Blog do Adriano Roberto


Para reduzir diesel Temer corta verba de programas sociais
Autor
Adriano Roberto

Para reduzir diesel Temer corta verba de programas sociais

Para compensar o subsídio de R$ 9,6 bilhões à redução do preço do diesel e a redução de tributos incidentes sobre o combustível, o governo tomou medidas que, na prática, elevarão a arrecadação de impostos de exportadores, indústria de refrigerantes e indústria química.

Ainda foram reduzidos recursos, por exemplo, para programas ligados às áreas de saúde e educação. Ao lado da aprovação da reoneração da folha de pagamento, que já foi votada na Câmara, as medidas permitirão um ganho de R$ 4 bilhões, o que compensará as medidas que reduzirão a tributação do diesel: a isenção da Cide e a redução de R$ 0,11 do PIS/ Cofins.

O governo ainda cancelou R$ 3,4 bilhões em despesas do Orçamento deste ano como forma de compensar os R$ 9,5 bilhões do programa que foi criado para subsidiar uma redução maior no preço do combustível.

As medidas foram publicadas nesta quarta-feira (30) em edição extra do Diário Oficial da União.

O Reintegra devolvia 2% do valor exportado em produtos manufaturados através de créditos de PIS/ Cofins. Esse percentual foi reduzido para 0,1%, o que gerará recursos de R$ 2,27 bilhões até o final do ano.

A redução da alíquota de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) sobre concentrados de refrigerantes de 20% para 4% permitirá um ganho de R$ 740 milhões até o final do ano. Isso porque os fabricantes gerarão menos créditos para abaterem impostos.

A alteração da tributação de um programa para a indústria química, o Regime Especial da Indústria Química, aumentará receitas em R$ 170 milhões.

No caso da reoneração da folha de pagamento, que segundo o secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, isentará um número menor de setores do que o aprovado na Câmara, o ganho até o final do ano será de R$ 830 milhões.

CORTE DE PROGRAMAS

O governo ainda anunciou um corte de despesas de R$ 3,4 bilhões para compensar o programa de subsídios ao diesel.

Os programas de transporte terrestre do Ministério dos Transportes, por exemplo, que envolvem adequação e construção de 40 obras, perderam R$ 368,9 milhões em recursos.

Ainda foram reduzidos recursos, por exemplo, para programas como prevenção e repressão ao tráfico de drogas (R$ 4,1 milhões), concessão de bolsas de um programa de estímulo ao fortalecimento de instituições de ensino superior (R$ 55,1 milhões), policiamento ostensivo e rodovias e estradas federais (R$ 1,5 milhões) e fortalecimento do sistema único de saúde, com R$ 135 milhões.

Ao mesmo tempo, foram criados recursos para o programa "operações de garantia da lei e da ordem", com o objetivo de desobstruir estradas, no valor de R$ 80 milhões.

ENTENDA

As mudanças tributárias e o corte das despesas anunciado nesta quinta-feira (31) fazem parte das ações do governo para compensar as perdas orçamentárias causadas pela redução no preço do óleo diesel.

Pelo acordo fechado com caminhoneiros grevistas, o governo se comprometeu a baixar o preço do litro do diesel em R$ 0,46 na refinaria. O valor ficará congelado por 60 dias. O impacto total da medida é estimado em R$ 13,5 bilhões.

Do desconto total, R$ 0,16 serão alcançados com isenção da Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) e uma redução de PIS/Cofins sobre o diesel, o que deve provocar um impacto de R$ 4 bilhões.

Uma parte pequena desse valor será absorvida com recursos provenientes da aprovação da reoneração da folha de pagamentos de diversos setores da economia.

O restante será manejado com retirada de benefícios fiscais, segundo afirmou o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia.

Os R$ 0,30 restantes serão cobertos por um programa de subvenção, com custo de R$ 9,5 bilhões.

Para compensar esse subsídio, o governo já conta com R$ 5,7 bilhões em excesso de arrecadação do governo federal.

Para fechar a conta, o governo ainda precisou encontrar meios para compensar o rombo restante. Essa é a parcela que levou o Ministério da Fazenda a anunciar o cancelamento das despesas. Com informações da Folhapress.



Raquel confirma que Caruaru mantém abertura do São João neste fim de semana
Autor
Adriano Roberto

Raquel confirma que Caruaru mantém abertura do São João neste fim de semana

A prefeita de Caruaru, Raquel Lyra, confirmou, no final da noite desta quarta-feira (30), que a abertura da programação do São João 2018 da cidade, no Agreste de Pernambuco, permanece sem alterações já que a crise no abastecimento de combustíveis começa a ser contornada. A abertura oficial acontece neste sábado, 2 de junho, a partir das 19h, na Estação Ferroviária. Mas quem chegar à cidade na sexta, dia 1º, já pode desfrutar de uma prévia da festa com apresentações nos polos da Estação e no Sítio Pau Santo, na zona rural, que recebe a primeira apresentação do São João na Roça.

Quem abre a grade de shows no Parque de Eventos Luiz Lua Gonzaga é a Orquestra de Pífanos de Caruaru, regida pela maestro Mozart Vieira,  com nada menos que 75 integrantes. A noite traz, ainda, Elba Ramalho, Fulô de Mandacaru e Jonas Esticado. Os artistas Wesley Safadão, Alok, Gabriel Diniz, Flávio José, Michel Teló, Azulão e Azulinho e Cordel do Fogo Encantado estão entre as mais de 400 atrações do festejo junino, que, este ano, deve atrair um público de 2,5 milhões de pessoas. O São João vai até o dia 30 de junho. 

Durante a coletiva de imprensa, Raquel Lyra explicou que a prefeitura montou um comitê de gestão da crise, que reuniu dados e chegou à conclusão de que a cidade tem condições de realizar o evento neste final de semana. Algumas aberturas de festas juninas pelo País foram canceladas por conta da paralisação dos caminhoneiros. “Nos reunimos com toda a sociedade civil, órgãos de segurança, comerciantes, donos de restaurantes e patrocinadores e todos concordaram em manterá festa. O São João é muito importante para Caruaru e não é só culturalmente. O impacto econômico é importantíssimo para girar a economia local", diz a prefeita. Todos os serviços prestados pela prefeitura do município já estão funcionando 100% hoje.

No domingo, no Pátio de Eventos, apresentam-se Chambinho do Acordeon, Geraldo Azevedo e Alcymar Monteiro. Programação completa clicando aqui.



Faltam 16 médicos nos Postos de Olinda denuncia Jorge Federal
Autor
Adriano Roberto

Faltam 16 médicos nos Postos de Olinda denuncia Jorge Federal

“Faltam 16 médicos para atender os 39 Postos de Saúde em Olinda, tem unidade de saúde básica sem médico há três anos, como é o caso do Jatobá, bairro de Ouro Preto,” disse o vereador Jorge Federal durante audiência pública de apresentação do Relatório Quadrimestral da Secretaria de Saúde realizada, ontem (30/5), na Câmara Municipal de Olinda.

“As vagas de Olinda, no programa Mais Médicos do Governo Federal, estão bloqueadas desde 2016 e encontramos um déficit de 21 médicos no início da gestão, contratamos 11 novos médicos, mais seis já desistiram de trabalhar na rede de saúde da prefeitura por questões salariais,” disse Emília Gonzalez, secretária de Saúde da Prefeitura de Olinda.

Sem médicos

O morador Armando Bezerra, do bairro dos Bultrins, presente a audiência pública, confirmou a inexistência de médicos e reclamou da ausência das visitas da equipe do Programa de Saúde da Família – PSF. “Antes as equipes do PSF passavam nas casas do Bultrins, principalmente dos idosos, agora estamos há mais de um ano sem receber visita alguma,” disse Armando Bezerra.

A vereadora Graça Fonseca também alertou que o posto de saúde da Vila São Bento encontra-se sem médico. “Estive em postos de saúde em Águas Compridas, Bonsucesso, Alto Nova Olinda, Rio Doce e Ouro Preto, além de casos de falta de limpeza e higiene, constatamos também a ausência de médicos e dentistas,” disse o vereador Jorge Federal.



Caminhoneiros começam a deixar estradas; entenda o que acontece agora
Autor
Adriano Roberto

Caminhoneiros começam a deixar estradas; entenda o que acontece agora

No décimo dia de paralisação, o Exército e a Polícia Rodoviária Federal deram apoio a caminhoneiros que queriam voltar às estradas.

O reabastecimento começou a ser retomado pelo país. Em São Paulo, a véspera de feriado teve postos cheios e estradas vazias.

Entenda a paralisação dos caminhoneiros e os impactos dela até agora:

Os caminhoneiros já deixaram as estradas?

O país não tem mais bloqueios totais de rodovias, mas em ao menos 16 estados ainda há caminhoneiros realizando protestos.

O abastecimento de combustível já voltou ao normal?

Em muitas cidades, o fornecimento está se normalizando -um quarto dos postos da Grande São Paulo, por exemplo, já receberam caminhões-tanques.

A greve dos petroleiros pode gerar novos problemas?

Segundo a Petrobras, não há risco de desabastecimento por causa da greve. A informação mais recente é de que com o aumento da multa estipulada pelo TST, os petroleiros voltaram ao trabalho.

Como está o abastecimento de feiras e mercados?

Mercados e entrepostos começaram a receber volumes maiores de produtos nesta quarta-feira, mas ainda faltam alguns itens.

A produção de alimentos já foi normalizada?

Cerca de um terço dos frigoríficos voltou a funcionar, a produção de itens como soja começou a ser escoada e granjas já receberam um pouco de ração. Mas a situação deve demorar alguns dias para voltar ao normal.

Ainda haverá impactos no feriado de Corpus Christi?

Hotéis e agências de viagem registraram cancelamentos (em algumas cidades, eles chegaram a 90% das reservas). O fluxo nas estradas deve ser menor que o de costume, e cidades do interior e do litoral podem levar mais tempo para ter o abastecimento de combustível normalizado. Alguns aeroportos ainda sofrem com a falta de combustível.

O que vai acontecer com os manifestantes?

Os caminhoneiros começaram a sair das rodovias dois dias após o governo anunciar, no domingo à noite, um conjunto de medidas que atende algumas das reivindicações dos manifestantes. Na noite de terça-feira, o Senado aprovou a lei de reoneração da folha de pagamento e deixou para o presidente Temer vetar o artigo que acaba com a cobrança do Pis/Cofins sobre o óleo diesel até o fim do ano. Temer assinou o veto na noite de quarta-feira, e houve somente uma redução na taxa e não a sua isenção.

O Ministério Público vai apurar se houve crimes durante as manifestações. Existe a suspeita da prática de locaute por parte de transportadoras.

O que o governo prometeu?

Desconto de R$ 0,46 centavos no preços do diesel (redução corresponde a soma dos valores do PIS/Cofins e da Cide) O preço do óleo diesel, já com o desconto, será válido por 60 dias. Depois período, os reajustes serão mensais e não mais diários Isenção da cobrança do eixo suspenso em todo o país via medida provisória Caminhoneiros autônomos terão 30%, pelo menos, dos fretes da Conab, a Companhia Nacional de Abastecimento (medida estabelecida também via medida provisória) Estabelecimento da tabela mínima de frete.

De onde o governo irá tirar o dinheiro para reduzir o valor do diesel?

O governo irá cortar impostos sobre o diesel e irá subsidiar outra parte. O ministro do Planejamento, Esteves Colnago Jr, não descartou a necessidade de aumento de impostos para compensar a redução. Veja abaixo como será a conta:

R$ 0,46 é o valor que será reduzido no litro do diesel e equivale ao peso total dos tributos federais sobre o combustível.

Desse total...

R$ 0,05 - É a redução obtida com a eliminação da Cide

R$ 0,11 - É a redução obtida a partir da redução da alíquota de PIS/Cofins do combustível

R$ 0,30 - É a redução no litro do diesel a partir de subsídio bancado com recursos do Tesouro Nacional. Esta redução equivale ao restante do PIS/Cofins que incide sobre o diesel

Como será financiado?

Retirada e/ou diminuição dos tributos

R$ 0,05 Cide +R$ 0,11 PIS/ Confins = R$ 0,16

Com a reoneração da folha de pagamentos + aumento de impostos e/ou retirada de incentivos tributários = Governo pretende alcançar o mesmo valor perdido com a retirada dos impostos. (Essa compensação é obrigatória, segundo a Lei de Responsabilidade Fiscal).

Quanto esse subsídio vai custar aos cofres públicos?

R$ 0,30 por litro de diesel = R$ 9,5 bilhões até o fim do ano

R$ 5,7 bilhões serão sacados da reserva de contingência do Orçamento federal + R$ 3,8 bilhões serão obtidos por meio de corte de despesas que estavam programadas = R$ 9,5 bilhõesComo o governo vai fazer esse rearranjo?

Governo vai editar duas medidas provisórias:

1 - Criará o programa de subsídio ao diesel, no valor de R$ 0,30 por litro

2 - Solicitará crédito extraordinário para compensar despesas não previstas no OrçamentoE o diesel importado?

O combustível importado responde por 25% do mercado. Para evitar distorções concorrenciais, o governo vai subsidiar também o produto importado. Caso o preço do diesel no exterior caia, os importadores pagarão mais Imposto de Importação, a fim de manter as condições de equilíbrio de competição com a Petrobras. Com informações do Ministério da Fazenda.



DER-PE termina obras na ponte de acesso à ilha de Itamaracá
Autor
Adriano Roberto

DER-PE termina obras na ponte de acesso à ilha de Itamaracá

Moradores de Itapissuma e de Itamaracá estão comemorando a realização de um sonho: a conclusão das obras de recuperação da Ponte Getúlio Vargas, conhecida como Ponte de Itamaracá, localizada na PE-035, que liga os dois municípios. Com a conclusão dos serviços, a circulação de veículos e pedestres foi totalmente liberada. A iniciativa realizada pelo Governo de Pernambuco, por meio da Secretaria de Transportes, contou com investimento de R$ 2,9 milhões, recursos próprios.

A recuperação do equipamento foi autorizada pelo governador Paulo Câmara durante sua passagem pelo Litoral Norte, em agosto de 2017. Após a assinatura da ordem de serviço, as ações foram iniciadas pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER), sem interferir no tráfego da ponte. As intervenções incluíram a recuperação das áreas de passeio e dos guarda-corpos, contemplando também a instalação de 16 novos postes de iluminação e a pintura de toda sua estrutura restaurada.

A ponte de Itamaracá, construída há 70 anos sobre o Canal de Santa Cruz, possui 380 metros de extensão por 9,7 de largura. É o único acesso viário que liga a Ilha de Itamaracá ao continente, num trecho da rodovia PE-035, por onde circula diariamente um fluxo  aproximado de 5 mil veículos, número que aumenta em 30% nos dias mais movimentados durante os feriados prolongados, datas festivas e nos períodos de férias escolares.

A iniciativa já está beneficiando diretamente mais de 51 mil moradores dos dois municípios, entre eles o fotógrafo Wilson Santos, 25, que reside no centro de Itapissuma. “Estou muito feliz pela conclusão da restauração da Ponte. Uma obra muito importante para nossa população, que poderá utilizá-la com mais segurança, principalmente para quem utiliza sua estrutura diariamente para sobreviver através da pesca artesanal, a principal forma de sustento de sua família. Agradeço ao nosso governador por esta conquista”, finalizou.

Ação está garantindo o ir e vir das pessoas com mais tranquilidade, conforto e segurança, resultando em uma melhoria na qualidade de vida da população, beneficiando também o setor de serviços, o mais representativo da economia local, com destaque para o turismo, uma vez que a Ilha de Itamaracá é um dos principais destinos do Litoral Norte pernambucano, que atrai milhares de turistas e veranistas do Brasil e do mundo, que buscam os atrativos da natureza e de lazer, principalmente no verão.



Paulinho da Força, Jovair Arantes e Wilson Filho são alvo da PF
Autor
Adriano Roberto

Paulinho da Força, Jovair Arantes e Wilson Filho são alvo da PF

A Polícia Federal deflagrou nesta quarta (30) operação para desarticular organização suspeita de fraudar a concessão de registros sindicais no Ministério do Trabalho.

Segundo fontes com acesso às investigações, entre os alvos estão os deputados federais Paulinho da Força (SDD-SP), Jovair Arantes (PTB-GO) e Wilson Filho (PTB-PB), cujos partidos controlam a pasta.

A ação, batizada de Registro Espúrio, visa cumprir 64 mandados de busca e apreensão, 8 de prisão preventiva e 15 de prisão temporária, além de outras medidas cautelares.

Por ordem do STF (Supremo Tribunal Federal), estão sendo feitas buscas nos gabinetes dos congressistas e no ministério, em Brasília, além das sedes dos partidos e de centrais sindicais. Paulinho lidera a Força Sindical.

Os deputados não são alvo dos pedidos da prisão, mas dois deles terão de cumprir medidas cautelares alternativas. Os nomes dos alvos são mantidos em sigilo.

Na petição enviada ao STF, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, apontou a existência de um esquema criminoso estruturado em cinco núcleos de atuação: administrativo, político, sindical, captador e financeiro.

Ela explicou que pagava-se R$ 4 milhões pela liberação de um único registro sindical. Desde 2017, parte dos integrantes do grupo criminoso responde a uma ação por improbidade administrativa em andamento na Justiça Federal, em Brasília.

Ao menos dez servidores da pasta são investigados, como integrantes do núcleo administrativo. Segundo a procuradora, a eles cabia viabilizar as fraudes, que incluíam o desrespeito à ordem cronológica dos requerimentos e o direcionamento dos resultados dos pedidos.

Já o núcleo político, supostamente formado pelos congressistas e por parlamentares e ex-parlamentares, indicava e mantinha em cargos estratégicos da Secretaria de Relações do Trabalho do ministério os servidores que faziam parte do esquema.

Os integrantes do núcleo sindical, segundo a procuradora, faziam o contato com os funcionários públicos encarregados de operacionalizar as fraudes.

O quarto segmento identificado nas investigações era o captador. Lobistas e advogados faziam a intermediação entre os sindicados interessados em registros com os demais integrantes da organização criminosa.

"O esquema se completava com a atuação do núcleo financeiro que viabilizava os pagamentos (das entidades sindicais para os envolvidos) por meio da simulação de contratos fictícios de trabalho", informou nesta quarta a Procuradoria-Geral da República.

Os investigados são suspeitos dos crimes de organização criminosa, corrupção passiva e ativa e lavagem de dinheiro.

Cerca de 320 policiais federais cumprem as medidas no Distrito Federal, São Paulo, Goiás, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Paraná, Santa Catarina e Minas Gerais. Com informações da Folhapress.



Greve de caminhoneiros agrava crise entre ministros de Temer
Autor
Adriano Roberto

Greve de caminhoneiros agrava crise entre ministros de Temer

A greve dos caminhoneiros, além de deflagrar uma crise no governo, também acentuou a disputa de poder entre os ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha, e de Minas e Energia, Moreira Franco. Ambos formam o núcleo duro do presidente Michel Temer.

Se por um lado Padilha estava, até então, mais esquecido pelo presidente, ainda mais após ter se envolvido em um embate com o advogado José Yunes - no episódio sobre a suposta entrega de R$ 1 milhão em propina da Odebrecht, que teria sido feita a pedido do chefe da Casa Civil -, durante a paralisação ele assumiu a reação do Planalto ao movimento. E mais: não convocou Moreira Franco.

"Há uma guerra entre os dois desde o começo do governo, quando o Padilha virou ministro da Casa Civil e o Moreira ficou sem ministério", diz um auxiliar direto de Temer, de acordo com informações de O Globo.

O ministro de Minas e Energia, por sua vez, não gostou de ter ficado fora do comitê de crise, contam fontes ouvidas. Principalmente após ter ganhado espaço diante da fragilidade de Padilha, chegando a ser responsável pelo controle das verbas do setor de publicidade do Planalto e da política de concessões do governo.

Por isso, aproveitou a ida do presidente para o Rio, na quinta-feira (24) da semana passada, e também seguiu ao Estado. Só retornou para Brasília nessa segunda (28), quando participou da posse do seu substituto na Secretaria-Geral da Presidência, Ronaldo Fonseca.

Os dois passaram a alimentar, ainda conforme O Globo, desconfianças mútuas e o convívio tornou-se cada vez mais protocolar. "Causava muito desconforto no palácio o hábito de Moreira de usar celular nas reuniões e de entrar sem bater no gabinete do Michel. Moreira nem usava gravata no palácio. Isso foi minando o Padilha, que já evitava conversas sigilosas com a presença de Moreira", conta um importante ministro de Temer.



Planalto vê união após crise, mas parlamentares avaliam fim do governo
Autor
Adriano Roberto

Planalto vê união após crise, mas parlamentares avaliam fim do governo

A greve dos caminhoneiros provocou impactos na vida dos brasileiros e parece que estremeceu o governo de Michel Temer (MDB). Enquanto o Planalto diz que a crise atual pode unir o Congresso Nacional, parlamentares decretaram o fim simbólico do governo Temer.

Em conversa com o UOL nessa terça-feira (29), o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun (MDB), responsável pela articulação política do Planalto, disse que a crise pode, ao invés de separar, unir governo, base aliada e até oposição para resolver o conflito com caminhoneiros. "No lugar de separar, pode até unir. Unir forças políticas em torno de algumas propostas que nós sabemos que são necessárias. [Ontem] senti esse espírito", declarou.

Enquanto isso, outros deputados e senadores falaram que o Planalto não será mais capaz de defender seus interesses no Congresso. A impopularidade de Temer cresceu após o governo perder a credibilidade na área econômica.

No entanto, a possibilidade de uma intervenção militar não é vista como uma alternativa ao enfraquecimento de Temer.

O senador Agripino Maia (DEM-RN) avalia que este é um governo frágil, "que perdeu as condições de fazer as reformas e vai cumprir o tempo até o final".

O deputado Júlio Delgado (PSB-MG), que faz oposição ao Planalto, acredita que "o governo do Temer acabou, perdeu legitimidade, credibilidade e acima de tudo respeito por parte da sociedade".

O líder em exercício do PT na Câmara, o deputado Carlos Zarattini (SP) afirmou que o governo Temer "já tornou a situação do Brasil pior do que a Venezuela".

A Câmara do Deputados tem se mostrado apreensiva com a eventual tentativa de derrubada do presidente Michel Temer (MDB). O medo é de que as manifestações que pedem por intervenção militar se insifiquem se houver qualquer possibilidade de Temer deixar o governo.



Marina Silva confirma apoio a Antonio Souza; Veja vídeo

Em vídeo divulgado no início da noite desta terça-feira, a presidenciável Marina Silva mostra seu encanto e confirma o apoio ao pré-candidato ao senado (REDE), Antonio Souza em Pernambuco.

O empresário e empreendedor social,  vem consolidando  sua caminhada rumo ao senado por Pernambuco, de forma simples e transparente vem dando uma imagem espontânea na nova política. 

Neste passo vem demonstrando uma capacidade única de firmar parcerias com diversos grupos políticos do estado, ratificando sua reconhecida capacidade de articulação. Antonio caiu nas graças da presidenciável Marina, confira no vídeo abaixo:

 



Russomano abre mão da disputa e anuncia apoio a Doria em São Paulo

O deputado federal Celso Russomanno (PRB), parlamentar mais votado no País em 2014, com 1,5 milhão de votos, abriu mão oficialmente da disputa do governo do Estado e anuncia nesta quarta-feira, 30, apoio ao pré-candidato João Doria (PSDB). "Conversamos bastante com ele e entendemos que, neste momento, ele é o melhor candidato", afirmou Russomanno na manhã desta terça-feira, 29. A decisão de não entrar numa disputa majoritária se deu, segundo o deputado, por motivos pessoais. Ele vai tentar a reeleição na Câmara dos Deputados - atualmente, cumpre seu quinto mandato consecutivo.

O parlamentar disse que tem uma relação de amizade com Doria desde 1986 e, por isso, estará presente no evento de apoio que seu partido organiza para esta quarta na capital paulista. Com a adesão do PRB, o tucano soma agora quatro partidos na coligação - além do PRB e do PSDB, dão sustentação à sua candidatura o PSD e o PTC - , número ainda bastante inferior ao obtido na eleição de 2016, quando disputou e venceu a Prefeitura de São Paulo.

Há dois anos, o tucano reuniu 13 partidos na maior coligação pelo comando da capital paulista. Boa parte dessas alianças foi costurada pelo atual governador Márcio França (PSB), antes aliado de Doria e hoje adversário político - vice de Geraldo Alckmin, ele disputará a reeleição em outubro. Enquanto o tucano comemora a chegada do quarto partido para sua coligação, França já tem o compromisso oficial de 14 siglas - dessas, oito estavam com Doria em 2016.

Rodrigo Garcia, do DEM, é o nome que pode equilibrar essa disputa. O partido aguarda o desfecho do cenário nacional para se posicionar sobre a corrida pelo Palácio dos Bandeirantes. Garcia avalia ser vice na chapa de Doria ou mesmo na de França. O escolhido levará ainda o apoio do PP, que forma uma espécie de bloco com o DEM.

Se Garcia escolher fechar com o PSDB, Doria terá uma vantagem, mas também um problema. Isso porque ao anunciar o apoio oficial do PSD, o ex-prefeito também afirmou que caberia a Gilberto Kassab, presidente licenciado da sigla, indicar o vice na chapa. No dia em que organizou um evento em São Paulo para declarar apoio ao tucano, Kassab ressaltou à imprensa que tinha o compromisso de Doria nesse sentido. Já o tucano não teve a mesma postura.

Oficialmente, Garcia diz que tem até o fim de julho para se posicionar. A estratégia do deputado é a mesma de Rodrigo Maia, o presidenciável do partido, que, assim como Geraldo Alckmin (PSDB), não empolga nas pesquisas de intenção de voto para o Planalto. Se a candidatura não vingar e Maia fechar com Alckmin, Garcia deve fechar com Doria.

Correndo por fora nessa briga, França tem a vantagem de até agora não ter se comprometido com nenhum dos aliados sobre a vice em sua chapa ou as vagas para a disputa do Senado. E, apesar de ter reunido partidos considerados pequenos - com exceção do PR -, tem a máquina estadual na mão.

Desde que assumiu o posto de governador, já trocou metade dos secretários de Alckmin e levou para o governo representantes da nova ala de apoio, como Gilberto Nascimento Júnior (PSC), que assumiu Desenvolvimento Social, e Mário Mondolfo, ligado ao PR, que assumiu Logística e Transportes.

Paulo Skaf (MDB), que chega a empatar com Doria nas pesquisas de intenção de voto, ainda não anunciou nenhum partido aliado. O MDB, por sua vez, é a sigla que tem o maior tempo de televisão em São Paulo. A estratégia principal de Skaf, assim como Doria, é atrair DEM e PP. Já Luiz Marinho (PT) busca formar chapa com PDT e PCdoB.



Regra de eleição indireta na vacância da Presidência pode ir à Câmara
Autor
Adriano Roberto

Regra de eleição indireta na vacância da Presidência pode ir à Câmara

A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) aprovou, de forma terminativa, projeto de lei (PLS 725/2015) do senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) que estabelece as regras para a eleição indireta no caso de vacância, nos dois últimos anos de mandato, dos cargos de presidente e vice-presidente da República.

A proposta regulamenta o parágrafo 1°, art. 81, da Constituição Federal, que já determina a eleição indireta nesse tipo de situação. O projeto de Caiado determina como será feita essa escolha.

Entre as normas, está o prazo de 15 dias para o registro dos candidatos em chapa única no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Se não for apresentado recurso até o dia 04 de junho para votação da proposta pelo Plenário do Senado, ela seguirá para análise da Câmara dos Deputados.



Nadelson Leite recebe apoio dos militares em Canhotinho
Autor
Adriano Roberto

Nadelson Leite recebe apoio dos militares em Canhotinho

O vice-presidente da Associação dos Cabos e Soldados, Nadelson Leite, foi a cidade de Canhotinho, no agreste pernambucano receber apoio de vários militares que o querem como representante deles na Assembleia Legislatica de PE. Nadelson recebeu uma lista de reivindicações dos militares PMs e das Forças Armadas que se consideram desprestigiados pela atual composiçao de deputados na ALEPE e revelaram esperança de te-lo naquela casa a aprtir do ano que vem.

Em meio a uma grande festa, Nadelson firmou compromisso de atender e focar seus projetos para a categoria militar e suas famílias. Veja no vídeo abaixo a festa feita pelos policiais para p pré-cndidato a deputado: