Blog do Adriano Roberto


Dirceu diz que evangélicos estão mais perto do povo do que o PT
Autor
Adriano Roberto

Dirceu diz que evangélicos estão mais perto do povo do que o PT

Da Coluna Radar - José Dirceu foi o destaque do PT na celebração dos 39 anos da legenda, ontem, no Sindicato dos Bancários em Brasília. O “comandante” discursou por dez minutos, fez uma auto-crítica e disse que foram derrotados nas urnas e nas ruas em 2018. E mais:  que os evangélicos estão mais próximos do povo do que  o PT.  Para ele, o pacote de Sérgio Moro é uma licença para matar.

Chamou o governo de Bolsonaro de conservador, reacionário, fundamentalista e que leva o país para a Idade Média.
“Se nós não estamos do lado do povo, os evangélicos estão. E não podemos criticar os evangélicos. Nós fizemos política com os católicos, os bispos, as comunidades de base, as pastorais, nos anos 70, 80, 90…A classe trabalhadora da qual o PT é originário não existe mais. Fomos derrotados nas ruas e nas urnas. Temos base política e social forte, mas não temos o povo organizado”.
Dirceu prometeu não mais promover a disputa interna no PT. “Agora é outro momento. O Lula está preso, a Dilma sofreu o impeachment e fomos derrotados numa eleição”.



Alepe instala frente de defesa ao Rio São Francisco
Autor
Adriano Roberto

Alepe instala frente de defesa ao Rio São Francisco

Para discutir os riscos de contaminação das águas do rio mais importante do Nordeste pelos rejeitos minerais da barragem 1 do Complexo Mina do Feijão de Brumadinho (MG), a Assembleia Legislativa de Pernambuco instalou nesta terça-feira (12) a Frente Parlamentar em Defesa do Rio São Francisco. O objetivo é promover discussões e propor ações que minimizem a contaminação do Velho Chico pelos resíduos da lama de poluição, o que afetaria a economia e a vida dos moradores de 521 municípios situados ao longo de sua bacia hidrográfica.
 
A Frente foi criada após aprovação de requerimento de autoria do deputado estadual Lucas Ramos (PSB), escolhido como coordenador do colegiado. Ele terá a responsabilidade de conduzir reuniões, convocar audiências públicas, articular ações integradas com outros poderes e realizar visitas técnicas que resultem na elaboração de um relatório apontando ações que prezem pela preservação da qualidade da água do São Francisco.
 
“Nossa preocupação é com o nível de poluição que chegará ao rio e até que ponto ela vai comprometer a utilização dos seus recursos”, explicou. “Temos a responsabilidade de garantir a saúde de todos que de alguma forma consomem a água e manter o equilíbrio ambiental em sua bacia para não prejudicar atividades como a fruticultura irrigada, a agricultura familiar, a pesca artesanal, a geração de energia, o abastecimento e o turismo”, detalhou.
 
De acordo com o deputado, alguns impactos já podem ser percebidos nos ribeirinhos em Minas Gerais. “Já foi verificado mercúrio em trechos do Rio Paraopeba (afluente do São Francisco), causando danos à saúde das pessoas que entram em contato com essa água contaminada”, afirmou.
 
Lucas Ramos tem nesta quarta-feira (13) seu primeiro compromisso como coordenador da Frente, com presença no 58º Fórum das Bacias Hidrográficas que será realizado em Belo Horizonte. Em seguida, no dia 21, participa de reunião com a comissão parlamentar instalada no Congresso Nacional criada para discutir o rompimento da barragem da Vale. “Estaremos em Minas Gerais ao lado do presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do São Francisco, Anivaldo Miranda, para que o debate também contemple os impactos desta tragédia no Nordeste.
Em Brasília, temos reunião confirmada com o deputado Júlio Delgado (PSB/MG), relator da Comissão Especial na Câmara Federal, para incorporar nossa agenda pernambucana a essa luta que é do Brasil inteiro”, resumiu.
 
Durante a reunião de instalação da Frente Parlamentar foram definidos os nomes dos deputados Fabrizio Ferraz (PHS) como vice-coordenador e Isaltino Nascimento (PSB) como relator. “Parabenizo o deputado Lucas Ramos pela iniciativa de criação de uma frente tão importante para Pernambuco e também para todos os estados do Nordeste. Estamos à disposição e colocaremos todos os esforços para defender o direito dos pernambucanos e, em especial, daqueles que dependem do abastecimento da água do Velho Chico”, declarou Ferraz.
Para Isaltino, o pioneirismo de Pernambuco deve ampliar o debate. “Sabemos o papel e a relevância deste Poder Legislativo e vamos propor a realização de visitas a outras assembleias dos estados que têm o São Francisco como fonte de recursos para estimular a criação de outras frentes, a exemplo do que foi realizado na legislatura passada quando Lucas coordenou os trabalhos em defesa da Chesf”, sugeriu o relator.
 
CONSEQUÊNCIAS – Até o início desta semana, já foram confirmadas 165 mortes após o rompimento da barragem 1 do complexo Mina do Feijão. Outras 158 pessoas seguem desaparecidas e 138 estão desabrigadas. A tragédia ocorreu no início da tarde do dia 25 de janeiro e destruiu o centro administrativo da mineradora Vale, uma pousada e residências localizadas nas proximidades da barragem. A lama alcançou o Rio Paraopeba e chegou ao reservatório da Usina do Retiro Baixo no último sábado. De acordo com especialistas, deve alcançar a Represa de Três Marias e contaminar as águas do Rio São Francisco entre os dias 15 e 20 de fevereiro.


Fundação Terra lança educação integral para combater trabalho infantil
Autor
Adriano Roberto

Fundação Terra lança educação integral para combater trabalho infantil

Pernambuco soma 123.299 crianças e adolescentes em situação de trabalho infantil. Dessa, 43.775 meninos e meninas de 5 a 17 anos de idade atuam de forma precoce em atividades do campo e serviços domésticos, segundo levantamento do Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil (FNPETI). Os números são da pesquisa de 2014 (mais recentes). Com o objetivo de combater a exploração irregular de trabalho desse público, a Fundação Terra, com sede em Arcoverde, no Sertão de Pernambuco, lança uma campanha solidária cujo objetivo é angariar fundos para aquisição de 178 novas carteiras escolares, um passo fundamental para agregar na reforma pedagógica de educação integral da instituição social de Padre Airton Freire.

A nova configuração educacional da organização vai além do currículo formal básico. A proposta pedagógica visa adequar o período de permanência de meninos e meninas na escola, que funcionava em período semi-integral, a uma realidade de educação integral, o que significa que os estudantes irão permanecer na escola o dia todo. Sendo assim, crianças e adolescentes vão passar a ter, além da grade curricular básica, outras metodologias educativas, culturais e esportivas. “A reforma pedagógica da escola envolve as crianças e a família. Essa nova estrutura é mais abrangente e vai incluir disciplinas complementares, apoio psicológico e de psicomotricidade relacional e vai envolver todos os setores da instituição: educação, saúde e social”, explica Wellington Santana, superintendente da Fundação Terra.

Esse novo sistema, que funcionava em caráter de teste na Pax Christi Schola, na zona rural de Arcoverde, passará a ser em definitivo a partir deste ano. “A nova proposta pedagógica terá uma visão holística, o que inclui vários aspectos da formação humana, como cidadania e o emocional de crianças e adolescentes”, garante o superintendente.

Para fomentar uma nova perspectiva na educação da Fundação Terra, foram realizadas várias pesquisas em instituições que atuam com excelência nessa nova realidade. Além disso, os educadores também vão passar por uma reciclagem. “Haverá capacitação com os professores para adequá-los ao novo formato, buscando aperfeiçoá-los para que consigam transmitir às novas metodologias de ensino aos alunos da Fundação Terra”, completa Wellington.

Para que continue a transformar vidas para melhor, a instituição social de Padre Airton projeta arrecadar R$ 80 mil para aquisição de novas carteiras escolares, o que dará mais conforto e comodidade às 178 crianças e adolescentes atendidos diariamente na Pax Christi Schola. Para alcançar essa meta, a organização lança uma campanha solidária. “Convidamos todos a se juntarem a nós nessa missão de oferecer uma educação de qualidade para quem pouco possui. A doação para a aquisição dessas carteiras é  uma expressão de amor, para com os pequeninos que a vida pouco ofertou”, concluiu Chames Balladares, coordenadora de Mobilização de Recursos da Fundação Terra.

A Fundação Terra em números
Criada em 1984 pelo padre Airton Freire, a Fundação Terra surgiu numa área chamada popularmente de Rua do Lixo, em Arcoverde, município do Sertão pernambucano, a 250 quilômetros do Recife. Onde antes estava localizado o lixão do município, hoje há escola, creche, biblioteca, instituição de longa permanência para idosos e várias ações sociais. Há mais de 10 anos, as ações da instituição chegaram também a Maracanaú, na Região Metropolitana de Fortaleza (CE), onde está localizada na comunidade do Alto Alegre II. No Ceará, funciona a Creche Pleno Viver e o centro esportivo e cultural Renatu’s, com ações também na área de profissionalização. Em 2016, foi aberto no Recife o Centro de Apoio aos Moradores de Rua (C Amor), que funciona no Pátio da Santa Cruz, bairro da Boa Vista.

Mais informações:
www.fundacaoterra.org.br
(87) 3821-1542

Faça sua doação diretamente na conta corrente da Fundação Terra:
Banco do Brasil
Agência 0068-X
C/C: 22.607-6
CNPJ:  12.658.530/0001-00



Revogação da PEC da Bengala é estratégia da Câmara para limpar STF
Autor
Adriano Roberto

Revogação da PEC da Bengala é estratégia da Câmara para limpar STF

Os deputados da bancada do governo na Câmara, pretendem revogar a Proposta de Emenda à Constituição da Bengala, que aumentou de 70 para 75 anos a idade da aposentadoria compulsória dos ministros do Supremo Tribunal Federal, dos tribunais superiores e do Tribunal de Contas de União.

Com a revogação da PEC  da Bengala, Jair Bolsonaro nomearia 4 dos 11 ministros do Supremo Tribunal Federal.

Segundo o jornal Valor Econômico, a ideia é aprovar, já início da legislatura, uma PEC tornando a fixar em 70 anos a idade para aposentadoria de ministros de tribunais superiores. Com a medida, Bolsonaro ampliaria sua influência no STF, conseguindo nomear quatro dos 11 membros da corte, e não apenas dois, como previsto.

Os ministros Celso de Mello e Marco Aurélio terão que deixar o Supremo em 2020 e 2021, respectivamente. Se a idade limite voltasse a ser de 70 anos, os dois, mais Ricardo Lewandowski e Rosa Weber, seriam imediatamente aposentados.

Para a deputada Bia Kicis (PRP-DF), a proposta tem o objetivo de diminuir uma suposta escolha ideológica do Supremo, que seria “contra o desejo da sociedade”. Ainda de acordo com a reportagem, a revogação da PEC da Bengala agrada não são só deputados do PSL, como também outros partidos aliados ao futuro governo.

Durante a campanha presidencial, Bolsonaro já tinha ventilado que uma de suas propostas era aumentar o número de ministros do Supremo de 11 para 21 para, assim, conseguir teoricamente assegurar maioria em votações de interesse do governo.

PEC da Bengala
Aprovada em outubro de 2015 pelo STF, a PEC da Bengala causou reboliço na comunidade jurídica. A expectativa de alguns juízes era que a corte fosse contrária à norma, por ela atingir servidores da Justiça, apesar de ser proposta pelo Senado.



Governo Bolsonaro vai fechar rádios da EBC
Autor
Adriano Roberto

Governo Bolsonaro vai fechar rádios da EBC

O governo Jair Bolsonaro vai fechar as rádios da Empresa Brasil de Comunicações (EBC). Segundo o colunista Lauro Jardim, de “O Globo”, a informação foi confirmada pelo ministro Alberto Santos Cruz, da Secretaria de Governo.

Santos Cruz quer reduzir a quantidade de rádios. Falta agora apenas decidir sobre quantas terão a sua transmissão encerrada. A expectativa é que apenas duas das sete rádios estatais permaneçam no ar.



Deputados evangélicos na expectativa para Comissão de Direitos Humanos da Alepe
Autor
Adriano Roberto

Deputados evangélicos na expectativa para Comissão de Direitos Humanos da Alepe

O clima na ALEPE promete esquentar nesta terça-feira (12) com a eleição da Comissão de Direitos Humanos (CDH). Os deputado: pastor Cleiton Collins (PP), Adalto Santos (PSB), João Paulo (PCdoB), Jô (PSOL) e Clarissa Tércio (PSC), são os cinco membros titulares que integram a Comissão. 

Pleiteada pela deputada Jô (do Coletivo Juntas), a definição da Comissão está longe de um entendimento harmonioso. O imbróglio teve início quando vazou um suposto acordo entre as bancadas do Governo e da Oposição para deixar a deputada Jô no comando da Comissão. Porém, a representante do PSOL resolveu trilhar um caminho independente e não integra a bancada de oposição na Casa. Com isso, a Comissão não deveria ser presidida por ela e nem pelos deputados aliados do Governador (Collins e Adalto). Como o PCdoB do ex-prefeito do Recife, João Paulo também faz parte do Governo. Restaria o nome da estreante Clarissa Tércio como única representante da bancada da Oposição. 

No entanto, Clarissa nega que houve movimento para dar qualquer tipo de 'golpe' na indicação do Juntas. “Acredito que o termo (golpe) surgiu da imaginação delas. Não existe nenhum acordo. Existe sim, uma imposição da liderança do Governo. Não queríamos que fosse dessa forma. Entregar a CDH nas mãos de um grupo radical. Apenas isso", esclarece Clarissa, líder do PSC na ALEPE. 

A curiosidade é que dos cinco membros titulares, três são evangélicos e poderiam fazer a diferença na escolha. De acordo com informações de bastidores, o Palácio está influenciado diretamente na indicação da parlamentar Jônatas do PSOL e isso poderia trazer certo desconforto para os dois aliados do Governador com base no reduto evangélico (Cleiton e Adalto). 

A matemática é simples. Se votarem 'Juntos', os três evangélicos podem derrotar o coletivo Juntas e eleger a deputada Clarissa para comandar a CDH. Resta saber se a recomendação do Palácio terá mais força que convicções de unidade e fé.



Velório de Boechat acontece até às 14h desta terça em SP
Autor
Adriano Roberto

Velório de Boechat acontece até às 14h desta terça em SP

O velório do jornalista Ricardo Boechat, morto na segunda-feira (11) em um acidente de helicóptero, começou por volta das 23h30 no Museu da Imagem e do Som, nos Jardins, região nobre da capital paulista, mesmo bairro onde o jornalista morava. O velório segue até as 14h desta terça-feira (12).

A esposa de Boechat, Veruska Seibel Boechat, acompanhada de familiares, chegou por volta das 22h25 ao local. Cerca de uma hora depois, o caixão com o corpo do jornalista veio trazido por um carro do Serviço Funerário Municipal.

"Quando nós acabarmos de apurar esse caso, nós vamos encontrar um fio condutor entre essas tragédias que estão acontecendo. São sempre coisas que não estão adequadas. Uma barragem que não estava adequada, um dormitório que não estava adequado e, possivelmente, um helicóptero que não estava adequado", disse o presidente do Grupo Bandeirantes, em que Boechat trabalhava, João Carlos Saad.

Até a noite de ontem, apenas familiares e amigos próximos estavam autorizados a entrarem no local onde o corpo está sendo velado. Do lado de fora, aglomeravam-se fãs, ouvintes e telespectadores de Boechat, esperando o velório ser aberto ao público em geral.

O jornalista do Grupo Bandeirantes morreu na queda de um helicóptero na Rodovia Anhanguera, quando retornava de uma palestra em Campinas. O velório continuará até as 14h desta terça-feira (12). A Band não divulgou o local do sepultamento, que será em cerimônia reservada para a família.

O acidente ocorreu no início da tarde de hoje. O piloto da aeronave, Ronaldo Quatrucci, também morreu.

A pedido do presidente Jair Bolsonaro, o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, irá representá-lo no velório do jornalista. Bolsonaro disse que ele e Boechat eram amigos “há mais de 30 anos” e que ele apelidou o jornalista de “Jacaré”.

Boechat tinha 66 anos, era apresentador do Jornal da Band e da rádio BandNews FM e tinha uma coluna semanal na revista ISTOÉ. O jornalista nasceu em Buenos Aires, na Argentina, quando o pai Dalton Boechat, diplomata, estava a serviço do Ministério das Relações Exteriores. Dono de um humor ácido, usava essa característica para noticiar fatos e criticar situações. O tom era frequente nos comentários de rádio, televisão e também na imprensa escrita.

Políticos, magistrados e organizações lamentaram a morte do jornalista.

Boechat deixou mulher, cinco filhas e um filho.



Planalto finaliza decreto que abre caminho a documento único no país
Autor
Adriano Roberto

Planalto finaliza decreto que abre caminho a documento único no país

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) assinará decreto que autoriza a utilização do CPF (Cadastro de Pessoas Físicas) como uma espécie de número geral para acesso a informações, benefícios e serviços públicos no país.

A proposta, que tem como objetivo simplificar o atendimento na estrutura federal, foi elaborada pelo Ministério da Economia e pela CGU (Controladoria-Geral da União) e passa por ajustes finais no Palácio do Planalto.

O texto elaborado pela equipe econômica do governo federal prevê que o CPF poderá ser usado em substituição aos números da carteira de trabalho, do certificado de serviço militar, da carteira de habilitação, da inscrição no cadastro único de programas sociais e do registro do Pis-Pasep.

A nova regra exclui, no entanto, a substituição do número do CPF pelo da carteira de habilitação e do certificado de serviço militar no caso de trâmite de processos administrativos.

A previsão é de que a iniciativa seja publicada nesta semana no Diário Oficial da União. A nova regra terá vigor imediato, mas prevê um prazo de um ano para que a administração pública esteja totalmente adaptada.

Ao longo desse período, todos os órgãos que não usam o número de CPF em seus cadastros precisarão incluir essas informações nos bancos de dados e adaptar o atendimento ao cidadão.

A mudança será automática e não exigirá solicitação do usuário do serviço para que o documento seja aceito.

O secretário de Governo Digital do Ministério da Economia, Luis Felipe Salin Monteiro, afirma que a simplificação é um passo para a futura adoção de um documento único para todos os brasileiros.

Monteiro pondera que o decreto não elimina os documentos existentes hoje. A mudança também não dispensará o uso de documentos em situações específicas previstas em lei.

O motorista, por exemplo, não poderá deixar a carteira nacional de habilitação em casa. Isso porque o Código de Trânsito prevê que ele carregue o documento enquanto dirige.

O condutor poderá, entretanto, usar o número do CPF para consultar na internet a situação de sua habilitação, como a pontuação de multas na carteira.

De acordo com o secretário, também será possível, por exemplo, que o cidadão vá a uma agência do INSS e solicite extratos usando o CPF, sem precisar lembrar os outros números de benefícios.

"Para o cidadão, vai ficar muito mais fácil. Ele vai ter que aprender um número só a vida inteira. Os outros números, o governo pode ter na base de dados, mas o cidadão não precisa saber", disse. No caso de consultas de informações e solicitação de benefício em programas sociais, o CPF também será aceito.

Entretanto, por se tratar de uma movimentação financeira, o saque do benefício do Bolsa Família ainda exigirá o cartão usado atualmente.

Monteiro explica que essa unificação dos sistemas é parte do processo de criação da ICN (Identificação Civil Nacional).

Nela, os documentos hoje existentes serão unificados em torno do CPF, com previsão ainda de um documento único digital, que está em fase de implementação.

"O que estamos fazendo agora é unificar as bases de dados a partir do CPF. A unificação de documentos é uma segunda etapa", afirmou.

A lei que cria o ICN foi sancionada pelo então presidente Michel Temer (MDB)em maio de 2017, com prazo de implantação em 2022. Com informações da Folhapress.



Bolsonaro tem aval de equipe médica para ter alta na quarta-feira
Autor
Adriano Roberto

Bolsonaro tem aval de equipe médica para ter alta na quarta-feira

O presidente Jair Bolsonaro recebeu aval da equipe médica para ter alta do Hospital Albert Einstein na quarta-feira, 13. A data de saída vai depender do Palácio do Planalto. Nesta segunda-feira, 11, o presidente completou 15 dias de internação.

Após duas semanas de uma cirurgia para retirada da bolsa de colostomia e reconstrução do trânsito intestinal, Bolsonaro já se alimenta com dieta leve e apresentou melhora do quadro pulmonar - ele foi diagnosticado com pneumonia na semana passada. De acordo com os médicos, o presidente precisa ficar internado até quarta-feira, quando termina o período de medicação com antibióticos, administrados para conter a infecção no pulmão.

"Ele pode ter alta sim. Mas eu não sei se ele vai quarta, ele e o cerimonial (do Planalto) vão decidir", disse o cirurgião Antonio Luiz Macedo. "O presidente está ótimo, está perfeito."

Bolsonaro já está liberado para falar, como fez nesta segunda ao receber três ministros, um governador e um secretário paulista, destacou o médico. Além disso, o organismo dele respondeu de forma satisfatória à alimentação sólida, retomada nesta segunda. "A única pendência são os antibióticos", destacou Macedo.



Jornalista Ricardo Boechat morre em queda de helicóptero em SP
Autor
Adriano Roberto

Jornalista Ricardo Boechat morre em queda de helicóptero em SP

O UOL confirmou agora pouco a morte de Ricardo Bechat, jornalista da Band na queda do helicóptero.

O helicóptero caiu no Rodoanel, em São Paulo, nesta segunda-feira (11). Ao menos duas pessoas morreram, piloto e o jornalista.

O chamado de socorro foi feito às 12h14.

Foram enviadas ao menos nove viaturas para o local, informou o Corpo de Bombeiros ao G1. A queda ocorreu no quilômetro 7 do Rodoanel, sentido Castelo Branco, perto do acesso à Rodovia Anhanguera.



Horário de verão termina na virada do próximo sábado para domingo
Autor
Adriano Roberto

Horário de verão termina na virada do próximo sábado para domingo

O horário de verão vai acabar na virada do próximo sábado para domingo (dia 17), quando os relógios deverão ser atrasados em uma hora, mesnos na capital pernambucana que não entrou no horário. 

Em vigor desde 4 de novembro de 2018, a mudança obrigou dez estados - além do Distrito Federal - a ajustarem os ponteiros: Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Espírito Santo.

Desta vez, a duração do horário de verão foi mais curta do que o normal. Historicamente, esse período começa no terceiro domingo de outubro, mas seu início em 2018 foi adiado por conta do segundo turno das eleições, a pedido do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Se não houvesse o adiamento, aumentaria a diferença de horário entre os estados do Sul e do Sudeste e os que já têm fuso diferente, atrapalhando a divulgação dos resultados das urnas.

Com o fim do horário de verão no próximo fim de semana, será preciso ficar atento aos aparelhos celulares. Antes que este fosse implantado, em novembro, muitas operadoras de telefonia promoveram ajustes em seus sistemas, para atualização automática dos telefones, o que causou problemas aos clientes. Com os relógios adiantados antes da hora, milhares de consumidores perderam uma hora de sono e acabaram chegando cedo demais a compromissos.

Para quem tem voos marcados

Em caso de dúvidas sobre o horário dos voos programados para domingo, a Infraero recomenda aos passageiros que procurem informações junto às companhias aéreas, balcões de informações nos terminais ou com os empregados das empresas nos aeroportos vestidos com coletes amarelos "Posso ajudar?".

Sem grande efeito

Em vigor desde 1931, a mudança de horário foi uma estratégia do governo para gerar economia de energia, já que, durante a estação, as pessoas chegavam em casa e ligavam os chuveiros, ocasionando pico de consumo e grande desperdício.

Com o passar dos anos, porém, os picos de consumo passaram a ser registrados nos momentos mais quentes ao longo do dia, com grande utilização de aparelhos de ar-condicionado, por exemplo, sobretudo no comércio.

Por isso, a Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Conservação de Energia (Abesco), por exemplo, entende que a alteração nos relógios não se justifica mais.

Em setembro de 2017, o governo federal chegou a anunciar a intenção de abandonar o horário de verão a partir de 2018, mas voltou atrás.



Carvalhosa protocola novo pedido de impeachment contra Gilmar e Lewandowski
Autor
Adriano Roberto

Carvalhosa protocola novo pedido de impeachment contra Gilmar e Lewandowski

O jurista Modesto Carvalhosa vai protocolar novamente os pedidos de impeachment dos ministros Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski.

O jurista já havia dito, no final do ano passado, que Lewandowski “abusou da autoridade dele inúmeras vezes, mas ao mandar deter o advogado Cristiano Caiado de Acioli, ele abusou de maneira total”.

E alegou ainda que “o STF perdeu sua reputação perante o povo brasileiro. São 200 milhões de pessoas que acham o STF uma vergonha."

 A nova declaração foi feita na manhã deste domingo, no Twitter do jurista.