Blog do Adriano Roberto


Sicredi Vale do São Francisco anuncia expansão com duas novas agências
Autor
Adriano Roberto

Sicredi Vale do São Francisco anuncia expansão com duas novas agências

O Sicredi, instituição financeira cooperativa que foi destaque em janeiro deste ano na revista ‘IstoÉ Dinheiro’ como uma das melhores opções para investimento em 2019, anunciou na noite desta quarta-feira (27), em Petrolina – PE, que vai ampliar a oferta de serviços no Vale do São Francisco com mais duas agências.
 
O anúncio das duas novas unidades, uma será construída em terreno já adquirido na avenida da Integração – importante via do município – e a outra na cidade baiana de Senhor do Bonfim, foi feito pelo presidente do conselho de administração da Sicredi Vale do São Francisco, Antônio Vinicius, durante assembleia geral ordinária, que reuniu um número recorde de associados.
 
Na apresentação do relatório 2018, o presidente compartilhou os principais destaques da cooperativa que começou há 18 anos com o nome de Unicred VSF, atingiu a marca histórica de 110 milhões de ativos totais e quer chegar a 200 milhões em 2020.
 
“Em 2018 entregamos excelentes resultados aos nossos mais de 4 mil associados. Lançamos a conta digital Woop Sicredi, tivemos um crescimento de 20,02%, ampliamos o portfólio de produtos e serviços com diversificação de investimentos e melhor acesso ao crédito e hoje contamos com mais de 300 soluções financeiras”, lembrou Antônio Vinícius, após a votação e aprovação por unanimidade do balanço patrimonial e de várias outras demonstrações financeiras. Ainda durante a assembleia, foi eleito o Conselho Fiscal e sorteado uma TV 40”.
 
O Sicredi é a primeira instituição cooperativa financeira do Brasil. Com um modelo de gestão que valoriza a participação dos 4 milhões de associados a entidade conta com 1.600 agências em 22 estados e no Distrito Federal. Entre as vantagens para se associar a uma cooperativa financeira destacam-se as taxas de juros reduzidas e rendimentos normalmente superiores aos de mercado, além de que nessa modalidade de investimento o associado é dono do negócio e decide junto.



Fachin multa Haddad por impulsionar conteúdo negativo contra Bolsonaro
Autor
Adriano Roberto

Fachin multa Haddad por impulsionar conteúdo negativo contra Bolsonaro

O ministro Edson Fachin, do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), determinou que o candidato derrotado à Presidência pelo PT em 2018, Fernando Haddad, pague multa de R$ 176.515,18 por impulsionar conteúdo negativo contra Jair Bolsonaro (PSL) na campanha. Leia a íntegra da decisão.

O caso analisa a ferramenta do Google, que durante as eleições colocou como 1º resultado na busca “Jair Bolsonaro” o site “A Verdade sobre Bolsonaro”, com conteúdo crítico ao hoje presidente.

Fachin afirma, na decisão, que “conteúdo impulsionado deve necessariamente promover ou beneficiar os candidatos ou suas agremiações”.

Para o ministro, o impulsionamento de conteúdo negativo desrespeita a Lei das Eleições: “A violação da lei sujeita o responsável pela divulgação da propaganda ou pelo impulsionamento de conteúdos e, quando comprovado seu prévio conhecimento, o beneficiário, à multa”.

“Ainda que assim não fosse, é indene de dúvidas que o referido site trazia conteúdo desfavorável à campanha do representante Jair Messias Bolsonaro, cujo nome já sugeria conotação negativa: ‘A verdade sobre Bolsonaro’, levando o leitor a crer que seu conteúdo revelaria aspectos negativos do candidato, omitidos pela sua campanha”, continua o ministro.

Segundo o ministro, comprovou-se que a campanha de Haddad contratou o impulsionamento por R$ 88.257,59 (metade da multa), conforme documentos da Google Brasil Internet - inocentada no processo.



Câmara aprova PL de divórcio imediato mediante agressão
Autor
Adriano Roberto

Câmara aprova PL de divórcio imediato mediante agressão

A Câmara dos Deputados aprovou na quarta-feira (27) um projeto de lei que permite à vítima de violência doméstica solicitar ao juiz a decretação imediata do divórcio ou do rompimento da união estável. A matéria segue para apreciação do Senado.

O texto aprovado prevê a necessidade de a vítima ser informada sobre o direito de pedir imediatamente o divórcio e a possibilidade de o juizado decidir sobre esse divórcio sem tratar da partilha de bens, que poderá ser feita posteriormente.

A relatora do texto aprovado, deputada Erika Kokay (PT-DF), destacou que atualmente a lei já permite o divórcio ou a dissolução da união estável em qualquer hipótese, sem a necessidade de que a vítima comprove violência doméstica para que o vínculo seja rompido.

"Mesmo assim, o projeto tem grandes méritos. O primeiro é chamar atenção para o fato de que, entre as vítimas de violência doméstica e familiar, ainda há grande desinformação sobre a possibilidade de ajuizamento imediato da ação de divórcio, sendo útil colocar na lei a necessidade de orientar as vítimas sobre essa alternativa", afirmou a deputada.

Licença-maternidade

Em outra votação, parlamentares aprovaram a proposta que prorroga o início da licença-maternidade a mulher ou o seu filho permanecerem em internação hospitalar por mais de três dias. O projeto também segue para análise do Senado.

Segundo o texto, a licença poderá ser suspensa, a critério exclusivo da trabalhadora, se o recém-nascido permanecer internado. A suspensão deverá ocorrer depois de transcorridos pelo menos 15 dias de seu gozo. A licença interrompida é retomada assim que houver alta hospitalar do recém-nascido.

Da mesma forma, o pagamento do salário-maternidade acompanhará a suspensão da licença e será retomado quando a criança sair do hospital e a licença voltar a ser usufruída.



Marco Aurélio vê ambiente no STF para reversão da prisão após condenação em segunda instância
Autor
Adriano Roberto

Marco Aurélio vê ambiente no STF para reversão da prisão após condenação em segunda instância

Do blog de Andréia Sadi - O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, disse ao programa Em Foco com Andréia Sadi, na GloboNews, que vê ambiente para o STF reverter a previsão de prisão após condenação em segunda instância.

O presidente da corte, ministro Dias Toffoli, marcou novo julgamento para discutir o tema em 10 de abril. A última vez que o STF julgou o tema o placar foi de 6 a 5 pela prisão após a condenação em segunda instância.

Na entrevista, o ministro Marco Aurélio disse que o STF “já deveria ter julgado a matéria” e que liberou em 2018 uma das ações que trata do tema por que “houve sinalização de um daqueles que formaram a corrente majoritária, vai evoluir para entender que não cabe a execução depois da decisão de segunda instância”.

Perguntado se vê “ambiente” para a reversão do placar, o ministro respondeu: “Creio que se se confirmar a previsão de que o ministro Gilmar Mendes hoje adota o entendimento segundo ao qual não pode haver a execução provisória, açodada da pena, nós reverteremos aquele score (placar) apertado de 6 a 5, a maioria vai se formar no sentido, sob a minha ótica, de homenagear a Constituição Federal”.

O ministro afirmou também não temer reação da sociedade se o entendimento do STF for modificado. “Não posso temer porque se eu não tiver couraça para decidir segundo meu convencimento sobre a matéria, nós estaremos muito mal”.

O ministro admite que a decisão possa favorecer políticos, “por via indireta”, mas explicou que não tem como “distinguir” e que “pouco importa o envolvimento deste ou daquele cidadão”. “Não tenho como criar a norma de plantão para colocar na cadeia aqueles que cometeram desvios de conduta. Penso que eles devam responder mas que se observe a Constituição Federal”.

Para Marco Aurélio, a mudança de entendimento do STF submete todos ao “princípio da não culpabilidade”.



Em meio a discussões ridículas, Câmara aprova pacote de bondades dos partidos
Autor
Adriano Roberto

Em meio a discussões ridículas, Câmara aprova pacote de bondades dos partidos

O plenário da Câmara aprovou nesta quarta-feira, 27, o texto-base do projeto que prevê anistia de multas a partidos políticos que não aplicaram seus recursos de forma adequada e os livra de sofrerem sanções da Receita Federal por não cumprirem determinações legais. Os deputados ainda vão analisar destaques à proposta na semana que vem.

Conforme mostrou o Estado, o texto alternativo do projeto – chamado de substitutivo – tem como relator o deputado Paulo Pereira da Silva (SD-SP), o Paulinho da Força, e representa uma espécie de “pacote de bondades” às legendas.

Entre as benesses, está a anistia a siglas que não aplicaram o porcentual mínimo exigido por lei no financiamento de candidaturas femininas em 2018. O texto prevê que as legendas “não poderão ter suas contas rejeitadas ou sofrer qualquer outra penalidade”. Para Paulinho da Força, “as multas do TSE têm sido exageradas”. 

O relator justifica as medidas pela necessidade de uma “nova organização para o financiamento das estruturas partidárias” após a proibição da doação de empresas a partidos e candidatos pelo Supremo Tribunal Federal (STF), em 2015. “Nessa toada, verifica que os recursos do Fundo Partidário se tornaram a maior fonte de financiamento das legendas, senão a única”, diz o texto.

Em outro ponto, o relator propõe que a Receita não poderá mais cancelar “o cadastro dos órgãos partidários que não tiverem movimentação financeira, bem como não poderá cobrar taxas ou multas para a reativação da inscrição”.

Outra alteração aprovada nesta quarta-feira é a que estipula mandato de até oito anos para presidente de partido. Em fevereiro, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) manteve entendimento de que cada mandato dura quatro anos. Não há, porém, limites para a reeleição.

Justiça Eleitoral. Durante a votação, o plenário da Câmara rejeitou a tentativa do Novo de incluir uma emenda para reverter a decisão do STF sobre a competência da Justiça Eleitoral de julgar crimes como corrupção e lavagem de dinheiro quando associados a suspeitas de caixa 2. 

A proposta do deputado Marcel Van Hattem (Novo-RS) era alterar o Código de Processo Penal para manter estes tipos de casos na Justiça comum. A decisão do Supremo foi considerada uma derrota para a Lava Jato. Procuradores argumentam que a Justiça Eleitoral não tem estrutura para conduzir investigações de crimes complexos. Informações do Estadão.



Clubes de leitura de Petrolina abrem edição 2019 com proposta solidária
Autor
Adriano Roberto

Clubes de leitura de Petrolina abrem edição 2019 com proposta solidária

Os Clubes de Leitura Leia e Leia Mais, criados há 10 anos em Petrolina – PE pelo Plenus Colégio e Curso, abriram os trabalhos da edição 2019, na noite desta terça-feira (26), apresentando uma vasta programação com destaque para a leitura solidária.

No evento, que contou com mais de 120 alunos, foram confirmadas ações exitosas já realizadas em anos anteriores, a exemplo do projeto ‘Fuscateca’, que distribui obras literárias nas comunidades do município, as feiras do livro, metas de leitura e os concursos de literatura.

Mas deve também trazer novidades, como um projeto solidário de empréstimo de livros a alunos da rede municipal de educação, o lançamento de um livro feito pelos membros dos clubes, a publicação de uma coletânea em e-book, além das visitas de campo às unidades de ensino na sede e interior da cidade.

“Nossa proposta é que o livro e a coletânea sejam lançados na Bienal Internacional do Livro [que ocorrerá em Olinda dos dias 4 a 13 de outubro, no Centro de Convenções de Pernambuco], onde nossos alunos sempre se destacam nos debates, convenções e sugestões de leituras junto aos demais visitantes.

E estamos ainda com a ideia da criação de um blog, em que os estudantes farão uma resenha dos livros que estão lendo”, adiantou o professor e coordenador dos clubes, Genivaldo Nascimento.

De acordo com ele, em 2018 os clubes Leia e Leia Mais beneficiaram, através do Fuscateca, mais de 1.200 crianças de escolas públicas, doando livros clássicos, de ficção científica, fábulas, fantasias e romances. Ações de solidariedade que devem ser ampliadas este ano.

“Estamos sugerindo aos nossos alunos que, além de fazerem as doações, eles sejam solidários com as crianças das comunidades de Petrolina na troca de experiências, incentivo à leitura e indicação de outros títulos”.

Membro antiga dos clubes de leitura, Ana Gabriela de Sena, da 1º série do Ensino Médio, começou no Leia (do Ensino Fundamental), há 5 anos, e agora é participante assídua do Clube Leia Mais. Fã do escritor Harlan Coben e de seu best-seller ‘Cilada’, a menina se diz ansiosa com as novidades dos projetos.

“Eu amo muito a leitura. Poder imaginar como seria o desfecho de um história se ela se passasse na vida real é fantástico. É essa sensação que espero passar para os alunos que estarão sendo parceiros conosco nessa iniciativa”, comentou.

Ainda na abertura, os pequenos leitores ouviram professores, coordenadores e diretores contando suas experiências de leitura e quais obras mais os impactaram. O cantor e compositor, Nilton Freittas, também participou do evento.

Coautor da música Boato Ribeirinho, executada na novela da Rede Globo ‘Velho Chico’ (2016), Freittas fez um show em voz e violão, homenageando sua falecida esposa, Simone Ramos, uma das professoras fundadoras do Colégio Plenus. Durante o evento, a biblioteca da escola recebeu uma placa com o nome de Simone.


*In memoriam*

A professora Simone Ramos foi a criadora dos dois clubes de leitura, a iniciativa de incentivo à leitura mais longeva de Petrolina. Ela nasceu em 1963 no município de Juazeiro – BA, se formou em Letras pela Universidade Católica de Salvador e antes de segurar o diploma já lecionava na Fundação Carvalho, uma instituição de alunos superdotados do Recôncavo Baiano. Idealista também dos projetos Clube de Cinema e Zoom, a educadora faleceu em 8 de maio de 2015 vítima de um câncer. Agora, imortalizada também como nome da biblioteca, Simone é presença e exemplo vivo da cultura através da leitura.



Assista aqui a sabatina de Moro no Senado


Moro é considerado pela Fortune o 13º maior líder mundial
Autor
Adriano Roberto

Moro é considerado pela Fortune o 13º maior líder mundial

O Estadão - O juiz federal Sérgio Moro, que conduz as ações da Operação Lava Jato, é considerado pela revista norte-americana Fortune como o 13º principal líder mundial em lista de 50 nomes que inclui também o papa Francisco (4º), a premiê alemã Angela Merkel (2ª) e o fundador da Amazon, Jeff Bezos (1º).

O juiz paranaense aparece logo à frente do vocalista do U2, Bono Vox (14º), e dos astros da NBA Stephen Curry e Steve Kerr (15º). Além disso, Moro está melhor do que o presidente da Argentina, Mauricio Macri (26º), e o apresentador americano John Oliver (30º).

Confira abaixo a lista completa da Fortune:

1 - Jeff Bezos

2 - Angela Merkel

3 - Aung San Suu Kyi

4 - Papa Francisco

5 - Tim Cook

6 - John Legend

7 - Christiana Figueres

8 - Paul Ryan

9 - Ruth Bader Gingsburg

10 - Sheikh Hasina

11 - Nick Saban

12 - Huateng 'Pony' Ma

13 - Sergio Moro

14 - Bono

15 - Stephen Curry e Steve Kerr

16 - Bryan Stevenson

17 - Nikki Haley

18 - Lin-Manuel Miranda

19 - Marvin Ellison

20 - Reshma Saujani

21 - Larry Fink

22 - Scott Kelly e Mikhail Kornienko

23 - David Miliband

24 - Anna Maria Chávez

25 - Carla Hayden

26 - Mauricio Macri

27 - Alicia Garza, Patrisse Cullors e Opal Tometi

28 - Chai Jing

29 - Moncef Slaoui

30 - John Oliver

31 - Marc Edwards

32 - Arthur Brooks

33 - Rosie Batty

34 - Kristen Griest e Shaye Haver

35 - Denis Mukwege

36 - Christine Lagarde

37 - Marc Benioff

38 - Gina Raimondo

39 - Amina Mohammed

40 - Domenico Lucano

41 - Melinda Gates e Susan Desmond-Hellman

42 - Arvind Kejriwal

43 - Jorge Ramos

44 - Michael Froman

45 - Mina Guli

46 - Ramón Mendéz

47 - Bright Simons

48 - Justin Trudeau

49 - Clarence Rewcastle Brown

50 - Tshering Tobgay



Quebra de dados leva MP a celular de Paulo Preto e juiz mantém prisão
Autor
Adriano Roberto

Quebra de dados leva MP a celular de Paulo Preto e juiz mantém prisão

O juiz federal Luiz Antonio Bonat, novo magistrado da Operação Lava Jato, negou pedido de liberdade do ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto, e manteve a prisão preventiva do suposto operador do PSDB. O ex-dirigente da estatal paulista responsável por empreendimentos bilionários de governos tucanos está preso desde 19 de fevereiro sob suspeita de participar de esquema de lavagem de dinheiro oriundo de propinas da Odebrecht.

Bonat citou, na decisão, as suspeitas da Lava Jato sobre a existência de celulares ligados a Paulo Vieira de Souza. No dia da prisão do operador, a Polícia Federal encontrou "dezenas de cabos USB de carregamento de celulares já devidamente conectados em fontes de carregadores" no closet do apartamento.

A pedido do Ministério Público Federal, a Justiça quebrou o sigilo telemático da nuvem do ICloud de endereços eletrônicos de Paulo Vieira de Souza, de sua mulher e da empresa Magna Freitas Carvalho. O resultado da quebra apontou a existência de um número de telefone ligado ao ex-diretor da Dersa, usado "pelo menos, para a troca de mensagens através do aplicativo WhatsApp".

"Igualmente identificado que o referido telefone teria se conectado à internet através da rede wireless da residência do investigado três dias antes das buscas", anotou o juiz.

"Na petição de liberdade, a defesa alega que o fato de não ter sido encontrado aparelho celular não pode ser interpretado contra o investigado e que a tese do Ministério Público Federal seria especulativa. A despeito das alegações da Defesa, pelos elementos apresentados pelo Ministério Público Federal, concretamente, verifica-se que o investigado possuía um aparelho celular e que o conectou à internet a partir de sua residência, em datas próximas à realização das buscas, sendo que o referido aparelho não foi encontrado por ocasião da busca efetivada. Tal soa estranho e aponta para ocultação de eventual prova, em prejuízo da investigação criminal."

O magistrado afirmou também que estão "presentes ainda o risco à ordem pública e à aplicação da lei". Na decisão, Bonat narrou que "existem indícios que Paulo Vieira de Souza seria uma espécie de banco do Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht a quem o departamento de propinas da empreiteira, através do seus prepostos e intermediadores, recorria, compensando valores no exterior com recursos em espécie no território nacional, quando necessitava de valores em espécie para remunerar indevidamente agentes públicos e políticos, dentre os quais os agentes da Petrobrás".

"Nessa condição, de gerador de quantias milionárias em espécie, Paulo Vieira de Souza representava uma das engrenagens que permitia o funcionamento do Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht", relatou o magistrado.

O juiz da Lava Jato narrou que, em 2017, o ex-diretor da Dersa teria transferido mais de US$ 35 milhões, provenientes do Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht, para uma conta secreta nas Bahamas. Na avaliação do juiz, a movimentação de valores ocorreu "ante a perspectiva de bloqueio e em decorrência do avanço das investigações relacionadas à Lava Jato".

"Não se pode ignorar a existência de um risco concreto a ordem pública e a aplicação da lei penal", anotou. "Agrava-se esse risco pelo fato de que tais valores não foram recuperados e após serem transferidos para as Bahamas não foi mais possível rastreá-los. Há uma circunstância significativa relacionada às transferências para as Bahamas, consistente no contexto em que foram realizadas, e que reforça o risco à aplicação da lei penal."



Clarissa cobra do governo a falta de medicamentos para doentes especiais
Autor
Adriano Roberto

Clarissa cobra do governo a falta de medicamentos para doentes especiais

Em discurso no Pequeno Expediente desta terça (26), a deputada Clarissa Tércio (PSC) repercutiu o caso da menina Anna Laura de Azevedo Freitas, internada há cinco meses no Hospital Mestre Vitalino, em Caruaru (Agreste), para tratar complicações provenientes de doença degenerativa. 

A criança sofre de Atrofia Muscular Espinhal (AME) e, de acordo com a mãe (Angélica), ela precisa do medicamento SPINRAZA que não vem sendo fornecido pelo Governo do Estado, apesar de decisão judicial nesse sentido.

“A medicação é fundamental para o tratamento da doença, que compromete o movimento de braços, pernas e músculos da deglutição e respiração. No entanto, apesar da ordem judicial, o Governo, até o momento, não cumpre a determinação”, afirmou a parlamentar. 

Clarissa relatou que, ao visitar a paciente no hospital de Caruaru, foi impedida pela direção da unidade a registrar o encontro.

Uma campanha nas redes sociais vem repercutindo nacionalmente e já conseguiu arrecadar uma boa quantia para ajudar no tratamento de Anna Laura, que custa cerca de R$ 2,5 milhões por ano. "O povo brasileiro está conhecendo a incompetência e o abandono de Pernambuco em relação a saúde de nossas crianças”, lamentou Clarissa. 

A líder do PSC na Alepe informou ainda, que a paciente também luta na Justiça para que o Governo garanta o tratamento domiciliar (Home Care) para a pequena Anna.

Ainda na tribuna, a deputada citou outros casos de crianças que aguardam o cumprimento de decisões judiciais pelo Executivo. “Graças à (Blitz da Oposição), estamos conhecendo muitas histórias de negligência por parte do Estado. Governador Paulo Câmara, olhe para Anna Clara, ela precisa da medicação com urgência”, intercede Clarissa.



Bolsonaro passa hoje por avaliação médica em São Paulo
Autor
Adriano Roberto

Bolsonaro passa hoje por avaliação médica em São Paulo

O presidente Jair Bolsonaro é aguardado na tarde desta quarta-feira (27) no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, para novos exames.Os médicos vão verificar como está a saúde do presidente após a cirurgia para a retirada da bolsa de colostomia, em janeiro. Será a última revisão pós-operatória.

Bolsonaro deve chegar ao aeroporto de Congonhas, no avião da FAB (Força Aérea Brasileira), de acordo com informações apuradas pela Record TV.

O percurso do aeroporto ao hospital, com esquema especial de segurança, deve durar cerca de 30 minutos.

Em 27 de janeiro, Bolsonaro deu entrada no hospital Albert Einstein para a cirurgia de retirada de uma bolsa de colostomia, usada após ser esfaqueado durante a campanha eleitoral em setembro do ano passado. A cirurgia foi realizada em 28 de janeiro.

A previsão inicial era de que ele ficasse internado por 10 dias, mas a necessidade de tratamento com antibióticos e depois o diagnóstico de uma pneumonia estenderam o período de permanência no hospital.

Em 13 de fevereiro, o presidente da República teve alta e retornou a Brasília.

Após os exames, Jair Bolsonaro vai visitar o projeto científico que investiga o uso de grafeno, da Universidade Presbiteriana Mackenzie. De acordo com o porta-voz do governo, Otávio do Rêgo Barros, a proposta é "importante" para Bolsonaro porque o projeto também ocorre em universidades militares, como o IME (Instituto Militar de Engenharia).



Reforma da Previdência será votada na CCJ até 17 de abril
Autor
Adriano Roberto

Reforma da Previdência será votada na CCJ até 17 de abril

A reforma da Previdência será votada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara até 17 de abril, disse na noite desta terça-feira (26) o presidente da comissão, deputado Felipe Francischini (PSL-PR). Acompanhado de deputados e líderes do partido, ele reuniu-se por uma hora e meia com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e com o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, para definir o posicionamento da legenda.

Segundo a líder do Governo no Congresso Nacional, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), o presidente nacional do partido, Luciano Bivar, participou da reunião por teleconferência e assegurou o fechamento da legenda em torno da reforma. Ela disse que o partido fará uma declaração oficial amanhã (27) para anunciar a decisão.

De acordo com Joice Hasselmann, o partido fará um trabalho de convencimento com parlamentares para evitar dissidências, explicando a importância da reforma da Previdência para o equilíbrio das finanças do governo. “Não queria que o partido do presidente da República perdesse o protagonismo de ser o primeiro partido a fechar questão em relação à nova Previdência”, disse a deputada.

A parlamentar disse que pode haver uma margem de 5% dos deputados do PSL que votarão contra a reforma da Previdência, mas que algum grau de não adesão é aceitável dentro de qualquer partido. Ela admitiu que a principal dificuldade será convencer os parlamentares da legenda a aceitarem a proposta de reforma da Previdência dos militares.

“Por isso, trabalho com uma margem de erro. A gente tem que trabalhar com o convencimento em relação ao texto dos militares. A gente sabe que, no Congresso Nacional, nada se faz goela abaixo em partido nenhum. Tudo é na conversa, no diálogo, no convencimento”, explicou.

Para Joice Hasselmann, o fechamento de questão do PSL em torno da reforma da Previdência é essencial para atrair outros partidos para a base do governo. Ela considerou a palavra do presidente da legenda um avanço. “Precisamos avançar muito e ter conversa com líderes de partidos para a construção da nova base. Isso é uma coisa. Agora é óbvio que os outros partidos que pretendem vir para a base naturalmente cobrem um posicionamento do PSL, porque é justo que o partido do presidente seja o primeiro [a fechar questão]”, disse.

O presidente da CCJ disse que o relator da reforma da Previdência na comissão deve sair ainda esta semana. Ele não indicou se o deputado será do PSL, apenas disse que está trabalhando com diversos nomes. “Estamos construindo o relator em conjunto com o ministro Paulo Guedes e sua equipe, o ministro [da Casa Civil] Onyx [Lorenzoni] e com nossas lideranças do Governo na Casa. Acredito que terei boa notícia ainda esta semana. Estamos vendo o timing do relator. Estamos estudando alguns nomes”, disse.

Francischini justificou a decisão de Paulo Guedes de não comparecer à comissão enquanto não houver um relator escolhido para análise do projeto na CCJ. “O que o ministro entende é que é importante que haja um relator designado até a ida dele à comissão até para que ele esclareça algumas dúvidas do relator. Acho que é um ponto com bastante discernimento, e estamos avaliando essa questão”, disse.

Sobre a reivindicação de líderes de 13 partidos para a exclusão do Benefício de Prestação Continuada (BPC) e da aposentadoria rural do texto em troca do apoio à reforma, Joice Hasselmann disse ter considerado a notícia positiva. 

“Muita gente viu como um fato negativo. Eu vi como um fato extremamente positivo. Ao mesmo tempo em que houve sinalização de retirada de pedaço do texto, também houve sinalização de líderes, inclusive que estão independentes ou em partidos da oposição, de que é preciso caminhar e que a nova Previdência é fundamental para o país”, disse.

Segundo a deputada, diversos pontos podem ser retirados da proposta, desde que a economia final em dez anos fique em R$ 1 trilhão. A proposta foi enviada ao Congresso com economia prevista de que R$ 1,17 trilhão em dez anos, incluindo a reforma da Previdência dos militares. “Não podemos abrir mão do R$ 1 trilhão. Essa é a espinha dorsal. A gente não pode ter uma Previdência corcunda. Ela tem de ser ereta”. Com informações da Agência Brasil.