Blog do Adriano Roberto


Nas Entrelinhas com Adelson: família Ferreira abusa do poder religioso
Autor
Adriano Roberto

Nas Entrelinhas com Adelson: família Ferreira abusa do poder religioso

Por Adelson Veras - Não dá para presumir ilegalidade em tudo, mas sabemos, a família Ferreira se aproveita mesmo da boa fé de muitos fiéis! O abuso do poder nas eleições, visa à obtenção do voto, para eleger vários membros da família em cargos políticos. As pretensões dos Ferreira chega a ser uma preocupação nos bastidores político de Pernambuco, tanto para base governista quanto para oposição.

Essa preocupação ampla decorre porque eles não abusam apenas da religião para atingir da boa fé dos eleitores evangélicos, tentam a todo custo, este ano, emplacar um membro da família numa chapa majoritária do governador ou da oposição, querem impor, de todo jeito, uma vaga ao senado, colocando o município de jaboatão e seu espólio elitoral como moeda de troca para isso.

Portanto, o abuso de poder religioso dos Ferreira de boa fé não tem nada! Pode sim ser considerado como a descaracterização das práticas e crenças religiosas, que buscam influenciar de forma negativa e ilegal a vontade dos fiéis na defesa de um único objetivo, favorecer o projeto de poder do clã FERREIRA. Quem os conhece de perto que o diga, o verdadeiro comportamento de cada um!



Azul opera expansão para Serra Talhada e mais 35 cidades
Autor
Adriano Roberto

Azul opera expansão para Serra Talhada e mais 35 cidades

Do Site Airway - A Azul Linhas Aéreas planeja aumentar seu número de operações ao incluir mais 35 cidades em suas rotas nos próximos anos. O objetivo é estimular a economia local, com a visão de que a chegada de novos voos às cidades chama a atenção de comerciantes e empresários, além do aumento da demanda por viagens de lazer e trabalho.

No último sábado (24), a companhia iniciou operações em duas cidades argentinas: Rosário e Córdoba. A lista de cidades a serem atendidas futuramente pela Azul reúne locais como Santa Cruz de la Sierra, Caruaru, Mossoró, Serra Talhada, Guarapuava, Toledo, Umuarama, Pato Branco, entre outras. Os modelos da ATR (da foto acima) são os turbo- hélices mais utilizados para destinos como o de Serra Talhada.

“A Azul é uma companhia aérea com foco no desenvolvimento e crescimento do mercado de aviação em todas as regiões do Brasil, levando serviço a lugares que não têm serviço aéreo. Estamos trabalhando de perto com as prefeituras dessas localidades para viabilizar as condições necessárias para operarmos”, afirmou o vice-presidente de Receitas da Azul, Abhi Shah.

O bom exemplo de expansão que a companhia leva é na cidade de Jaguaruna, em Santa Catarina. O destino é atendido pela Azul desde o fim de 2016 e já transportou 90 mil clientes em pouco mais de um ano.



Amigo, blogueiro e PM, Nayn Neto precisa de doação de sangue em Recife
Autor
Adriano Roberto

Amigo, blogueiro e PM, Nayn Neto precisa de doação de sangue em Recife

Familiares e amigos estão se mobilizando em torno de campanha de doação de sangue em favor de Inaildo Dionízio Neto, Diretor Executivo do Portal Nayn Neto, que irá passar por uma intervenção cirúrgica de emergência, na próxima segunda-feira, dia 02.
 
Nayn Neto está internado no Hospital da Policia Militar (CMH), em Recife. Para ajudar, basta procurar uma unidade do Hemope mais próxima e fazer uma doação de sangue em nome de Inaildo Dionísio Neto. Qualquer fator RH é aceito.
 
O Hemope do Recife, está localizado na Rua Joaquim Nabuco, 171 - Graças. As doações são coletadas a partir das 7h da manhã de segunda a quinta-feira, e para doar sangue, é preciso atender a alguns requisitos:
 
•       Estar em boas condições de saúde;
•       Ter entre 16 e 69 anos (menores de 18 anos precisam estar acompanhados dos pais ou com formulário de autorização);
•       Pesar no mínimo 50kg;
•       Ter dormido pelo menos 8 horas na noite anterior;
•       Apresentar documento original com foto (Carteira de Identidade, Cartão de Identidade de Profissional).


Gilmar Mendes se irrita com pergunta de repórter:
Autor
Adriano Roberto

Gilmar Mendes se irrita com pergunta de repórter: "Enfia na b....."

Em Lisboa para participar de um seminário de direito organizado pelo IDP (Instituto Brasiliense de Direito Público), do qual é um dos sócios, o ministro Gilmar Mendes se irritou com repórter da Folha S. Paulo quando perguntado se a passagem aérea para Portugal teria sido paga pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

“Devolva essa pergunta a seu editor, manda ele enfiar isso na b…(em respeito aos meus leitores não publico esse tipo de linguajar). Isso é molecagem, esse tipo de pergunta é desrespeito, é desrespeito”, esbravejou.

A viagem para Lisboa em razão do evento, marcado para 3, 4 e 5 de abril, criou incerteza quanto à presença do magistrado no julgamento do habeas corpus do ex-presidente Lula, no dia 4. O ministro, porém, promete participar da abertura do seminário e retornar a Brasília no próprio dia 3.



Prisões são mais um capítulo da briga entre Temer e Barroso
Autor
Adriano Roberto

Prisões são mais um capítulo da briga entre Temer e Barroso

A Polícia Federal prendeu nesta quinta-feira (29), em São Paulo, o advogado José Yunes, melhor amigo e ex-assessor do presidente Michel Temer, Antônio Grecco, dono da Rodrimar e Ex-ministro Wagner Rossi. Todos muito ligados ao atual presidente e ao partido dele o MDB.

Mais do que simples investigação e prisão a decisão foi autorizada pelo ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF) que foi ameaçado de impeachment pela tropa de choque de Temer no congresso o que parece mais uma espécie de retaaliação.

Yunes

No caso de Yunes, segundo o advogado dele, José Luis de Oliveira Lima, trata-se de uma prisão temporária de cinco dias. Yunes é apontado pelo operador financeiro Lúcio Funaro, delator da Operação Lava Jato, como um dos responsáveis por administrar propinas supostamente pagas ao presidente. De acordo com Funaro, para lavar o dinheiro e disfarçar a origem, Yunes investia valores ilícitos em sua incorporadora imobiliária.

Antônio Grecco

A Polícia Federal prendeu nesta quinta-feira (29) o empresário Antônio Celso Grecco, dono da Rodrimar. A empresa, que atua no Porto de Santos, no litoral de São Paulo, é suspeita de ter sido beneficiada por um decreto de 2017 de Michel Temer em troca de suposto recebimento de propina.

Wagner Rossi

O ex-ministro Wagner Rossi foi preso na manhã desta quinta-feira (29) em uma das ações da Operação Skala, deflagrada pela Polícia Federal.

Ex-deputado federal, Wagner Rossi foi ministro da Agricultura nos governos Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, em 2010 e 2011. Em 1999 e 2000, Rossi presidiu a Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), estatal administradora do porto de Santos. Rossi é pai do deputado Baleia Rossi, líder do MDB na Câmara.

Lembrando sempre que a operação foi autorizada pelo ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), relator do inquérito que investiga se Temer, por meio de decreto, beneficiou empresas do setor portuário em troca de suposto recebimento de propina. Com informações do G1.



Polícia Federal prende José Yunes, melhor amigo de Temer
Autor
Adriano Roberto

Polícia Federal prende José Yunes, melhor amigo de Temer

Do G1 - A Polícia Federal prendeu nesta quinta-feira (29), em São Paulo, o advogado José Yunes, amigo e ex-assessor do presidente Michel Temer. A decisão foi autorizada pelo ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF).

A informação foi confirmada ao blog pela defesa de Yunes. Segundo o advogado José Luis de Oliveira Lima, trata-se de uma prisão temporária de cinco dias.

"É inaceitável a prisão de um advogado com mais de 50 anos de advocacia, que sempre que intimado ou mesmo espontaneamente compareceu a todos os atos para colaborar. Essa prisão ilegal é uma violência contra José Yunes e contra a cidadania", afirmou Oliveira Lima.

Em 30 de novembro do ano passado, Yunes prestou depoimento à Polícia Federal, no inquérito que apura se decretos presidenciais favoreceram empresas do setor de portos em troca de propina. Na ocasião, ele relatou uma operação de venda de imóvel para o presidente Michel Temer.

Yunes é apontado pelo operador financeiro Lúcio Funaro, delator da Operação Lava Jato, como um dos responsáveis por administrar propinas supostamente pagas ao presidente. De acordo com Funaro, para lavar o dinheiro e disfarçar a origem, Yunes investia valores ilícitos em sua incorporadora imobiliária.

Em dezembro de 2016, Yunes pediu demissão do cargo de assessor especial da Presidência da República para, segundo afirmou, preservar a dignidade. Na carta de demissão a Temer, ele afirmou que viu seu nome "jogado no lamaçal de uma abjeta delação". "Repilo com força de minha indignação essa ignominiosa versão", afirmou Yunes na carta.



“Bolsonaro não vai se esvair do nada”, avalia diretor do Instituto Ipsos
Autor
Adriano Roberto

“Bolsonaro não vai se esvair do nada”, avalia diretor do Instituto Ipsos

Do Congresso em Foco - Líder nas pesquisas de intenção de voto em que o ex-presidente Lula é excluído da disputa, cenário mais provável devido à condenação em segunda instância, o deputado Jair Bolsonaro (PSL-RJ) é um concorrente a ser levado a sério pelos demais candidatos, a despeito de suas inúmeras controvérsias, adverte o diretor do terceiro maior grupo de pesquisas do mundo, o francês Ipsos. Responsável pelo setor de Public Affairs (assuntos públicos) do instituto francês no Brasil, Danilo Cersosimo explica que, além de elevados índices de intenção de voto, Bolsonaro acumula percentual considerável na avaliação de sua imagem. Seu nível de aprovação varia entre 20% e 24%.

Para Danilo, a intenção de votos, somada à aprovação da imagem, demonstra que Bolsonaro tem uma base consistentes e não será desidratado facilmente ao longo da campanha, mesmo dispondo de menos tempo de rádio e TV e de recursos que boa parte de seus adversários em outubro. “Ele já tem base, não é apenas um fenômeno que vai se esvair do nada. Do ponto de vista da corrida eleitoral, é preciso saber como esse jogo vai acontecer, muito provavelmente sem Lula”, diz o diretor da Ipsos em entrevista exclusiva ao Congresso em Foco.

Danilo considera que, mesmo tendo quase 30 anos de mandatos na Câmara, Bolsonaro projeta para parte do eleitorado o sentimento “antipolítico” e tende a ser o grande beneficiário se nomes que poderiam ocupar esse espaço, como o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa e o apresentador de TV Luciano Huck, ficarem de fora da disputa.

“A desidratação do nome do Bolsonaro pode favorecer alguém com esse perfil. A tal desidratação de Bolsonaro pode ocorrer se vier um nome desse perfil. Os debates serão decisivos para ele. Vai depender de quem serão os interlocutores, isso vai ser fundamental para tomada de decisão durante a campanha, que é relativamente curta pela importância que tem.”

Danilo Cersosimo considera que, mesmo tendo quase 30 anos na Câmara, Bolsonaro projeta sentimento “antipolítico” para parte do eleitorado

Na entrevista abaixo, o diretor da Ipsos também aposta que o PT ficará fora do segundo turno da eleição, devido à fragilidade dos cotados para substituírem Lula caso se confirme o indeferimento de sua candidatura, casos do ex-prefeito paulistano Fernando Haddad e do ex-governador baiano Jaques Wagner. Para Danilo Cersosimo, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), é um nome que tem todas as condições de chegar à rodada final de votação com grandes chances de vitória. “Se for Alckmin, é muito grande a chance pela força partidária do PSDB, ainda que internamente continue em fragmentação. Hoje vejo mais força no PSDB do que no PT para chegar ao segundo turno. Um segundo turno entre ambos é quase impossível”, considera.

Desde novembro do ano passado, a Ipsos desenvolve com o jornal O Estado de S. Paulo o Barômetro, levantamento que mede a popularidade das principais figuras públicas do país. A iniciativa ouve mensalmente cerca de 1.200 pessoas em 72 municípios e faz parte do Pulso Brasil, pesquisa da Ipsos que monitora a opinião pública sobre política, economia, consumo e questões sociais.

Veja abaixo a entrevista de Danilo Cersosimo ao Congresso em Foco:

Congressio em Foco – Que características o senhor antevê para a eleição presidencial? O que deve haver de diferença em relação à eleição passada?

Danilo Cersosimo – Parece-me que vamos de novo presenciar essa crescente onda dos últimos anos de absenteísmo, de votos nulos e brancos no país. Isso se dá muito pela falta de identificação da população com as lideranças que aí estão. Existe um vácuo de liderança, que não foi preenchido. Não creio que teremos o efeito do novo na política. O discurso do gestor, do novo, como foi o efeito Doria, muito possivelmente não se replicará no Brasil. Existe uma carência por lideranças, um sentimento de antipolítica que não será preenchido por esse perfil que o Doria, em algum momento, sugeriu ocupar. Por outro lado, existe um flanco para um outsider no perfil antipolítica, mas “à la Bolsonaro”, tanto que ele está aí. Ele tem entre 14% e 15% de votos em pesquisas espontâneas. No nosso monitoramento do Barômetro ele tem tido constante aprovação de imagem, de 20% a 24%. Se, por um lado, aprovação de imagem não significa conversão de voto, quando a gente olha os dados do Bolsonaro e os dados eleitorais eles são relativamente consistentes.

Bolsonaro têm fôlego para ir adiante?

Tem imagem consistente num núcleo de eleitores e consegue entre 14% e 15% de intenções de voto. Ele já tem base, não é apenas um fenômeno que vai se esvair do nada. Do ponto de vista da corrida eleitoral, é preciso saber como esse jogo vai acontecer, muito provavelmente sem Lula – suas chances de concorrer são quase inexistentes – e pensando nos nomes mais prováveis pelo PT, como Fernando Haddad e Jaques Wagner… Por outro lado, em 2016, o PT se enfraqueceu demais, por conta do que estava por vir com a Lava Jato e o impeachment da Dilma. Perdeu muitas prefeituras, perdeu musculatura. Conseguirá Lula fazer sucessor mesmo estando inelegível ou encarcerado? Acredito que não, por causa da força que o PT deixou de ter como máquina política. Está longe dos grandes centros de poder.

O que muda sem Lula?

Com Lula, ele certamente iria para o segundo turno com chance considerável de ser eleito. Sem Lula o cenário muda muito. Nesse cenário abre-se possibilidade enorme para nomes vindos de fora. Mas nomes vindos de fora com discurso de gestão perderam um pouco a força. Abre-se espaço para um outsider como Luciano Huck e Bolsonaro pela necessidade de liderança mais carismática. É preciso pensar quais são as carências da população, desemprego, violência e corrupção, como cada um desses nomes vai ocupar esses territórios. Corrupção resvala em outra esfera que é de administrar bem o recurso público. Teria espaço para o discurso do bom administrador, mas ninguém parece querer ocupá-lo.

Quais serão os grandes temas desta eleição?

Pela ordem, desemprego, segurança pública, corrupção e boa gestão dos recursos públicos. Corrupção até mais que boa gestão, especialmente em classes mais altas. As classes sociais mais baixas, com situação de emprego mais fragilizado, demandam muito mais soluções em relação a emprego. Emprego e saúde sempre são os principais itens da agenda. Seriam no atual contexto de crise econômica, de cinco anos de economia ruim, mais de 12 milhões de desempregados, isso só está mais forte em 2018 do que em 2010 e 2014. Quando olhamos para questões do plano econômico, em todos os países, as pessoas entendem as questões do campo econômico como inflação e emprego. Há um ano e meio a inflação era item muito presente nas demandas da sociedade. Hoje não é vista mais como grande problema a ser resolvido. Desemprego continua a ser. Era pior há um ano, mas continua como principal problema a ser resolvido, acima das demais questões.

Que erro será fatal para um candidato à Presidência em 2018?

Uma campanha deveria ser conduzida de maneira construtiva e propositiva. Mas isso quase nunca ocorre. Um erro estratégico será não se colocar no lugar do brasileiro. Candidatos terão de falar a língua do brasileiro para serem compreendidos. As vezes a ideia é muito boa, mas se ela não for bem transmitida, não terá sucesso. Ainda que tenha perdido eleições, Lula sempre foi um fenômeno por saber criar laço com o povo, especialmente quando o brasileiro está mais vulnerável. Não dá pra tratar de grandes questões num país fragilizado de maneira distante. Principalmente emprego e violência. Pegando ambas como exemplo, elas precisam de solução em curto, médio e longo prazo. Grande deficiência que temos no Brasil hoje é tratarmos só de curto prazo. Isso não vai mudar, mas seria erro fatal. O Brasil tem problemas a serem resolvidos hoje. Isso precisa ser comunicado de maneira calorosa, se colocando no lugar do brasileiro que está sofrendo há anos. Em 2013, quando estouraram as manifestações, ficou clara a percepção de que o brasileiro paga muito imposto e o dinheiro não é utilizado e escoa pelos ralos da corrupção. É preciso ter sensibilidade para tratar dessas questões. Todo nome da política é visto com um pé atrás. Quem não estiver envolvido em escândalos tem credibilidade maior para tratar de coisas delicadas.

A disparidade de recursos e tempo de TV será decisiva nesta eleição?

É um grande desafio. Certamente será um problema. Candidatos com maior tempo de TV, como Alckmin, mesmo não tendo até aqui desempenho positivo, isso pode mudar favoravelmente pra ele. A questão que fica é qual será o papel da internet e das redes sociais para balançar esse cenário. Num país em que a internet não tem a força que a gente imagina, talvez não resolva tudo. Isso pode mudar um pouco o cenário eleitoral. A gente vê, não só no Brasil, esse exército de seguidores, mas boa parte é bots. Vamos ter resposta de influência da internet este ano. Não vejo a internet ainda no Brasil com capacidade de influenciar uma campanha a ponto de eleger um candidato. Bolsonaro talvez seja o maior exemplo de bom uso de estratégica de comunicação na internet. Ficou bem mais conhecido pela internet. Ele sabe que precisa ultrapassar essa fronteira. Não se ganha eleição no país sem o voto das classes mais baixas, do interior do país. Existe massa alijada desse debate da internet. Pode ser que nos próximos anos que isso cresça. O corpo a corpo, o líder político local nas pequenas e médias cidades ainda conta muito pra encorpar uma campanha. A internet não vai eleger ninguém.

MDB, PT e PSDB ficarão com mais recursos e tempo de TV, tem estrutura nos municípios e estados. Bolsonaro e Marina são grandes perdedores nesse cenário?

Nesse sentido sim. Marina muito mais porque não tem a força de comunicação do Bolsonaro. Vai ser muito interessante olhar como será uma campanha se Luciano Huck e Joaquim Barbosa concorrerem. A depender da sigla, enfrentariam mesmos problemas de Marina, mas são figuras de muito alcance. Isso é um problema, mas é um problema maior porque nos últimos quatro anos não foi construída nenhuma alternativa nesse sentido. Tivemos quatro anos para que alternativas fossem construídas. Isso não aconteceu. O fato concreto é que temos uma eleição que tende a ser pulverizada, com serie de nomes concorrendo, mas que no final das contas, cm essas regras, nem todos terão igualdade de alcance. Olhar pra trás e ver o tempo perdido é penoso.

O eleitor se cansou da polarização PT e PDSB?

Ela tenderia a se repetir num cenário com Lula. Por não haver possivelmente esse cenário essa polarização vai ser certamente impactada. Não vejo o PT indo para o segundo turno nem despontando candidato forte com condição de de polarizar. Quando olho para o PDSDB, de novo sinalizando fragmentação interna, vejo chances de um candidato no segundo turno. Se for Alckmin, é muito grande pela força partidária do PSDB, ainda que internamente continue em fragmentação. Hoje vejo mais força no PSDB do que no PT para chegar ao segundo turno. Um segundo turno entre ambos é quase impossível.

Quais as chances de Ciro ser o antagonista de Alckmin?

Baseado no que a gente tem de dados sobre aprovação de imagem, acredito que Ciro tenha teto não muito alto, sem grandes chances de segundo turno. Fatos novos e arranjos podem surgir. Mas baseado no próprio histórico, no que temos de dados, acho pouco provável que ele desponte como alguém que vá para o segundo turno. A segunda vaga está bem aberta. Quando a gente olha para o cenário eleitoral, Bolsonaro é colocado no segundo turno porque tem, de maneira consistente, seus 14% ou 15% em pesquisa de intenção de voto espontânea. Hoje Bolsonaro aparece indo para o segundo turno. Hoje a segunda vaga é teoricamente do PSDB se vier com candidato forte. A incógnita é: qual será a força de um nome vindo de fora, como Joaquim Barbosa e Luciano Huck? Amoêdo é um nome de fora, mas não é conhecido, não é percebido assim. Esse perfil gestor perdeu um pouco força. Existe flanco para uma celebridade… Como esse tabuleiro vai mudar se Joaquim Barbosa ou Huck entrar na briga? Acredito que ambos têm muito potencial eleitoral para crescer, com base em dados de pesquisa. Se estiverem no jogo, esse cenário muda, pode mudar inclusive para o próprio Bolsonaro. A desidratação do nome do Bolsonaro pode favorecer alguém com esse perfil. A tal desidratação de Bolsonaro pode ocorrer se vier um nome desse perfil. Os debates serão decisivos para ele. Vai depender de quem serão os interlocutores, isso vai ser fundamental para tomada de decisão durante a campanha, que é relativamente curta pela importância que tem.



Prefeitura de Amaraji paga servidores nesta quinta-feira
Autor
Adriano Roberto

Prefeitura de Amaraji paga servidores nesta quinta-feira

A Prefeitura de Amaraji, município localizado na região da Mata Sul do estado, realizará nesta quinta-feira (29), o pagamento dos 900 servidores municipais- efetivos e aposentados.  Com isso, serão injetados R$ 1,3 milhão na economia local. 

Amanhã também será iniciada pela Secretaria Municipal de Assistência Social a distribuição de 10.000 quilos de peixes. A iniciativa contemplará diversas famílias que residem nas Zonas Rural e Urbana, e no distrito de Demarcação, devidamente cadastradas nos programas sociais.

“Com muito esforço vamos conseguir fazer uma páscoa mais feliz para muitas famílias. O pagamento da folha de funcionários tratará importante incremento para a economia da nossa cidade”, destacou o prefeito Rildo Reis.



Cavaleiro é marcado pelo esquecimento em Jaboatão
Autor
Adriano Roberto

Cavaleiro é marcado pelo esquecimento em Jaboatão

Por Fernando Gordinho - Cavaleiro não aguenta mais! É impressionante como a população de cavaleiro sofre. Uma regional da nossa querida cidade de Jaboatão dos Guararapes com quase 200 mil habitantes mais de 100 mil eleitores quase era cidade na década de 80/90 vem sofrendo com a falta de atenção, por parte das autoridades federais, estaduais e municipais.

Aqui só temos duas agências bancárias :banco do Brasil  e caixa econômica federal, nos anos de 2000 e 2005 quiseram fechar o banco do Brasil , mas graças a Deus e a nossa luta e articulação, conseguimos mudar o quadro.Dessa vez querem fechar a caixa econômica federal é brincadeira. Fiquei sabendo dessa notícia oficialmente hoje.

Fiz alguns contatos e se tiver alguma chance de revertermos esta situação vamos pra luta.Estamos nos articulando e até quinta feira teremos novidades. É uma falta de respeito com o nosso povo de Cavaleiro .

Gostaria de pedir orações  de todos para que Deus nos ajude e nos dê sabedoria para conseguirmos reverter essa situação. Vamos pra cima. Aguardem os próximos capítulos.

Fernando Moreira (Gordinho) é coordenador do MPPQ - (Movimento Popular Jaboatão que nós queremos )





Espetáculo da Paixão de Cristo de Triunfo começa nesta quarta-feira
Autor
Adriano Roberto

Espetáculo da Paixão de Cristo de Triunfo começa nesta quarta-feira

Do Blog Triunfo Hoje - A emoção e religiosidade do espetáculo que emocionou milhares de pessoas ano passado inicia nesta quarta-feira (28) mais uma temporada de apresentação. O evento será realizado no Parque Iaiá Medeiros Gastão (Via Verde), a partir das 20h.

Em 2017, o espetáculo da Paixão de Cristo que já não acontecia há doze anos, encantou a todos com uma impecável atuação dos artistas triunfenses, e de acordo com a Prefeitura Municipal de Triunfo e organizadores, cerca de 8 mil pessoas assistiram ao espetáculo.

O espetáculo reúne atrações para toda família e tem entrada gratuita.



Para salvar Lula, STF vai soltar pedófilos e estupradores
Autor
Adriano Roberto

Para salvar Lula, STF vai soltar pedófilos e estupradores

Por Merval Pereira do O Globo - A mudança, para salvar Lula, na jurisprudência do STF que permite a prisão após a segunda instância, vai beneficiar também estupradores, pedófilos e todo o tipo de bandido. Só em Curitiba são 114 presos, já condenados, que serão soltos. Os advogados do ex-presidente estão tentando mudar essa jurisprudência e agora querem mudar a Lei da Ficha Limpa, que existe há muito tempo e é clara: o condenado em segunda instância não pode ser candidato. O PT não deveria nem indica-lo candidato; mas vai indicar, criar o fato político, impetrar recursos atrás de recursos, até conseguir, como está conseguindo no STF, usando brechas  na lei, livra-lo da prisão.