Blog do Adriano Roberto


Haddad avalia vitória de Bolsonaro em primeira entrevista
Autor
Adriano Roberto

Haddad avalia vitória de Bolsonaro em primeira entrevista

Em sua primeira entrevista desde que saiu derrotado para o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), o candidato pestista ao Planalto, Fernando Haddad, fez uma análise do que foi a campanha deste ano e falou sobre suas expectativas para o futuro.

Ao falar com a jornalista Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo, destacou que já previa uma chegada da extrema direita ao cenário político nacional.

"Eu dizia: Existe uma onda que tem a ver com a crise [econômica] de 2008, que é a crise do neoliberalismo, provocada pela desregulamentação financeira de um lado e pela descentralização das atividades industriais do Ocidente para o leste asiático”, relembrou. "Os EUA estavam perdendo plantas industrias para a China. E a resposta foi [a eleição de Donald] Trump. Isso abriria espaço para a extrema direita no mundo. Mas a extrema direita dos EUA não tem nada a ver com a brasileira. Trump é tão regressivo quanto o Bolsonaro. Mas não é, do ponto de vista econômico, neoliberal. E o chamado Trump dos trópicos [Bolsonaro] é neoliberal", avaliou.

Eu imaginava [há dois anos] que o [João] Doria, que é essencialmente o Bolsonaro, fosse ser essa figura [que se elegeria presidente]. Achava que a elite econômica não abriria mão do verniz que sempre fez parte da história do Brasil. As classes dirigentes nunca quiseram parecer ao mundo o que de fato são", disse

Questionado sobre por que não pensou em Luiz Inácio Lula da Silva, Haddad afirmou que, já naquela época, não sabia o que poderiam fazer com o ex-presidente. "Fazia a ressalva: eu não sei o que vão fazer com o Lula. Está claríssimo que, se não tivessem condenado o Lula num processo frágil, que nenhum jurista sério reconhece como robusto, ele teria ganhado a eleição. Eu fiz 45% dos votos [no segundo turno]. Ele teria feito mais de 50%", destacou.

Contestado pela jornalista sobre este raciocínio contrastar com a ideia de crescimento da extrema direita, o petista justifica. "O Lula tem um significado histórico profundo. Saiu das entranhas da pobreza, chegou à Presidência e deixou o maior legado reconhecido nesse país. Ele teria força para conter essa onda."

Sobre a posição de Ciro Gomes (PDT) de lançar candidatura própria e de não declarar apoio ao PT no segundo turno, Haddad considerou que ele "errou o diagnóstico".

Não houve uma reunião entre o Ciro e o Lula. No final, [quando ficou claro que Lula não poderia concorrer], ele foi sondado por mim e por todos os governadores do PT. Eu sou amigo, gosto do Ciro. Mas ele errou no diagnóstico. E pode voltar a errar se entender que isolar o PT é a solução para o seu projeto pessoal. O PT elegeu uma bancada expressiva, quatro governadores, fez 45% dos votos no segundo turno, 29% no primeiro. É até hoje o partido de centro-esquerda mais importante da história do país."

O ex-prefeito também defendeu o PT do estigma de que não abre mão da hegemonia. "O PT é um player no sentido pleno da palavra. É um jogador de alta patente, que sabe fazer política. Sabe entrar em campo e defender o seu legado."

Ele também analisou o futuro governo Bolsonaro. "A durabilidade desse projeto depende de muitos fatores. Do quanto um eventual aumento da desigualdade no Brasil vai ser compatível com a agenda regressiva que mantém o governo no protagonismo do debate cultural do país. Haverá a tentativa de compra de tempo pela alienação de patrimônio público, seja o pré-sal ou as estatais. Com dinheiro, você ganha tempo para consolidar uma base política para promover as reformas liberalizantes."

Sobre Bolsonaro ser considerado uma ameaça à democracia, Haddad disse que "isso precisa ser bem compreendido".

"O [professor português] Boaventura de Souza Santos usa uma expressão interessante, 'sistemas híbridos', para pensar a realidade contemporânea. Ditadura e democracia eram conceitos bem definidos. Os golpes se davam de fora da democracia contra ela. Hoje, o viés antidemocrático pode se manifestar por dentro das instituições. Ele pode se manifestar na Polícia Militar, na Polícia Federal, no Judiciário, no Ministério Público. O projeto Escola Sem Partido é um projeto autoritário que está nascendo dentro da democracia. O STF pode barrá-lo. Os pesos e contrapesos de uma República moderna vão operar? Se não operarem, você tem o modelo híbrido, com o autoritarismo crescendo por dentro. Estamos já vivendo em grande medida esse modelo. Quando um presidente eleito vem a público num vídeo dizer que os estudantes brasileiros têm que filmar os seus professores e denunciá-los, você está em uma democracia ou em uma ditadura?", questionou o petista.

Fernando Haddad também falou sobre o ex-presidente Lula. "Eu acredito que o Lula pós-eleição está num momento mais difícil. Mas a capacidade de regeneração dele é grande. Já superou um câncer, a perda da esposa, a privação de liberdade."



Deputados e senadores eleitos devem R$ 660 milhões à União
Autor
Adriano Roberto

Deputados e senadores eleitos devem R$ 660 milhões à União

Do Estadão - Deputados e senadores que iniciarão um novo mandato em 1.º de fevereiro de 2019 devem R$ 660,8 milhões à União, segundo dados da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) obtidos pelo Estado por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI). Mais de 90% desses débitos são de apenas 15 congressistas, inscritos em seus CPFs ou em nome de empresas. No grupo dos maiores devedores, há defensores de um novo Refis com generosos descontos.

A Receita Federal já espera investidas do Congresso para um novo programa. O Fisco é historicamente contra esse tipo de iniciativa porque, segundo os técnicos, os descontos incentivam os chamados “viciados” em Refis, como são chamados os programas de refinanciamento de débitos tributários com descontos de multas e juros. Esse grupo deixa de pagar os tributos regularmente à espera de um novo parcelamento, o que acaba afetando a arrecadação do governo. 

No início de novembro, o Estado publicou uma reportagem mostrando que 96 dos 513 deputados que farão parte da próxima legislatura devem juntos R$ 158,4 milhões em dívida ativa. Mais completos, os dados da PGFN comprovam que empresas que já renegociaram dívidas em anos anteriores ou ainda estão inscritas em Refis voltaram a ficar inadimplentes com a União. No levantamento, há também novas inscrições feitas em 2018. Do passivo total, R$ 328,9 milhões estão em “situação irregular” porque não fazem parte de nenhum tipo de refinanciamento, enquanto outros R$ 331,9 milhões estão parcelados.

O último Refis teve o prazo de adesão concluído no fim de 2017 e acabou concedendo descontos de até 90% nos juros e 70% nas multas, após forte pressão de parlamentares que tinham débitos com a União. A equipe econômica precisou ceder nas negociações em meio à necessidade de angariar apoio para tentar aprovar a reforma da Previdência e derrubar as denúncias contra o presidente Michel Temer.



Shopping de Serra anuncia contratações em janeiro
Autor
Adriano Roberto

Shopping de Serra anuncia contratações em janeiro

Por Manú do Farol de Notícias - Há pouco mais de três anos de obras da construção do Shopping Serra Talhada, a WJC Construtora e Incorporadora, responsável pela execução do projeto do centro de compras, anunciou um novo prazo para inauguração e contratação de pessoal em 2019. A expectativa é que pelo menos 100 novos postos de trabalho sejam gerados a partir de janeiro do próximo ano.

Em conversa com o Farol de Notícias, o empreiteiro Carlito Godoy, revelou que esteve em Serra Talhada para se reunir com os empresários do Grupo JD, acionistas e proprietários do shopping, para um planejamento de aquisições de equipamentos para os setores hidráulicos e elétricos da construção.

“As obras do Shopping Serra Talhada estão dentre o planejado, estamos nas etapas finais, no ‘sprint’ da obra, com a força total para concluí-la. Teremos uma parada a partir do dia 20 de dezembro, durante as festas as empresas praticamente se dão férias coletivas, mas a partir de janeiro de 2019 teremos um aumento de pelo menos 100 pessoas para atuar na parte elétrica e hidráulica. Devemos estar inaugurando o Shopping Serra Talhada até o final de junho de 2019”, descreveu Godoy, completando:

“Nós resolvemos muitas questões de aquisições de materiais, fios, geradores, subestações e demais estruturas que serão necessárias a partir de janeiro, quando contrataremos todo o pessoal necessário, eletricistas, encanadores, montadores, pedreiros e ajudantes. Estamos também esperando os projetos das lojas âncoras para executar, tais como a Americanas, a Le Biscuit e o cinema, pois as lojas satélites elas mesmos executam”.



Polícia Federal deflagra 56ª fase da Operação Lava Jato
Autor
Adriano Roberto

Polícia Federal deflagra 56ª fase da Operação Lava Jato

Policiais federais estão nas ruas de cidades de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e da Bahia., nesta sexta-feira (23), para cumprir mandados de prisão e busca e apreensão durante a 56ª fase da Lava Jato.
 
São 68 mandados de busca e apreensão, 14 de prisão temporária e oito de prisão preventiva.

De acordo com informações da TV Bahia, somente no estado nordestino, a ação envolve 14 viaturas e cerca de 100 agentes da corporação. 

Uma das equipes foi vista em um condomínio localizado em Buraquinho, em Lauro de Freitas, Região Metropolitana de Salvador. 



Novo presidente do Banco do Brasil fala em privatizar o que for possível
Autor
Adriano Roberto

Novo presidente do Banco do Brasil fala em privatizar o que for possível

O economista Rubem de Freitas Novaes, indicado para a presidência do Banco do Brasil no governo de Jair Bolsonaro, afirmou hoje (22) que a orientação da próxima gestão será a busca por eficiência, o enxugamento e a privatização de ativos da instituição. Ele disse ter recebido essas recomendações diretamente do futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, e do próprio presidente eleito. 
 
"A orientação é eficiência, enxugamento e privatização do que for possível. Vamos buscar bons resultados e tornar o banco cada vez mais competitivo, mas de uma maneira enxuta", afirmou. 

Novaes descartou, por enquanto, a possibilidade de privatização total do banco. Perguntado sobre quais braços de atuação do banco poderiam ser negociados, ele evitou adiantar o que tem em mente. "Isso está muito prematuro para eu detalhar. Primeiro, preciso tomar ciência da situação do banco, das pessoas que estão lá, pensar na formação da equipe", disse. 

Novaes, que já foi diretor do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), defendeu ainda a venda de ativos do banco por meio da venda de ações no mercado de capitais, buscando oferecer aquilo que pode interessar os investidores.

"[Vamos] procurar fazer operações que mobilizem o mercado de capitais, com o máximo de transparência possível. Aquela fase de privatização em que você direcionava venda para determinados compradores, que montava aqueles consórcios de compra, [isso] está ultrapassado", afirmou. Com informações da Agência Brasil. 



Troca troca de apresentadores populares da TV continua no Nordeste
Autor
Adriano Roberto

Troca troca de apresentadores populares da TV continua no Nordeste

Depois da troca do famoso apresentador, Siqueira Junior, que estava na TV Ponta Verde, afiliada do SBT em Alagoas, e assinou  contrato com o Sistema Arapuan de Comunicação, parceira da RedeTV! na Paraíba, agora é avez do não menos famoso apresentador pernambucano sediado  no estado do Pará,  Sérgio França.  

Fontes do programa Ponto de Vista apurou que para 2019 às tardes de uma determinada emissora de televisão aqui do nordeste deve ter mudanças. A informação é de que querem trazer de volta para a região o apresentador de televisão Sérgio França, do Broncas da Cidade, hoje exibido na Rede TV de Belém do Pará 47.1 e Marabá 44.1 , no estado do Pará. O apresentador tem como jargão o conhecido “EU QUERO É BRONCA”  herdado do seu pai o radialista em Pernambuco, José Dirceu. 

Ainda de acordo com informações levantadas pela equipe do (Ponto de Vista), o campeão de audiência vai custar uma bagatela no valor de R$ 180.000.00( Cento e oitenta mil reais ) mensais ao grupo. Entrei em contato com o nosso amigo e apresentador, Sérgio França, para saber sobre os detalhes, da provável contratação, mas ele desconversou, sorriu e disse: “ Apreendi a conviver melhor com a vida simples no campo conversando com as vacas, carneiros e bodes. Minha vida é de casa para televisão e da televisão pra casa, assim vou levando. Voltar para o Nordeste é uma possibilidade, porém não agora.” Afirmou França.

Mesmo insistindo ainda mais na confirmação da informação nos passda com exclusividade pela emissora nordestina, que não quis ainda divulgar o nome, a resposta de Sérgio foi vazia e tautológica. Em seguida, perdemos o contato pelo telefone e pela internet sem resposta. Será que ele abandonará a vida na fazenda da Rigião Norte pelas águas quentes das praias do litoral do Nordeste? Agora é aguardar as cenas dos próximos capítulos. De toda forma desejamos tudo de bom ao nosso amigo e irmão. Boa Sorte!!!



Bolsonaro diz que se ele afundar o Brasil, afunda todo mundo junto
Autor
Adriano Roberto

Bolsonaro diz que se ele afundar o Brasil, afunda todo mundo junto

O presidente eleito Jair Bolsonaro pediu nesta quarta-feira (21), durante reunião da bancada do PSL, apoio dos parlamentares eleitos para seu governo e afirmou que atenderá a "qualquer pedido" de recursos para seus estados e municípios. 

"Eu vim pedir o apoio de vocês", afirmou Bolsonaro, eleito pelo partido. "Eu tenho certeza que 99% daqui vão apoiar a gente, assim como eu vou apoiar vocês. Qualquer pedido pro seu estado, pro seu município, se tiver recurso nós atenderemos, assim como atenderemos de outros partidos também", disse. 

O presidente eleito pediu paciência aos eleitos que se reuniram nesta quarta em um hotel de Brasília e disse que o governo precisa do Parlamento para a votação de matérias importantes. 

"Se nós errarmos, aquele pessoal volta e não sai nunca mais. E quem vai ter que sair seremos nós, e vai faltar toco de bananeira para nadarmos até a África ou os Estados Unidos", disse o presidente eleito. "E nós não queremos isso para o Brasil. Muito, mas muito mais grave que a corrupção é a questão ideológica", afirmou. 

"Se eu afundar, não é vocês não, é o Brasil todo que vai afundar junto. Vocês sabem o peso do outro lado que está indignado por ter perdido as eleições, ainda mais para um capitão do Exército", afirmou. 

A fala de Bolsonaro durou menos de dez minutos e foi transmitida em uma live nas redes sociais da deputada eleita Bia Kicis (PRP-DF). Ela participou da reunião apesar de não ser da sigla, para a qual pretende migrar em 2019. 

Hoje, o PSL conta com 52 deputados eleitos, mas a estimativa interna é de que esse número suba para 61 por causa das siglas que não ultrapassaram a cláusula de barreira. Se isso se concretizar, o partido do governo passará a ter a maior bancada da Casa –hoje, fica atrás apenas do PT. 

Bolsonaro também falou sobre a insatisfação que tem sido ventilada por setores aliados sobre o espaço dado ao DEM no futuro governo. Partidário têm reclamado que a sigla já abocanhou as pastas da Agricultura, Saúde e Casa Civil e tem pretensões sobre a Câmara. 

"Alguns ministros, as pessoas têm reclamado, são do DEM", começou Bolsonaro. "Não são do DEM. Quem indicou a Tereza Cristina foi a bancada agropecuária, e ela é do DEM. Assim como grande parte dos gestores de hospitais filantrópicos, de Santas Casas, o presidente do Conselho Federal de Medicina e a grande parte da bancada da saúde indicaram o [Luiz Henrique] Mandetta, e por coincidência ele é do DEM", disse. Com informações da Folhapress. 



Bolsonaro e o Nordeste: qual o plano?
Autor
Adriano Roberto

Bolsonaro e o Nordeste: qual o plano?

O Partido dos Trabalhadores venceu nas urnas em quatro estados: no Rio Grande do Norte, com Fátima Bezerra, no Ceará, com Camilo Santana, no Piauí, com Wellington Dias, e na Bahia, com Rui Costa. O partido também participou das coligações vencedoras dos demais cinco estados: em Sergipe, com Belivaldo Chagas (PSD), em Alagoas, com Renan Filho (MDB), no Maranhão, com Flávio Dino (PCdoB), na Paraíba, com João Azevêdo (PSB), e em Pernambuco com Paulo Câmara (PSB). Em reunião na semana passada, organizada por João Doria (PSDB), apenas Dias compareceu, já que os demais alegaram problemas de agenda.

Bolsonaro pretende transformar o Nordeste em uma vitrine de seu governo, segundo reportagem de O Globo, retomando obras paralisadas, como a transposição do rio São Francisco e a construção da Transnordestina. “Tenho dito que o Nordeste é o centro das atenções para mudar o Brasil”, afirmou o general Augusto Heleno, futuro ministro do Gabinete de Segurança Institucional, ao jornal. “O primeiro grande plano é resolver o problema da água.”

Outro tema que deve permear as conversas de Bolsonaro com os governadores é a saída dos médicos cubanos do Brasil que participam do programa Mais Médicos. Cidades nordestinas serão bastante afetadas, o que tem gerado apreensão nas prefeituras, em especial, da região do semiárido. Cerca de 1,6 milhão de pernambucanos, em especial do sertão, terão seus tratamentos prejudicados pela decisão de Cuba de romper com o acordo, segundo José Patriota, presidente da Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe), em entrevista ao G1.

Aos petistas e aliados do PT, Bolsonaro terá que mostrar, portanto, que dará seguimento, de alguma forma, às pautas que fizeram o partido manter o Nordeste como enclave de resistência em 2018. Após se eleger com base nas críticas às políticas de Lula e companhia, será um movimento curioso de se observar.

Pauta dos Governadores do NE

Reunidos em Brasília nesta quarta (21), os governadores eleitos e reeleitos dos nove estados do Nordeste aprovaram uma carta ao presidente eleito Jair Bolsonaro, com seis temas prioritários da região, e um pedido de audiência. No documento, o Fórum de Governadores do Nordeste, formado basicamente por oposicionistas, promete lutar “por bons destinos” para o Brasil e coloca-se “à disposição para o diálogo e o entendimento nacional”.

Além de assuntos já tratados na reunião da semana passada, os governadores nordestinos acrescentaram o Mais Médicos, defendendo “a imediata recomposição e ampliação” do programa. No sexto ponto da carta, os governadores abordam a “preocupação com o vazio assistencial que pode se produzir nos municípios, com a diminuição do contingente de profissionais do Programa Mais Médicos”. O anfitrião do encontro, governador reeleito do Ceará, Camilo Santana (PT), disse que o programa leva médicos a lugares onde não havia atendimento no país.

O primeiro item da pauta é a “retomada urgente de obras federais no Nordeste”. Para o Fórum de Governadores do Nordeste, essa medida vai permitir a recuperação do crescimento econômico na região e a geração de empregos. Os governadores destacaram obras rodoviárias, de segurança hídrica e habitacionais.

Para os governadores do Nordeste, o combate à violência no país se dará a partir de um Pacto Nacional pela Segurança Pública, coordenado pelo governo federal, com “ações concretas” de combate à criminalidade interestadual, incluindo atuação de facções criminosas, assaltos a bancos, tráfico de armas e explosivos. “É preciso que o Sistema Único de Segurança Pública passe a funcionar, e o governo federal se integre com os estados. A violência é um problema de todo o país”, argumentou Santana.

Os governadores propõem a discussão da reforma tributária para equilibrar a distribuição de recursos entre os entes federados. Segundo avaliação feita na reunião, o pacto federativo está desequilibrado, com o aumento de obrigações para os estados e os municípios e uma constante redução dos repasses dos fundos de participação dos Estados (FPE) e dos Municípios (FPM). Segundo eles, um dos caminhos para melhorar a arrecadação pública seria “a tributação de bancos e de rendas do capital”.

O governador reeleito da Bahia, Rui Costa (PT), disse que é preciso avaliar a classificação das receitas, pois os repasses para os estados e municípios têm caído. “Como está havendo excesso de arrecadação na União se as transferências para estados e municípios só cai? Vamos pedir a mediação dos tribunais de contas. Se houver erros, é preciso corrigir”, argumentou.

Educação
O Fórum de Governadores do Nordeste defende ainda a prorrogação do Fundo de Desenvolvimento do Ensino Básico (Fundeb), que se encerra em 2020 e define o apoio do governo federal às ações de educação nos estados e municípios. Para os governadores, além da prorrogação, é preciso ampliar a participação da União no financiamento da educação básica (ensinos infantil, fundamental e médio).

Por fim, os governadores pedem o desbloqueio das operações de créditos dos estados, “para viabilização de investimentos e pagamentos de precatórios judiciais”.

Além de Santana e Costa, participaram do encontro os governadores Paulo Câmara (PSB-PE), Wellington Dias (PT-PI), Belivaldo Chagas (PSD-SE) e Flávio Dino (PCdoB-MA), o vice-governador de Alagoas, Luciano Barbosa (MDB), os eleitos João Azevêdo (PSB-PB) e Fátima Bezerra (PT-RN) e a vice-governadora eleita de Pernambuco, Luciana Santos (PCdoB). Na primeira fase da reunião, que aconteceu na sede da representação do Ceará em Brasília, os governadores receberam o presidente do Congresso, senador Eunício Oliveira (MDB-CE). Com informações da Exame e RBC



PF investiga vídeos com ameaças de morte a Bolsonaro; assista
Autor
Adriano Roberto

PF investiga vídeos com ameaças de morte a Bolsonaro; assista

Dois vídeos que circulam nas redes sociais mostram homens armados ameaçando matar o presidente eleito, Jair Bolsonaro. O material levou o setor de inteligência da Polícia Federal a investigar o caso e tentar localizar os suspeitos.

O vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente eleito, usou suas redes sociais para cobrar atenção à ameaça (veja abaixo). “Subestimar este tipo de ameaça diária contra todo brasileiro e tratá-los como vítimas é combustível do caos em nosso país. Bandido no Brasil deita e rola em cima de nossas leis e da Justiça! Se Deus quiser, isso acabará em breve!”, escreveu o vereador.

O futuro ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, já havia afirmado ter sido informado sobre um suposto plano de ataque terrorista a Bolsonaro, sem fornecer detalhes do caso. O assunto, segundo ele, foi tema de reuniões na PF e na Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

Em um dos vídeos investigados pela PF, o suspeito exibe uma submetralhadora em direção a uma rua escura e, sem mostrar o rosto, faz ameaças. No outro, um homem que aparece de "cara limpa" segura duas pistolas e diz: “Bolsonaro, tu vai entrar na bala”.

De acordo com informações de O Globo, para os agentes da PF, tudo indica que são bandidos de alguma facção criminosa. Eles tentam descobrir se as declarações fazem parte de um plano de ataque ou se seriam meras bravatas de criminosos em busca de fama. Veja nos videos abaixo: (ATENÇÃO! VIDEOS CONTÉM PALAVRAS DE BAIXO CALÃO)

 



Bolsonaro recebe hoje governadores do Nordeste
Autor
Adriano Roberto

Bolsonaro recebe hoje governadores do Nordeste

O presidente eleito Jair Bolsonaro deve se reunir nesta quarta-feira (21) com os nove governadores eleitos e reeleitos do Nordeste, em Brasília. A informação é do governador reeleito do Piauí, Wellington Dias (PT), único da região a participar da última da reunião com os governadores do Brasil que aconteceu dia 14 passado.

Wellington Dias conversou rapidamente com Bolsonaro, durante o fórum, em Brasília. Segundo ele, o principal ponto da agenda da região é a segurança pública. De acordo com o governador, mais de 40% dos homicídios no país são registrados no Nordeste. "É uma situação muito grave para o país e para a nossa região."

O petista afirmou que os governadores também têm propostas para combater o desemprego e promover o crescimento da economia, a partir de um política industrial focada no desenvolvimento regional. A questão hídrica também está entre as prioridades.

Agenda Única - Os governadores do Nordeste, incluindo os atuais e os eleitos, ajustaram as propostas apresentadas ao presidente eleito, Jair Bolsonaro, na semana passada. A ideia, segundo o governador reeleito do Piauí, Wellington Dias, PT (foto), é debater detalhadamente a pauta e fechar uma agenda única que será levada ao encontro de hoje.

A pauta já vem sendo debatida com o governo do presidente Michel Temer, mas alguns pontos não avançaram. Os temas prioritários são segurança pública e controle das fronteiras, combate ao desemprego, crescimento econômico, retomada de obras, como a ferrovia Transnordestina e a transposição do Rio São Francisco, política de créditos, política industrial focada no Nordeste, política de recursos hídricos e equilíbrio fiscal, incluindo a reforma da Previdência.

Para Dias, é necessário priorizar temas que são importantes para a população, como o crescimento econômico e a geração de empregos. “Como se faz isso? Com a retomada de obras que estão paralisadas ou andando muito devagar. Em cada estado há um conjunto de obras que, sendo retomadas, vão gerar empregos”, disse Dias, acrescentando que a ideia é integrar ações do governo federal, dos estados, dos municípios e da iniciativa privada.

Um dos caminhos apontados pelo governador para aliviar as finanças dos entes federados é o projeto de securitização das dívidas. A proposta, já aprovada no Senado, prevê a possibilidade de venda dos créditos a serem recebidos pela União, pelos estados e pelos municípios. Ainda precisa ser votada na Câmara.



Cratera que engole a mata na Bahia preocupa moradores de Itaparica
Autor
Adriano Roberto

Cratera que engole a mata na Bahia preocupa moradores de Itaparica

Uma cratera gigante perto da vila de Matarandiba, na cidade de Vera Cruz, Ilha de Itaparica, na Bahia, aumentou 17 metros em um período de quatro meses. O buraco passou de 69 metros para 86 metros e especialistas tentam desvendar o mistério. Como explica o G1, a cratera está localizada numa área de propriedade da empresa multinacional americana Dow Química.

A empresa faz extração de salmora na região, uma mistura de água e sal usada na fabricação de produtos químicos. De acordo com a Dow, o caso está sendo investigado para saber se a cratera tem relação com o trabalho de perfuração que desenvolve no local, a empresa diz ainda que está monitorando a área com microssensores, drones e software de alta precisão.

No entanto, a situação preocupa porque o buraco está no meio de uma mata nativa, a cerca de 1 km do local onde vivem os moradores da vila. Um estudo geomecânico feito pela empresa e outro realizado pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM) apontam que não há risco para os habitantes da região.

Segundo a Dow, a cratera - descoberta pela empresa em 30 de maio - é um fenômeno geológico conhecido como "vazio subterrâneo" (sinkhole, em inglês), cujas causas ainda não foram esclarecidas. Em setembro, o Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA) instaurou inquérito para apurar as causas da abertura da cratera. O MP informou que o objetivo da ação é preservar as vidas das pessoas e proteger o meio ambiente.



Moro quer descapitalizar crime organizado e corruptos
Autor
Adriano Roberto

Moro quer descapitalizar crime organizado e corruptos

O Ministério da Justiça sob o comando de Sergio Moro terá como foco principal o combate ao crime de lavagem de dinheiro, com o objetivo de asfixiar as organizações criminosas. Nos bastidores, o termo utilizado pela equipe montada pelo ex-juiz é "descapitalização" contra facções e também envolvidos em corrupção.

Nas reuniões fechadas do grupo de transição de governo, em Brasília, definiu-se que a prioridade da gestão de Moro será mirar o patrimônio dos criminosos, uma estratégia que deu certo na operação Lava Jato e deve ser aumentada e reproduzida na guerra contra traficantes, por exemplo.

Não à toa, Moro escolheu para os mais importantes cargos ligados ao Ministério da Justiça pessoas com experiência nessa área de atuação.

Entre eles o atual superintendente da Polícia Federal no Paraná, Maurício Valeixo, 51, anunciado nesta terça (21) por Moro para ser o novo diretor-geral da Polícia Federal, em substituição a Rogério Galloro. 

O outro nome é da delegada Érika Marena, que comandará o DRCI (Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional).

Ambos já receberam de Moro a missão de liderar, em suas áreas, esse modelo de trabalho a partir de 2019. A dupla é de extrema confiança do futuro ministro do governo de Jair Bolsonaro.

"Ele [Valeixo] tem a missão de fortalecer a Polícia Federal e que a Polícia Federal possa direcionar suas investigações principalmente com foco em corrupção e crime organizado. É um grande desafio, são problemas sérios, mas ele é uma pessoa plenamente capacitada", afirmou o ex-juiz federal, em Brasília.

Valeixo já foi o número três da hierarquia geral do órgão, como diretor de Combate ao Crime Organizado (Dicor).

O futuro ministro elogiou Marena, afirmando que ela assumirá uma área estratégica da pasta que ele pretende fortalecer. "Não há ninguém melhor do que ela", disse.

Marena atuou na Lava Jato e no caso Banestado, também com participação de Moro.

Também foi criticada na investigação de desvios de dinheiro na Universidade Federal de Santa Catarina. O reitor da UFSC se matou em um shopping após ser preso temporariamente.

Segundo Moro, a delegada "talvez seja a maior especialista no Brasil em cooperação jurídica internacional".

Hoje, o DRCI tem problemas para conseguir resultados mais efetivos por causa da legislação atual.

O novo ministro deve se debruçar sobre propostas para alteração de leis que deem maior liberdade ao órgão, considerado chave para o combate ao crime de lavagem de dinheiro.

Os dois nomes anunciados por Moro atuaram com ele na condução da Lava Jato. "Eu seria um tolo se não aproveitasse pessoas que trabalharam comigo, especialmente no âmbito da Lava Jato porque já provaram integridade e eficiência", disse.

O ex-juiz também foi questionado se levará o delegado Márcio Anselmo, um dos precursores da Lava Jato ao lado de Marena, para o governo Bolsonaro. "É um delegado de profunda qualidade, é possível, mas não tem nada definido ainda", respondeu.

Valeixo deve anunciar em breve também sua equipe. Entre cotados para fazer parte de cargos estratégicos estão Igor Romário, delegado de destaque da Lava Jato, Disney Rossetti, superintendente da PF de SP, Cairo Costa Duarte, superintendente de Pernambuco, e Roberval Ré Vicaldi, número dois do PR atualmente. Com informações da Folhapress.