Blog do Adriano Roberto


Adalberto Cavalcanti apoia luta das famílias do Pontal
Autor
Adriano Roberto

Adalberto Cavalcanti apoia luta das famílias do Pontal

O deputado federal Adalberto Cavalcanti (Avante), esteve neste domingo, 24, participando de um almoço festivo com famílias acampadas da ocupação Democracia no projeto Pontal, zona irrigada de Petrolina. O evento marcou as comemorações dos trabalhadores que conseguiram com apoio jurídico, suspender a ação de despejo que havia sido impetrada pela Codevasf de Petrolina para a retirada deles da área.

No encontro, o deputado reafirmou seu compromisso com os trabalhadores sem terra na luta pela conquista definitiva da área.

"Fomos comemorar num almoço preparado com os alimentos que esses amigos trabalhadores da agricultura familiar plantam. Essa vitória nos obtivemos juntos que foi a suspensão da ação de despejo impetrada pela Codevasf. Agora vamos continuar trabalhando para que essas 900 famílias conquistem de uma vez por todas suas terras irrigadas", afirmou Adalberto.

O parlamentar contou que esteve na última semana com o ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, buscando mais uma vez, solução para assentar as famílias do Pontal.

"Me comprometi na presença das famílias, do coordenador regional do MST, Florisvaldo Araújo, que permaneceremos firmes na busca de uma solução para esses trabalhadores", reforçou o deputado Adalberto Cavalcanti.



Covardia da Indústria da Multa que não diminui acidentes fatais
Autor
Adriano Roberto

Covardia da Indústria da Multa que não diminui acidentes fatais

O Código de Trânsito Brasileiro (CTB) completou sábado passado (23) 20 anos. Criado pela lei 9.503, o CTB tem 341 artigos e 688 resoluções inseridas ao longo do tempo, na tentativa de se buscar uma perfeição de normas.

Mesmo considerada boa por especialista, a legislação ainda não tem sido suficiente para tirar o Brasil de uma posição nada invejável no ranking mundial de mortes no trânsito: o quarto lugar, depois da China, Índia e Nigéria.

Os dados oficiais mais recentes do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde, são de 2015, quando 38.651 morreram vítimas de acidentes de trânsito. Esse número foi 11% inferior a 2014, mas ainda elevado e em ritmo lento diante do propósito de um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), da Organização das Nações Unidas (ONU), que é reduzir as ocorrências à metade no fechamento da década, em 2020.

Os casos envolvendo automóveis caíram 23,9% e os óbitos por atropelamentos, 21,5%. Já os registros referentes a motociclistas diminuíram com intensidade menor (4,8%).

De acordo com esse relatório, o estado de São Paulo foi o que mais conseguiu reduzir o número de vítimas fatais ao passar de 7.303 (em 2014) para 6.134 (em 2015), uma baixa em termos absolutos de 1.169 óbitos.

Em seguida aparece o Rio de Janeiro (de 2.902 para 2.193), o que significa 709 mortes a menos, e Bahia, onde 2.265 pessoas perderam a vida em 2015, ante 2.737, em 2014, uma diferença de 472.


Lei Seca

Para o Ministério da Saúde, essa redução “pode estar relacionada à efetividade das ações de fiscalização após a Lei seca”, implantada há 9 anos. Em suas considerações, a pasta destaca que, “além de mudar os hábitos dos brasileiros, a lei trouxe um maior rigor na punição e no bolso de quem a desobedece”.

O condutor flagrado dirigindo sob efeito de qualquer quantidade de bebida alcoólica está sujeito a multa de R$ 2.934,70, além da suspensão do direito de dirigir por 12 meses. Na reincidência, o valor é dobrado.

Uma outra explicação é o desaquecimento no mercado interno de veículos e também a integração dos municípios ao Sistema Nacional de Trânsito (SNT). De acordo com o ministério, nas localidades onde foram criados os órgãos executivos de trânsito foi constatado um recuo de 12,8% no registro de mortes provocados por acidentes, enquanto nos demais ocorreu queda de 8,9%.

Internações

Os dados indicam também uma redução de 1.018 casos de feridos internados, mas que, igualmente, revela um saldo expressivo. Tiveram de ser hospitalizados 158,7 mil vítimas. Apesar dessa queda, quando são analisadas isoladamente, as ocorrências mostram crescimento em relação aos acidentados com motocicletas, que tiveram um aumento de 4.061 no total de casos, e com bicicletas, 1.669.

Sem contar os transtornos aos pacientes e familiares e as despesas previdenciárias, essas internações geraram um custo de R$ 242 milhões para o Sistema Único de Saúde (SUS).

Por meio de nota, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, informou que a questão “ é um problema que precisa ser enfrentado com muita clareza e determinação de toda a sociedade, pois causa danos às famílias que acabam perdendo seus entes queridos”.

Francisco Garonce, coordenador de Educação do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), considera significativo o resultado obtido no combate à violência no trânsito, mas vê como “uma meta ambiciosa” a tentativa de reduzir à metade os casos de acidente com morte nesses próximos três anos.

Segundo ele, uma das medidas em curso é a reestruturação do processo de formação dos condutores pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran), em que deverão ser adotadas regras mais claras em torno das provas teóricas e práticas para a expedição da Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

”Com mais clareza em torno de todas as habilidades que o condutor deve ter, diminui aquele nervosismo por imaginar se o examinador é bonzinho ou ruim”, disse Garonce.

Preparação pedagógica

O coordenador informou também que um estudo do Observatório Nacional de Segurança Viária, aprovado pelo Contran, foi entregue esta semana ao Ministério de Educação (MEC). Trata-se de uma proposta para adoção de um método pedagógico no ensino fundamental visando à formação dos alunos das nove séries em educação do trânsito.

Resultado de quatro anos de trabalho, esse estudo estabelece estratégias para todos os níveis do ensino fundamental, explicou o gerente técnico dessa organização não overnamental (ONG), Renato Campestrini.

Foram elaborados 20 livros didáticos com temas vinculados à questão do trânsito e que serão inseridos em disciplinas da grade escolar, entre elas o ensino da física ou da matemática. A ideia é preparar esses estudantes contra os riscos de se envolverem em acidentes, o que será útil ainda para torná-los mais aptos no futuro, quando tiverem a intenção de obter a CHN, esclareceu Campestrini.

Os especialistas ouvidos pela Agência Brasil avaliam que, para combater a violência no trânsito, não se pode escapar do tripé: educação, engenharia (infraestrutura das vias e do transporte) e fiscalização. Para o professor do Instituto de Segurança no Trânsito e professor da Faculdade de Medicina da Universidade de Brasília (UnB), David Duarte Lima, existem defeitos no Código.

“Em vez de mais programa de segurança no trânsito, o que temos é uma mina de ouro por meio das cobranças de multas, que acabam sendo um tapa-buraco nos caixas dos governos.”.

Conforme o professor, há um desequilíbrio na classificação do teor das infrações com os conceitos de gravíssimas, graves e leves. “Na prática, algumas tipificadas de muito graves não o são'”,afirma Duarte Lima, citando como exemplo a punição em torno de mudanças de faixas com multa e perda de quatro pontos na CNH.”Mas são problemas que não se resolve do dia para a noite”, disse.

Em sua análise, uma das soluções para amenizar o fluxo e evitar acidentes é o aumento dos investimentos em transportes, incluindo o sistema sobre trilhos como é feito na Europa.

Mais educação

Já o engenheiro Luiz Célio Bottura, do Instituto de Engenharia, avalia que o país tem “um bom código”. Segundo ele, a falha “é a falta de educação no trânsito”, combinada com o fato de se investir pouco em fiscalização e de se menosprezar os meios de proteção ao pedestre.

“O cidadão sabe que não deve usar o celular ao volante, mas usa. Ele sabe que não deve ultrapassar o limite de velocidade, mas, se não tem radar, ele excede na aceleração”. Bottura lembra que, em rodovias onde não há sinalização, o limite máximo de velocidade é de 110 km/h, mas deveria baixar para 60 km/h.

Ele também defende ainda maior engajamento dos fabricantes de veículos com a adoção de critérios contra defeitos de produção que implicam em riscos potenciais de acidentes.

Reconhece como evolução positiva os itens de segurança agregados em modelos nacionais, como o air-bag e o cinto de segurança. No entanto, adverte que isso nada vale se forem comercializadas unidades que, eventualmente, venham apresentar panes nesses equipamentos.

Indústria da Multa

Nem a indústria da multa estabelecida pelos órgãos de transporte terrestre em parceria com a Polícia Rodoviária Federal deu jeito na diminuição de acidentes nas estradas brasileiras. A fiscalização que deveria ser para educar os motoristas, virou um caça níquel de arrecadação para os órgãos públicos que embolsam as centenas de milhões de reais de multas aplicadas nas estradas.

É um montante que não foi revelado ainda pelas autoridades em 2017, mas sabe-se que a arrecadação com multas de trânsito aplicadas por órgãos federais cresceu 273% em 5 anos, e o número de infrações registradas por eles subiu 195% no mesmo período.

É o que mostram dados do sistema Renainf, que inclui multas aplicadas pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), além daquelas cometidas fora do estado de origem do veículo, em estradas ou nas cidades.

O valor arrecadado em 2016 com as multas aplicadas por esses órgãos chegou a R$ 888,8 milhões.  É fácil saber o porque de tal crescimento. Veja no vídeo abaixo a cultura estabelecida pelos policiais e o exibicionismo da tecnologia de multas pelos drones que revela uma covardia sem tamanho contra motoristas das nossas estradas.
 



Deputado Adalberto pede duplicação da 428 à ministro em Petrolina
Autor
Adriano Roberto

Deputado Adalberto pede duplicação da 428 à ministro em Petrolina

O Deputado Federal Adalberto Cavalcanti, prestigia cerimônia do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil ocorrida hoje em Petrolina-PE para a assinatura da Ordem de Serviço para Adequação da Travessia Urbana de Petrolina na Rodovia BR-428-PE e também do Anúncio da Certificação Operacional do Aeroporto Internacional de Petrolina, que autoriza R$ 22.000.000,00 (vinte e dois milhões de reais)  para as obras de duplicação da Avenida 7 de Setembro e 2 viadutos que serão construídos naquela Avenida.

A cerimônia contou com as presenças do Ministro Maurício Quintela, o Senador Fernando Bezerra, o Ministro das Minas e Energia Fernando Bezerra Coelho Filho, o Prefeito de Petrolina Miguel Coelho, o Prefeito de Araripina Raimundo Pimentel e demais autoridades.

No discurso proferido por Adalberto Cavalcanti, ele reforçou pedido junto com o Senador Fernando Bezerra e o Prefeito Miguel Coelho ao Ministro dos Transportes Maurício Quintela, para viabilizar a duplicação dos dois trechos que envolvem do Trevo ao Posto Paizão e do Posto Asa Branca, saída para a cidade de Afrânio.

No discurso do Prefeito Miguel Coelho, ele reconheceu e agradeceu publicamente ao Deputado Adalberto Cavalcanti pelas várias Emendas Orçamentárias indicadas para a Cidade de Petrolina, nas áreas da Saúde, Educação, Cidades e Codevasf.



EXCLUSIVO: Magno Malta pode ser candidato a presidente pelo PR
Autor
Adriano Roberto

EXCLUSIVO: Magno Malta pode ser candidato a presidente pelo PR

EXCLUSIVO * EXCLUSIVO * EXCLUSIVO * EXCLUSIVO * EXCLUSIVO * EXCLUSIVO

O Partido da República, PR, está trabalhando o nome do senador Magno Malta para ser candidato da legenda à presidência da república. A informação chegou hoje a tarde de Brasília para este titular do Ponto de Vista e já ganhou grande repercussão. 

Ainda de acordo com as informações a formatação desta candidatura estaria sendo formatada pela cúpula do PR que tem como comandante Waldemar da Costa Neto. A fonte nos informou que tudo vai depender do andamento das movimentações feitas pela alta cúpula do PMDB que, segundo os caciques do partido republicano, está sufocando as outras legandas da base aliada.

Pessoalmente acho muito viável a candidatura do senador. Malta tem popularidade e foi um dos políticos que mais se destacaram na luta pelo impeachment de Dilma Rousseff. Além disso, o senador é conhecido por suas declarações contundentes e pontos de vistas firmes. Em Pernambuco, Magno Malta, já morou em Jaboatão e Recife, também estudou no Seminário Batista do Norte, bairro da Boa Vista.

No programa Ponto de Vista desta sexta, 22 estaremos reapresentando entrevista exclusiva com o senador que fizemos na terça, 19. Fique atento na Rede PE de Rádio.

O senador Humberto Costa está no Ponto de Vista de hoje, 23/08, falando de política nacional e dos destinos dele na política de PE. No Ponto de Vista programa que apresento na Rede PE de Rádio, de segunda a sexta, das 18 às 19 horas.
 

Ouça pelo site
www.adrianoroberto.blog.br

Pela cabeça de rede
Evangélica FM 100,7 na Região Metropolitana - Mata Sul e Norte


Pelas afiliadas

Radio Associativa FM 104.9 
Radio Caruaru FM 104,9
Radio Candelária FM 98,3
Radio Triunfo FM 87,9
Radio Terra Nova FM 104.9 

Radio Beto Som Parnamirim FM 104,9
Radio Florescer FM FM 87,9
e Sistema Beto Som de Granito e Moreilândia

Ou acesse www.adrianoroberto.blog.br

Ainda baixe o APP do Android no link abaixo:

https://play.google.com/store/apps/details?id=br.com.williarts.radio.redepederadio59
 



Advogado Mariz deixa Temer
Autor
Adriano Roberto

Advogado Mariz deixa Temer

A decisão ja havia sido comunicada sexta-feira, 15, durante reunião em São Paulo na casa do presidente. O motivo da saída de Mariz é o conflito de interesses. O advogado já defendeu um dos delatores do presidente, o doleiro Lúcio Funaro – suas revelações são peça importante na segunda flechada que o ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot lançou contra Temer, ppr organização criminosa e obstrução de Justiça.

Mariz vinha atuando não só como advogado, mas também como conselheiro nas horas mais tensas do presidente, especialmente depois do início da ofensiva sem precedentes do procurador com base na delação premiada da JBS.

O advogado teve peso decisivo no triunfo alcançado por Temer para barrar a primeira flechada de Janot na Câmara – acusação de corrupção passiva.

No Supremo Tribunal Federal, o advogado fustigou com veemência as incursões do procurador, de quem pediu a suspeição nas causas relativas a Temer.

Mariz já havia alertado o presidente que não poderia ficar na defesa se houvesse uma segunda denúncia de Janot com base inclusive na delação premiada do doleiro Lúcio Funaro.

Na quinta-feira, 14, Janot apresentou ao Supremo sua nova flechada contra o presidente, uma denúncia que preenche 245 páginas. A acusação se baseia, de fato, na delação de Funaro, entre outras.

Mariz advogou para Funaro até o fim de junho de 2016. No dia 1.º de julho do ano passado, o doleiro foi preso na Operação Sépsis, por ordem do juiz Vallisney Oliveira, da 10.ª Vara Criminal Federal em Brasília.

Sépsis investiga desvios milionários de recursos do Fundo de Investimentos do FGTs (FI-FGTS). O esquema foi capitaneado, segundo a Procuradoria, pelo ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha em parceria com Funaro.

Quando Funaro foi preso, Mariz deixou a defesa porque o doleiro já revelava disposição em fazer delação premiada – expediente que Mariz rejeita.

Em sua delação, Funaro faz graves acusações a Temer. O procurador usou as informações do doleiro para imputar ao presidente organização criminosa, além de obstrução de Justiça.

Na reunião da sexta-feira, 15, na casa do presidente, em São Paulo, Mariz indicou pelo menos três nomes da advocacia que poderão sucedê-lo na defesa.

Antes do encontro com o presidente, Mariz já se antecipou e conversou com os titulares dessas bancas, consultando-os sobre eventual disposição em assumir a causa.

A decisão de Mariz encontra amparo no artigo 18 do Código de Ética e Disciplina da Ordem dos Advogados do Brasil – prevê expressamente que ‘sobrevindo conflitos de interesse entre seus constituintes, e não estando acordes os interessados, com a devida prudência e discernimento, optará o advogado por um dos mandatos, renunciando aos demais, resguardando o sigilo profissional’.



Guilherme faz homenagem em vídeo para 112 anos de Petrolina
Autor
Adriano Roberto

Guilherme faz homenagem em vídeo para 112 anos de Petrolina

Se lhe perguntassem qual a origem do sucesso de Petrolina, o que você diria? Este é o tema do vid o em homenagem aos 112 anos da maior cidade do Sertão do São Francisco. Assista ao vídeo e acompanhe mensagem especial do aniversário de Petrolina, do Deputado Federal Guilherme Coelho.



Raquel sofre perseguição vergonhosa e implacável
Autor
Adriano Roberto

Raquel sofre perseguição vergonhosa e implacável

Por Adriano Roberto

Até que ponto vai a vingança e rancor guardado no coração. Quando decidi enveredar para o jornalismo político não tinha ideia de que colegas jornalistas pudessem guardar tanta raiva debaixo do tapete da derrota. Isso é o que está acontecendo com determinados blogueiros que foram "ajudados", vamos chamar assim, por determinados perdedores que hoje amargam o gosto da fuga da vitória que tinham como certa nas eleições passadas.

Para minha surpresa, hoje quando acordo festejando o Dia do Radialista, vejo uma pesquisa extemporânea e raivosa em alguns blogs espalhados pelo estado. Nada contra o instituto de pesquisa e menos ainda contra o mentor da mesma, também não sou advogado para defender a prefeita Raquel Lyra que aliás nem precisa se defender neste caso. Mas cá entre nós está ficando feia essa perseguição gratuita e constante contra Raquel.

Diz o ditado que o mal por si só se destrói e numa leitura mais apurada da dita pesquisa (na gestão da Prefeitura de Caruaru) vemos que uma das questões colocadas, no questionário do pesquisador está o item “segurança”, que é de responsabilidade do Governo do Estado e dá mais de 50% de reprovação, enquanto que o outro item mais citado, da dita reprovação, é a saúde que vem com ínfimos 16%. Esse ponto poderia revelar explicitamente a intenção da pesquisa e seu mentor, mas ainda falando sobre os numeros o próprio mentor diz que “poderia ter sido pior”.

Isso sim, mostra a verdadeira intenção pela qual foi feita a pesquisa, transformar uma vitória legitima em um poço de rancor e não aceitação de uma derrota, que não pode ser regada com a champanhe que estava prestes a ser estourada para regar taças distribuídas no dia da apuração num apartamento de centenas de metros quadrados em Caruaru. A vitória certa deu lugar a uma derrota que ainda não foi engolida até agora, pelo político e pelo coleguinha que ficou com a taça vazia na mão.

Meu alerta é - o ódio e a vingança, acabam com quem os carregam e não com quem esta direcionada a recebe-los – os acontecimentos mostram que quem carrega só tem a perder e ainda está perdendo.



Juiz diz que mulher de Cabral era mentora de crimes
Autor
Adriano Roberto

Juiz diz que mulher de Cabral era mentora de crimes

Na sentença em que condenou o ex-governador Sérgio Cabral (PMDB-RJ) a 45 anos e dois meses de prisão e a mulher dele, Adriana Ancelmo, a 18 anos e três meses de reclusão , o juiz Marcelo Brêtas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, apontou que a ex-primeira-dama do Rio era "mentora", ao lado do marido, dos crimes pelos quais eles foram acusados.

Tanto Cabral quanto Adriana foram condenados por organização criminosa e lavagem de dinheiro. O ex-governador também foi sentenciado pelo crime de corrupção passiva. "A condenada Adriana Ancelmo era, ao lado de seu marido, mentora de esquemas ilícitos perscrutados nestes autos", aponta Brêtas.

"Adriana Ancelmo, companheira de Sergio Cabral, integrou o núcleo financeiro-operacional da organização e atuou, essencialmente, na lavagem do dinheiro espúrio angariado pela organização, seja através da aquisição dissimulada de joias de alto valor, amplamente comprovada nos autos, seja através de seu escritório, Ancelmo Advogados, valendo-se clássica modalidade de celebração de contratos fictícios".

Segundo a denúncia, empresas de consultoria e a banca de advocacia chefiada por Adriana lavavam dinheiro de corrupção obtido pela organização criminosa por meio de contratos fictícios. "A arquitetura criminosa montada na intimidade de seu escritório de advocacia era de muito difícil detecção, e não por acaso durante muitos anos esta condenada logrou evitar fossem tais esquemas criminosos descobertos e reprimidos", diz o magistrado.

"Não bastava à organização criminosa em questão receber muitos milhões em propinas. Havia a necessidade de dissimular a ilegalidade de tais recursos, conferindo aos mesmos uma aparência de legalidade, e essa era exatamente a função assumida pela condenada Adriana Ancelmo na estrutura da ORCRIM [organização criminosa]", segue Brêtas.

Parece óbvio que a tarefa a cargo desta condenada era da maior relevância, seja pela função de promover a lavagem de dinheiro seja pelo seu relacionamento íntimo com o mentor dessa organização criminosa, e por isso a sua culpabilidade é extrema No despacho, Brêtas diz que a postura de Adriana como advogada envergonha o direito brasileiro.

"Seu comportamento vergonhoso tem ainda o potencial de macular a imagem da advocacia nacional, posto que sua atividade e sua estrutura profissional foram utilizadas nesta prática criminosa", aponta.

"Prazeres proporcionados pelo dinheiro"

O juiz Marcelo Brêtas também diz em sua decisão que Adriana Ancelmo e Sérgio Cabral usufruíram de benefícios oriundos da propina e enganaram os eleitores do Rio. O magistrado critica a postura do casal e sua ostentação.

"Ao lado de seu marido, ora apenado, [Adriana] usufruiu como poucas pessoas no mundo os prazeres e excentricidades que o dinheiro pode proporcionar, quase sempre a partir dos recebimentos que recebeu por contratos fraudulentos celebrados por seu escritório de advocacia, com o fim de propiciar que a organização criminosa que integrava promovesse a lavagem de capitais que, em sua origem, eram fruto de negócios espúrios.", indica o juiz.

"Juntamente com o então ex-governador, também condenado, a apenada Adriana Ancelmo não raras vezes desfilou com pompa ostentando o título de primeira dama do Estado do Rio de Janeiro, na mesma época em que recebia vultosas quantias 'desviadas' dos cofres públicos, com lastro em documentos forjados para dissimular a origem ilícita", diz Brêtas.





Câmara recua e fim das coligações valerá só em 2020
Autor
Adriano Roberto

Câmara recua e fim das coligações valerá só em 2020

Uma das medidas mais esperadas da reforma política ficou para 2020. Os deputados aprovaram nesta quarta-feira o fim das coligações para as eleições de deputados e vereadores, mas a nova regra não será aplicada na disputa do ano que vem. O texto inicial, relatado pela deputada Shéridan Oliveira (PSDB-RR), previa a medida já para 2018.

Os deputados, no entanto, fizeram um acordo e aprovaram um destaque do PPS para que a medida valha somente a partir das próximas eleições municipais. Foram 348 a favor, 87 contra e 4 abstenções. A Casa ainda têm outras alterações para analisar do texto, entre elas, a sugestão de criar uma nova janela para permitir a migração partidária. 

A ideia do presidente da Câmara em exercício, deputado Fábio Ramalho (PMDB-MG), é concluir a votação ainda nesta quarta-feira. Ele fez um apelo para que os deputados permaneçam em plenário durante a madrugada. “Vamos votar, nem que tenhamos que ficar aqui até as 6h da manhã”, disse.





Deputado Adalberto pede assentamento ao ministro Barbalho
Autor
Adriano Roberto

Deputado Adalberto pede assentamento ao ministro Barbalho

O Deputado Federal Adalberto Cavalcanti esteve hoje (quarta-feira 20/09) mais uma vez com o Ministro da Integração Nacional Hélder Barbalho para reforçar o pedido referente a situação do assentamento das mais de 900 famílias de Agricultores da Agricultura Familiar no Projeto Pontal. 

Também tratou da liberação dos recursos das suas emendas parlamentares junto ao Ministério da Integração Nacional e da Codevasf, as quais envolve a Aquisição de Tratores, Retroescavadeiras, Serviços Recuperação, Limpeza, Manutenção e Desassoreamento de Aguadas em diversos municípios do Estado de Pernambuco.

A audiência contou com a presença do Líder do Governo na Câmara dos Deputados Agnaldo Ribeiro, no apoio ao Deputado Adalberto Cavalcanti para viabilizar as ações necessárias para o crescimento e fortalecimento dos municípios. O Líder do Governo Agnaldo Ribeiro se propôs a contribuir com o Deputado Sertanejo, sempre que for preciso, visando sempre o desenvolvimento, não só do Sertão, mas de todo o Estado.