contrato, quando outro dirigente vetou o acerto. Há a suspeita de que ele acobertou o responsável pela irregularidade, Douglas Oliveira. Decisão sigilosa obtida por ÉPOCA revela que, no dia 24 de novembro, a juíza Ana Claudia Loiola de Morais Mendes, da 1ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, proibiu o casal Luiz Alberto e Rosely de botar os pés na sede da entidade.

Determinou ainda a suspensão da função de Luiz Alberto, que ainda preside a filial no Rio. Rosely deixou a presidência no mês passado, depois da eleição de seu sucessor. Para a juíza, o casal deve ser impedido de continuar “praticando condutas prejudiciais a bens juridicamente relevantes ou de se valerem da estrutura da Cruz Vermelha para manipular ou desviar verbas públicas de sua finalidade”. Luiz Alberto virou réu pelo crime de peculato. Douglas Oliveira, que estava oficialmente afastado, mas continuava trabalhando como subordinado de Luiz Alberto, foi preso em junho. O despacho da juíza foi encaminhado ao Comitê Internacional, em Brasília, para que os fatos sejam comunicados à sede em Genebra, na Suíça.

É a primeira vez que membros da cúpula da Cruz Vermelha são processados criminalmente no Brasil. Fundada em 1908, a Cruz Vermelha Brasileira (CVB) foi criada para replicar no Brasil o ideário da organização filantrópica que surgiu na Suíça em 1863, com o intuito de prestar socorro médico voluntário a vítimas de guerras e desastres naturais. Uma auditoria internacional de 2014 revelou suspeitas de desvios de R$ 25 milhões da organização no Brasil entre 2010 e 2012. Os valores não são padrão Lava Jato, mas aviltantes por sua natureza. A maior parte do dinheiro foi desviada de doações feitas por cidadãos às vítimas de conflitos e da seca na Somália, do tsunami no Japão e das enchentes na Região Serrana do Rio.

Segundo nota divulgada pela Cruz Vermelha na ocasião, os desvios se concentraram nas filiais do Maranhão e do Ceará. A operação feita em 23 de agosto rendeu mais aos investigadores. Ao ver a polícia na sede, uma funcionária decidiu colaborar com a investigação. Ela entregou ao Ministério Público do Rio cópias de contratos de um tal Instituto Nacional da Cruz Vermelha Brasileira (INCVB). Criado em 2014 na gestão de Rosely, mulher de Luiz Alberto, o instituto deveria captar dinheiro para a entidade. Segundo a funcionária, vários contratos foram fechados sem pareceres jurídicos ou prestações de contas.

O MP suspeita que o instituto seja uma forma de os dirigentes movimentarem dinheiro a salvo de processos trabalhistas. Responsável pelo caso da fraude no contrato, o promotor Luis Henrique Ishihara avisou à Justiça que vai instaurar outra investigação criminal, especificamente sobre a questão do instituto. A Cruz Vermelha Brasileira diz que a nova diretoria está realizando auditorias nos contratos antigos. A filial do Rio informou que ainda não foi notificada da decisão judicial. A defesa de Luiz Alberto e Rosely Sampaio disse que ainda não tomou conhecimento da decisão. O advogado de Douglas Oliveira disse que só vai se manifestar quando tiver acesso à decisão.



TSE vai implantar o voto impresso para 2018
Autor
Adriano Roberto

TSE vai implantar o voto impresso para 2018

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) decidiu que vai implantar o voto impresso em apenas 30 mil urnas eleitorais em 2018.

De acordo com a colunista Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo, o TSE concluiu que não tem como gastar mais de R$ 2 bilhões para comprar 600 mil urnas que imprimam os votos, como seria necessário.

Um levantamento da ONG Contas Abertas aponta que o Congresso Nacional deve aumentar as despesas em 2018. A Câmara dos Deputados e o Senado Federal tem orçamento previsto de R$ 10,5 bilhões para o ano que vem. Isso quer dizer que o trabalho dos parlamentares brasileiros custará o equivalente a R$ 1,2 milhão por hora.