Blog do Adriano Roberto


Saiba quais partidos vão apoiar Bolsonaro e Haddad no 2ª turno
Autor
Adriano Roberto

Saiba quais partidos vão apoiar Bolsonaro e Haddad no 2ª turno

De olho nos estados, a maioria dos partidos que foram derrotados no primeiro turno da eleição presidencial decidiu se manter neutro quanto à disputa do segundo turno. Seis legendas liberaram os militantes para apoiar qualquer uma das duas opções: Jair Bolsonaro (PSL) ou Fernando Haddad (PT). Representantes de três siglas decidiram ficar do lado de Haddad, enquanto até agora apenas um declarou apoio unânime a Bolsonaro.

Até o momento, PP, Patriota, DC, PRB e PSDB anunciaram-se neutros na disputa presidencial do dia 28 de outubro. Apesar de declarar posição de "neutralidade" com relação aos dois candidatos, o partido Novo informou nesta terça-feira (9) que os integrantes da sigla são "absolutamente contrários ao PT". Após reunião ocorrida em Brasília, o PSB manifestou apoio à candidatura petista, enquanto os presidenciáveis do PSOL e do PPL anteciparam que as legendas também se somarão ao petista. 

O presidente do PTB, Roberto Jefferson, anunciou apoio ao candidato do PSL, também depois de reunir a executiva nacional do partido. 

O ponto que tem sido central para a definição dos correligionários são as diferenças regionais. Siglas que ainda têm chance de emplacar governadores no segundo turno optaram por não declarar apoio no pleito presidencial sob o risco de ampliarem suas divisões internas.

É o caso do PSDB, presidido por Geraldo Alckmin, quarto colocado no primeiro turno. O encontro da legenda ocorreu em clima tenso e ainda sob efeito do desempenho dos tucanos nas urnas, menor do que em anos anteriores. Apesar de quadros como o ex-prefeito de São Paulo João Doria defender abertamente o apoio a Bolsonaro, há nomes que preferem se manter isentos por discordarem das visões do candidato. O partido ainda enfrentará seis disputas estaduais e, segundo Alckmin, "o protagonismo agora tem que ser dos candidatos".

Sigla da candidata ao cargo de vice na chapa do tucano, senadora Ana Amélia, o PP também não escolheu nenhum dos lados (LINK). Antes da reunião da executiva nacional do PPS, o presidente da sigla, Roberto Freire, antecipou que o partido ficará neutro na disputa. Essa é a mesma posição das legendas dos presidenciáveis Cabo Daciolo (Patriota) e José Maria Eymael (DC).

Após uma reunião encerrada no fim da noite de hoje, o Podemos não chegou a uma conclusão sobre o assunto. No entanto, o candidato à Presidência Álvaro Dias, com 860 mil votos (0,8% dos votos válidos), já se posicionou. "Não imaginem a hipótese de eu apoiar o PT no segundo turno desta eleição. Essa hipótese não existe, é surreal porque eu valorizo a coerência, a verdade, a coragem", disse, fazendo críticas às gestões petistas que, segundo ele, assaltaram o Brasil.

Informalmente, outras lideranças políticos já sinalizaram como atuarão nesta reta final. O comando do PDT, de Ciro Gomes, que ficou em terceiro lugar, indicou que deve assumir um “apoio crítico” à candidatura de Haddad. No domingo, o ex-governador do Ceará já havia feito críticas a Bolsonaro.

João Goulart Filho, do PPL, foi outro que se antecipou ao anúncio formal da legenda e disse que apoiará Fernando Haddad para evitar o "risco de uma nova ditadura". Essa é a mesma opinião dos correligionários de Guilherme Boulos, do PSOL, que declararam "apoio incondicional" ao petista.



Fé: no segundo turno Haddad vai pedir apoio a evangélicos
Autor
Adriano Roberto

Fé: no segundo turno Haddad vai pedir apoio a evangélicos

A campanha de Fernando Haddad (PT) decidiu pedir apoio aos evangélicos para enfrentar Jair Bolsonaro (PSL) nas urnas do segundo turno das eleições presidenciais.

De acordo com a coluna “Painel”, da Folha, o ex-prefeito de São Paulo tem um encontro marcado com evangélicos na próxima semana. Além disso, o Partido dos Trabalhadores vai mapear as igrejas que já declararam apoio ao capitão reformado e espera conseguir apoio deste grupo, uma vez que a sigla tem informações que o endosso não é homogêneo.

Nesta conversa, Haddad vai usar sua própria vida como exemplo para sustentar o título de família tradicional. O petista alegará que, diferentemente de Bolsonaro, ele tem um casamento de 30 anos.

Por fim, a coordenação da campanha de Haddad também negocia um encontro dele com a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, que já pediu aos fiéis que votem pela “defesa da democracia”.



Bolsonaro busca nomes para compor equipe econômica
Autor
Adriano Roberto

Bolsonaro busca nomes para compor equipe econômica

O programa de governo de Jair Bolsonaro (PSL) está mobilizando cerca de 80 especialistas, a maior parte ligada à UnB (Universidade de Brasília) e ao Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), deslocando a formulação da pauta econômica de tradicionais escolas do eixo Rio-São Paulo para a capital.

É um estilo bastante diferente dos governos passados do PSDB e do PT, que ficaram associados a técnicos oriundos da PUC-RJ (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro), como os formuladores do Plano Real, e da USP (Universidade de São Paulo) e da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), ligados à Nova Matriz Econômica, de Dilma Rousseff.

Os especialistas de Bolsonaro se dividem em 27 grupos, que discutem temas variados, como segurança jurídica, reforma tributária e políticas de apoio à família. Cada um deles é composto por cerca de cinco integrantes, alguns de mais de um desses times.

O deslocamento para a capital se deve à atuação de servidores do governo Michel Temer que aceitaram colaborar com Bolsonaro na elaboração de um plano e formaram os primeiros grupos temáticos.

O recrutamento foi feito pelo economista Adolfo Sachsida, diretor-adjunto de estudos e políticas regionais, urbanas e ambientais do Ipea.

Militante de movimentos conservadores, Sachsida se aproximou de Bolsonaro em meados de 2017, quando o deputado ainda fazia parte do Patriota (ex-PEN).

Os dois se conheceram no Foro de Brasília, que questionava na Justiça políticas adotadas no governo do PT, como empréstimos feitos pelo BNDES para viabilizar obras no exterior.

Naquele momento, o capitão reformado – que já almejava disputar a Presidência da República – buscava um economista para organizar um grupo de assessoramento na área econômica.

A pedido de Bolsonaro, Sachsida passou a buscar colaboradores, muitos deles entre seus colegas do Ipea, como Alexandre Iwata, e da UnB.

Quando Bolsonaro migrou para o PSL, no início deste ano, o economista Paulo Guedes entrou em cena. Sachsida então passou a coordenar os grupos de trabalho sob o comando de Guedes.

Os grupos ganharam mais adeptos à medida que Bolsonaro avançava nas pesquisas eleitorais. Sachsida passou também a ser a ponte entre os grupos de colaboradores da área econômica e os militares, que contribuíam de maneira isolada e que foram aglutinados nessas equipes poucas semanas antes da eleição.

Cada grupo tem um coordenador, responsável por enviar propostas e subsidiar os discursos do candidato.

De uma dessas equipes, liderada pelo economista Marcos Cintra, saiu a ideia do imposto único, que pretende reunir todos os impostos federais em uma tributação nos mesmos moldes da CPMF.

Cintra, que preside a Finep, agência de financiamento à inovação, lidera o time que estuda propostas para a reforma tributária e também na área de ciência e tecnologia.

Na área de macroeconomia, estão Mario Jorge Mendonça (Ipea) e Roberto Ellery (UnB). Marcio Bruno Ribeiro (Ipea) desenvolve modelos para verificar a efetividade das políticas que serão implementadas.

Sergei Soares (Ipea) se concentrou nas propostas para a área social, revisando os gastos com programas assistenciais do atual governo.

Na infraestrutura, Paulo Coutinho, diretor do centro de Estudos em Regulação de Mercados, da UnB, coordena os diversos grupos ligados a telecomunicações, transportes e outros setores regulados.

O grupo de estímulo à concorrência, por exemplo, conta com a coordenação do atual diretor de estudos econômicos do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), Guilherme Resende.

Ligado ao candidato ao governo de São Paulo João Doria, Paulo Uebel, ex-secretário de Gestão da Prefeitura de São Paulo, cuida de propostas para o desenvolvimento regional e desburocratização da máquina pública.

Existem colaboradores que atuam em outros órgãos da administração federal. No Congresso, por exemplo, os consultores Cesar Mattos e Igor Freitas enviaram propostas para a área de transporte e telecomunicações, respectivamente. Mattos foi conselheiro do Cade, e Freitas integrou o conselho diretor da Anatel.

Um dos maiores grupos é voltado a políticas para o agronegócio, liderado pelo economista José Eustáquio Ribeiro Vieira Filho (Ipea).

Nas relações exteriores, as colaborações estão sendo pilotadas por Marcos Troyjo, do BRICLab, da universidade americana de Columbia.

Há também colaboradores de PUC-Rio, USP, Unifesp e FGV. Com informações da Folhapress



PT quer punição a pastores que fazem discurso pró-Bolsonaro em igrejas
Autor
Adriano Roberto

PT quer punição a pastores que fazem discurso pró-Bolsonaro em igrejas

A informação veiculada pelo jornal O Estado de São Paulo nesta terça-feira (9) é que a cúpula do Partido dos Trabalhadores pretende pedir “maior rigor” ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em relação aos pastores que estariam usando suas igrejas para pedir votos para Jair Bolsonaro (PSL).

Um dos argumentos usados é uma matéria veiculada pelo jornal Mensageiro da Paz, da Assembleia de Deus, maior denominação do Brasil. O material trazia uma tabela comparando o que pensa cada presidenciável sobre “questões de interesse dos cristãos”.

Jair Bolsonaro é o único que aparece contra o aborto, o “casamento gay”, a liberação das drogas e a ideologia de gênero. Veiculada no início de setembro, o nome de Fernando Haddad não aparece pois ele ainda não era oficialmente candidato.

Para o ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Marcelo Ribeiro esse tema ainda é novo no direito eleitoral. Ele diz que o TSE deve punir o que considera “abuso do poder religioso”.

Ao longo da campanha do primeiro turno, um número crescente de líderes cristãos se posicionou abertamente em favor de Bolsonaro.

Cientes da inclinação comunista das propostas do PT e as promessas de “avanço” em causas progressistas que são frontalmente contra os valores cristãos, muitos decidiram abraçar a campanha do capitão em vídeos na internet.

Alguns dos nomes mais conhecidos são Cláudio Duarte, Silas Malafaia (AD Vitória em Cristo), Samuel Câmara (Convenção da Assembleia de Deus no Brasil), bispo Edir Macedo (Universal), José Wellington (CGADB), R.R. Soares (Igreja Internacional da Graça de Deus), apóstolo Rina (Bola de Neve), Estevam Hernandes (Renascer em Cristo) e Robson Rodovalho (Confederação de pastores do Brasil).



DataFolha confirma primeira pesquisa segundo turno para amanhã
Autor
Adriano Roberto

DataFolha confirma primeira pesquisa segundo turno para amanhã

Não é verdadeira a informação de que a pesquisa Datafolha sobre intenções de voto para presidente, prevista para esta quarta-feira (10), será adiada para a próxima semana.

"Confirmo que Datafolha será realizado e publicado amanhã. Xô fake news", disse Mauro Paulino, diretor-geral do Instituto Datafolha, nesta terça (9).

A informação foi publicada na manhã desta terça (9) pelo pelo site O Antagonista e pela coluna de Lauro Jardim, do jornal "O Globo", e repercutiu nas redes sociais.



Carlos Veras reacende o autêntico PT de Pernambuco em Brasília
Autor
Adriano Roberto

Carlos Veras reacende o autêntico PT de Pernambuco em Brasília

Neste domingo o estado de Pernambuco elegeu seu primeiro agricultor deputado federal. Natural de Tabira, no Sertão do estado, Carlos Veras é agricultor e se destacou como liderança sindical, unindo as lutas rurais e urbanas. É presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e esteve a frente das mobilizações contra o golpe de 2016 e em defesa dos direitos dos trabalhadores durante o governo Temer.

Filho de família de agricultores na comunidade de Poço Dantas, município de Tabira, Veras conta ter carregado muita lata d'água na cabeça. Com apenas 18 anos começou a atuar na Associação Rural de Poço Dantas, fazendo luta junto à prefeitura em defesa dos camponeses da região. Com atuação destaca, passou a atuar na central sindical CUT, que engloba os sindicatos de trabalhadores rurais (STRs) de Pernambuco. Em 2009 foi eleito vice-presidente da Central Única dos Trabalhadores e desde 2012 é presidente da organização.

Na presidência da CUT, mudou-se para a Região Metropolitana do Recife. Em sua atuação construiu as pontes entre as lutas de trabalhadores rurais e urbanos, aprendendo sobre a realidade de diversas categorias. A boa relação com trabalhadores do campo e da cidade se refletiu nas urnas. Carlos Veras conseguiu ter votos em todas as 185 cidades de Pernambuco - inclusive Fernando de Noronha, onde teve 6 votos. Apesar de ser agricultor, Veras obteve quase 17 mil votos na Região Metropolitana do Recife. Em sua cidade natal, Tabira, obteve quase 4 mil votos.

Ele atribui o sucesso de sua campanha de estreia à militância e à confiança dos trabalhadores. "Muitos trabalhadores rurais e urbanos acreditaram, construíram essa candidatura e possibilitaram essa eleição. Eles entenderam que a luta é de classe", disse. "A militância das organizações, dos movimentos sindicais e populares teve papel fundamental em conscientizar a população para não trocarem seus votos por benefícios momentâneos, mas acreditar num projeto coletivo", avaliou Veras.

A eleição de um trabalhador rural comum para o Congresso Nacional, num estado cuja história é marcada pela força das oligarquias e pelo jugo do latifúndio, é vista por ele como fruto da crença da classe. "Sou o primeiro agricultor familiar eleito deputado federal por Pernambuco. Isso é muito importante. Quebramos paradigmas", comemorou. "Mostramos que um trabalhador comum pode, sim, ser vereador, deputado, prefeito ou presidente da República, como foi Lula. Basta que os trabalhadores acreditem e votem noutro trabalhador". Ele pondera, no entanto, que eleger Haddad presidente nesse 2º turno para conter o projeto que ameaça os trabalhadores.

De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a declaração de bens do sindicalista mostra uma conta corrente na Caixa Econômica Federal com apenas R$570, além de um apartamento no Bairro Novo, em Olinda, financiado pelo programa Minha Casa Minha Vida, com compra ainda em aberto, visto que Veras pagou apenas R$70.500 do valor do imóvel.

Agricultor também na Alepe

Pernambuco elegeu o também agricultor Doriel Barros (PT) para deputado estadual. Natural de Águas Belas, no Agreste do estado, Barros tem destacada atuação sindical no meio rural e presidiu por dois mandatos a Federação dos Trabalhadores da Agricultura do Estado de Pernambuco (Fetape), que reúne 179 sindicatos rurais dos 185 municípios do estado. Os 67 mil votos também deram números expressivos ao agricultor.

Barros recupera na Assembleia Legislativa (Alepe) um lugar que já havia sido conquistado pelos trabalhadores rurais em 2014, quando elegeram Manoel Santos (PT) para o cargo. O "Mané", natural de Serra Talhada, fora um histórico líder rural, chegando a presidir a Confederação dos Trabalhadores da Agricultura do Brasil (Contag). Mas no seu primeiro ano de mandato como deputado, Santos faleceu, vítima de câncer. Com informações do site Brasil de Fato.



Rede de Marina é uma das legendas que não cumpriram metas
Autor
Adriano Roberto

Rede de Marina é uma das legendas que não cumpriram metas

Mais de um terço dos 35 partidos registrados no Tribunal Superior Eleitoral ( TSE ) não deve superar a cláusula de barreira - um mecanismo que entra em vigor para tentar reduzir a fragmentação partidária no Brasil. 

A projeção foi feita pelo GLOBO com base em dados divulgados pelo TSE e que ainda podem sofrer alterações por eventuais anulações de candidaturas.

Das 30 legendas que elegeram representante para o Congresso, 14 não atingiram o índice mínimo de votos válidos, tampouco fizeram deputados federais em número suficiente para vencer a cláusula, que definirá acesso ao fundo partidário e à propaganda de rádio e televisão no próximo ano. 

Os 14 partidos políticos que perderão os benefícios são: PCdoB, Patriota, PHS, PRP, PMN, PTC, Rede, PPL, DC, PRTB, PMB, PCB, PSTU e PCO.



Brasileiro é o povo que mais acredita em notícias falsas, diz pesquisa
Autor
Adriano Roberto

Brasileiro é o povo que mais acredita em notícias falsas, diz pesquisa

Os brasileiros são o povo que mais acredita em notícias falsas, as chamadas fake news, aponta pesquisa realizada pelo instituto Ipsos. O estudo, realizado em 27 países, aponta que 62% dos brasileiros acreditam em uma notícia que, na verdade, não passa de boato, segundo o jornal Valor Econômico.

Em segundo lugar está Arábia Saudita e Coreia do Sul, com 58%, Peru e Espanha com 57% e China, com 56%. Já os países que mais desconfiam de notícias falsas são o Reino Unidos e Turquia, seguido pela Itália. O estudo aponta ainda que quanto menos se confia nos políticos, mais se propaga notícias falsas em redes sociais e plataformas digitais.



Apoios para o 2º turno serão definidos nesta terça; Daciolo é neutro
Autor
Adriano Roberto

Apoios para o 2º turno serão definidos nesta terça; Daciolo é neutro

Os partidos que saíram derrotados no primeiro turno da eleição presidencial começam a definir suas posições para o segundo turno nesta terça-feira (9). As siglas vão definir se apoiarão Jair Bolsonaro (PSL) ou Fernando Haddad (PT), ou se vão adotar neutralidade no segundo turno.

O primeiro turno contou com 13 candidatos na disputa pelo Planalto. Dos 11 nomes derrotados, Guilherme Boulos, do PSOL, já decidiu apoiar Fernando Haddad, enquanto na noite desta segunda (8), Cabo Daciolo, do Patriota, sinalizou neutralidade: “Não apoio ninguém”.

Marina Silva deve se reunir com a executiva nacional da Rede Sustentabilidade para se posicionar oficialmente sobre o segundo turno. Mas vale ressaltar que no domingo (7), logo após a divulgação do resultado, ela afirmou que estará na oposição do governo “independentemente” do vencedor.

Ciro Gomes deve se reunir com Carlos Lupi, presidente do PDT, nesta terça. Ele não deixou claro se vai ou não apoiar Fernando Haddad, mas disse no domingo (7) “ele não, sem dúvida”, ao ser questionado sobre sua posição para o segundo turno. Ou seja, dificilmente o pedetista estará ao lado de Bolsonaro

Além dos citados acima, estiveram na disputa do primeiro turno os seguintes nomes: Geraldo Alckmin (PSDB), Eymael (DC), João Amoêdo (Novo), Henrique Meirelles (MDB), Alvaro Dias (Podemos), Vera Lúcia (PSTU) e João Goulart Filho (PPL). Todos ainda vão se posicionar oficialmente sobre o segundo turno.



Em greve, os médicos do Recife realizam ação de saúde e cidadania no Derby
Autor
Adriano Roberto

Em greve, os médicos do Recife realizam ação de saúde e cidadania no Derby

Médicos grevistas doOs médicos vinculados à Prefeitura do Recife em greve por tempo indeterminado desde o dia 21/09, realizam nesta terça-feira (09/10), uma Ação de Saúde e Cidadania, das 08h30 às 12h, na  Praça do Derby, no Recife. Os profissionais vão realizar orientações de saúde, aferição de glicemia, pressão arterial e pesagem.
 
Os médicos reclamam que as reivindicações da categoria são ignoradas pela Prefeitura, o que mostra o descompromisso completo com a saúde da população. Ao longo desse movimento grevista, a categoria denunciou na mídia as precárias condições de trabalho e de atendimento nos postos de saúde, policlínicas, maternidades e Centro de Assistência Psicosocial (CAPs).
 
 Os profissionaislutam pelo cumprimento integral do Termo de Compromisso, firmado, com a Prefeitura do Recife, em janeiro passado. O documento sinaliza por ações de melhoria nas áreas de segurança das unidades de saúde, nas estruturas físicas, que estão precárias; recomposição das escalas médicas, melhorias no abastecimento de medicamentos, principalmente na saúde mental, e equiparação salarial ao praticado pelo governo estadual. 
 
Eles afirmam que gostam de atender, de promover saúde, e não de greve. Mas, situação é precária. Querem e precisam de mudanças e melhorias. “É inadmissível que a gestão municipal trate a questão da saúde, com a desobrigação do dever de prestar assistência à população”.



Janaína Paschoal é a deputada estadual (e federal) mais votada do Brasil
Autor
Adriano Roberto

Janaína Paschoal é a deputada estadual (e federal) mais votada do Brasil

Na disputa por uma vaga na Assembleia Legislativa de São Paulo, a advogada Janaína Paschoal, uma das autoras do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), recebeu mais de 2 milhões de votos e superou o recorde histórico para o legislativo estadual e federal.

Ela conquistou um número de votos quase sete vezes maior que os recebidos por Fernando Capez (PSDB), deputado estadual reeleito em 2014 com 306.268 votos, maior número registrado até aquele período.

Janaína também obteve mais votos que Eduardo Bolsonaro (PSL), atual campeão de votos para deputado federal por São Paulo. O filho do candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL) atingiu 1814.443 votos (98,25% das urnas apuradas), e superou o recorde de Enéas Carneiro (Prona), que obteve 1.573.642 votos na eleição para deputado federal em 2002 em São Paulo.

O segundo candidato mais bem votado para o legislativo paulista é Arthur Mamãe Falei (DEM) que, assim como Janaína, estreia na Casa. O terceiro e quarto lugar ficaram com os veteranos Carlos Giannazi (PSOL) e Coronel Telhada (PP).

Por meio de sua conta no Twitter, Janaína comentou o resultado. Ela é uma das autoras do pedido de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

“Amados, são muitos votos, mais de dois milhões. Esta votação expressiva é muito importante, pois me confere mais legitimidade para trabalhar por todos nós. Agradeço a cada cidadão que confiou em mim. Deus há de me ajudar a fazer tudo que tenho em mente e mais um pouco!”, publicou.



Fátima Bernardes comemora eleição do namorado com Parabéns amor
Autor
Adriano Roberto

Fátima Bernardes comemora eleição do namorado com Parabéns amor

O namorado de Fátima Bernardes, Túlio Gadêlha, eleito deputado federal em Pernambuco, neste domingo (7), recebeu os parabéns da apresentadora, que usou as redes sociais para escrever uma mensagem de carinho ao político.

"Parabéns, amor, pela sua conquista e, principalmente, pela campanha feita com amor, respeito, leveza, paz e muito trabalho", escreveu ela no Instagram.