Blog do Adriano Roberto




Brasil vai receber matéria-prima para hidroxicloroquina, diz Bolsonaro
Autor
Adriano Roberto

Brasil vai receber matéria-prima para hidroxicloroquina, diz Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro, no seu pronunciamento em rede nacional de rádio e TV na noite desta quarta-feira (8), afirmou que o Brasil irá receber da Índia, até sábado (11), a matéria-prima para produzir a hidroxicloroquina, remédio utilizado para tratamento experimental da covid-19 e também usado no tratamento de doenças como malária, lúpus e artrite.

O presidente afirmou que, nos últimos 40 dias, após ouvir médicos, pesquisadores e chefes de Estado de outros países, passou a divulgar a possibilidade de tratamento da covid-19 desde a fase inicial da doença.

Bolsonaro citou a conversa com o médico cardiologista Roberto Kalil que afirmou que usou o medicamento e também o prescreveu para dezenas de pacientes. “Todos estão salvos. 

Disse-me mais: que, mesmo não tendo finalizado o protocolo de testes, ministrou o medicamento agora, para não se arrepender no futuro. Essa decisão poderá entrar para a história como tendo salvo milhares de vidas no Brasil. Nossos parabéns ao doutor Kalil”, comentou.

Bolsonaro reafirmou que o objetivo principal do governo “sempre foi salvar vidas” e, após se solidarizar com as famílias de pessoas que morreram por causa do novo coronavírus, disse que há dois problemas a serem resolvidos e que devem ser tratados simultaneamente: o novo coronavírus e o desemprego.

Entre as medidas de estímulo à economia adotadas pelo governo, o presidente citou o pagamento que começa a ser feito amanhã (9) de R$ 600, por três meses, de auxílio emergencial para trabalhadores informais, desempregados e microempreendedores.

Ele destacou também a isenção do pagamento da conta de energia elétrica a 9 milhões de famílias beneficiárias da tarifa social, também por três meses meses, e a liberação de R$ 60 bilhões de capital de giro para pequenas empresas e construção civil por meio da Caixa Econômica Social.

O presidente citou ainda o saque, previsto para começar em junho, de até R$ 1.045 para quem tem conta do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). "Os beneficiários do Bolsa Família, que são quase 60 milhões de pessoas, também receberão um abono complementar do auxílio emergencial", destacou.

Sobre as medidas de isolamento social estabelecidas por governadores e prefeitos, o presidente falou que em nenhum momento o governo federal foi consultado sobre a amplitude ou duração das ações. "Respeito a autonomia dos governadores e prefeitos. Muitas medidas, de forma restritiva ou não, são de responsabilidade exclusiva dos mesmos", completou. 

O presidente disse ter certeza de "que a grande maioria dos brasileiros quer voltar a trabalhar". "Esta sempre foi minha orientação a todos os ministros, observadas as normas do Ministério da Saúde”, destacou. .

Citando o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, Bolsonaro disse que as soluções para a pandemia variam de país para país e ressaltou que os mais pobres precisam trabalhar para garantir a alimentação. 

“Os mais humildes não podem deixar de se locomover para buscar o seu pão de cada dia. As consequências do tratamento não podem ser mais danosas que a própria doença. O desemprego também leva à pobreza, à fome, à miséria, enfim, à própria morte”, disse.

Bolsonaro disse que decide as questões de país de ”forma ampla” usando a equipe de ministros. "Todos devem estar sintonizados comigo."



Publicada MP que isenta consumidor pobre de pagar conta de luz
Autor
Adriano Roberto

Publicada MP que isenta consumidor pobre de pagar conta de luz

A população pobre, com consumo mensal de energia elétrica inferior ou igual a 220 quilowatts-hora (kWh), está isenta de pagar a conta de luz, no período de 1º de abril a 30 de junho deste ano. É o que determina a Medida Provisória (MP) nº 950, de 8 de abril de 2020, publicada em edição extra do Diário Oficial da União, dessa quarta-feira (8).

Para isso, fica a União autorizada a destinar recursos para a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), limitado a R$ 900 milhões, a fim de cobrir os descontos relativos à tarifa de fornecimento de energia elétrica dos consumidores incluídos na Tarifa Social.

Assim, o "governo soluciona as duas questões mais urgentes identificadas pelas equipes do Ministério de Minas e Energia e do Ministério da Economia: a perda da capacidade de pagamento dos consumidores de baixa renda, beneficiários da tarifa social, e a perda da capacidade financeira das distribuidoras de energia elétrica, com o aumento da inadimplência e a redução do consumo de energia", informa o ministério.

A medida decorre das ações temporárias emergenciais destinadas ao setor elétrico para enfrentamento do estado de calamidade pública reconhecido pelo Decreto Legislativo nº 6, de 20 de março de 2020, e da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente da pandemia de coronavírus (covid-19).

A decisão do governo federal de isentar a tarifa de energia elétrica dos consumidores de baixa renda foi uma das medidas anunciadas pelo presidente Jair Bolsonaro, durante pronunciamento em rede nacional de rádio e televisão, na noite de ontem.



Diante da decisão do STF, Bolsonaro diz que cada um é responsável pela decisão que toma
Autor
Adriano Roberto

Diante da decisão do STF, Bolsonaro diz que cada um é responsável pela decisão que toma

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes decidiu nesta quarta-feira que não compete à presidência da República interferir nas decisões dos governos estaduais sobre  restrição de serviços e circulação de pessoas adotadas durante a pandemia de coronavírus. A decisão tem caráter liminar, ou seja, é provisória e pode ser revista por uma das Turmas ou pelo Pleno do STF.

Segundo o ministro, a Constituição determina que estados, municípios e o Distrito Federal adotem medidas restritivas como o fechamento do comércio, escolas e suspensão de atividades culturais.

Moraes proferiu a decisão ao analisar a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental nº 672 proposta pela Ordem dos Advogados do Brasil. Segundo a OAB, houve, por parte do governo federal, uma “tentativa de esvaziar e descaracterizar a atuação dos demais entes federados, na linha da impensada campanha publicitária ‘O Brasil Não Pode Parar’. 

A referida campanha foi veiculada por canais oficiais e, posteriormente, excluída pelo próprio governo e proibida pelo STF, por meio de decisão do ministro Luís Roberto Barroso.

Derrota de Bolsonaro

A decisão do STF significa uma derrota para Bolsonaro, declaradamente contrário às medidas de Distanciamento Social Ampliado (DSA) – estratégia não limitada a grupos específicos, exigindo que todos os setores da sociedade permaneçam isoladas.

Em seu pronunciamento em rede de rádio e televisão nesta quarta-feira, o presidente da República recuou ao tratar do tema. “Respeito a autonomia dos governadores e prefeitos. Muitas medidas de isolamento são de responsabilidade dos mesmos. O governo federal não foi consultado sobre sua amplitude”, disse.

Em conversa deste repórter com representantes do Palácio do Planalto obtive a informação de que Bolsonaro recebeu com normalidade a decisão do ministro do STF. A reação dele foi revelar à minha fonte que: "em nenhum momento eu afirmei que iria obrigar algum governador ou prefeito a fazer alguma coisa! Cada um é responsável pelo que faz...". Palavras de Bolsonaro.



Plenário pode votar hoje ajuda a estados e Contrato Verde e Amarelo
Autor
Adriano Roberto

Plenário pode votar hoje ajuda a estados e Contrato Verde e Amarelo

O Plenário da Câmara dos Deputados tem sessão hoje, a partir das 14 horas, para análise de propostas de combate ao coronavírus. Também está na pauta a medida provisória do Contrato Verde e Amarelo (MP 905/19) e a proposta que muda várias regras para ingresso e manutenção dos estados no Regime de Recuperação Fiscal, conhecida como Plano Mansueto (PLP 149/19).

Conheça o Plano Mansueto de ajuda a estados e municípios.

Em entrevista à Rádio Câmara, o líder da Maioria, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), afirmou que a concepção original do Plano Mansueto tinha caráter totalmente fiscal. Agora, acrescentou o parlamentar a realidade é totalmente diferente, e as administrações locais precisam enfrentar uma situação sanitária emergencial mesmo em um cenário de queda de arrecadação.

Confira aqui a íntegra da entrevista de Ribeiro.

Já o deputado Enio Verri (PT-PR) disse, em entrevista à Rádio Câmara, que o projeto do Plano Mansueto corta investimentos em educação, saúde, infraestrutura e outros setores essenciais. Segundo ele, a negociação para aprovar o plano deve garantir, sem contrapartidas de ajuste fiscal, a manutenção do ICMS dos estados e municípios e a criação de condições para os entes federados buscarem empréstimos junto a organismos internacionais para o enfrentamento da situação econômica pós-pandemia.

Verri também criticou outro item da pauta: a MP do contrato Verde e Amarelo. O texto, segundo ele, a retirada de direitos dos trabalhadores num momento em que o governo deveria garantir o nível de renda para as famílias darem conta das despesas provocadas pela crise econômica.

Ouça aqui a íntegra da entrevista de Verri.

Coronavírus
Os deputados poderão analisar requerimentos de urgência para três projetos de lei com medidas relacionadas à pandemia de Covid-19:

  • PL 873/20, do Senado, que amplia a lista de trabalhadores informais beneficiados com o auxílio emergencial de R$ 600;
  • PL 1409/20, do deputado Dr. Zacharias Calil (DEM-GO), que prevê medidas imediatas para garantir a saúde e a preservação da vida dos profissionais considerados essenciais ao controle de doenças e à manutenção da ordem pública;
  • PL 1106/20, do deputado André Ferreira (PSC-PE), que simplifica a inscrição no programa de tarifa social da conta de energia.

Confira a pauta completa da sessão

Fonte: Agência Câmara de Notícias



Membros de quadrilha que furtou máscaras de hospital são presos em SP
Autor
Adriano Roberto

Membros de quadrilha que furtou máscaras de hospital são presos em SP

A Polícia Civil de São Paulo prendeu na manhã desta quarta-feira, 8, quatro integrantes de uma quadrilha acusada de furtar insumos hospitalares na capital. Ao todo, nove pessoas já foram detidas, em operação que começou na tarde da terça-feira, 7, e investiga o desvio de 50 mil máscaras do Hospital e Maternidade Salvalus, na Mooca.

De acordo com o delegado seccional Roberto Monteiro, a quadrilha furtava luvas, máscaras, curativos, cateteres e outros insumos hospitalares do Salvalus há pelo menos dois anos. Duas semanas atrás, o hospital oficializou uma ocorrência após o roubo das 50 mil máscaras ter comprometido todo o estoque da instituição.

"Com a pandemia do coronavírus, eles aumentaram a atividade criminosa. A unidade da máscara podia ser repassada a até R$ 8, e depois era revendida inclusive para empresas que vendem insumos hospitalares", afirmou o delegado. Ao todo, foram expedidos nove mandados de prisão e 14 mandados de busca e apreensão.

De acordo com o delegado Monteiro, todos os furtos foram praticados por funcionários do almoxarifado do próprio Hospital Salvalus, onde foram realizadas as apreensões desta terça. Na semana passada, duas pessoas já tinham sido detidas por envolvimento no crime. Elas responderam por furto, formação de quadrilha e receptação. A investigação do inquérito segue pela Delegacia Seccional do Centro e a 4ª D. P.



Governo transfere PIS/Pasep para o FGTS e permite saque de R$ 1.045
Autor
Adriano Roberto

Governo transfere PIS/Pasep para o FGTS e permite saque de R$ 1.045

O Governo extinguiu o fundo PIS-Pasep e autorizou o saque temporário de até R$ 1.045,00 do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). A Medida Provisória n° 946 foi publicada no Diário Oficial da União em edição extraordinária na noite dessa terça-feira (7).

Ao extinguir o Fundo dos programas de Integração Social (PIS) e de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep), o governo transferiu o seu patrimônio para o FGTS. A extinção será a partir do dia 31 de maio de 2020.

No último dia 3, o governo antecipou em um mês o prazo final de saque do abono salarial 2019/2020. Inicialmente, esse prazo era 30 de junho e passou a ser 29 de maio deste ano.

A MP diz que “fica preservado o patrimônio acumulado nas contas individuais dos participantes do Fundo PIS-Pasep”. E diz que será permitido o saque das contas vinculadas individuais de origem PIS ou Pasep mantidas em nome do trabalhador.

O agente operador do FGT, a Caixa Econômica Federal, “cadastrará as contas vinculadas de titularidade dos participantes do Fundo PIS-Pasep necessárias ao recebimento e à individualização dos valores transferidos, devidamente marcadas com identificador de origem PIS ou Pasep, e definirá os padrões e os demais procedimentos operacionais para a transferência das informações cadastrais e financeiras”.

As contas vinculadas individuais dos participantes do Fundo PIS-Pasep, mantidas pelo FGTS após a transferência passam a ser remuneradas pelos mesmos critérios aplicáveis às contas vinculadas do FGTS. As contas poderão ser livremente movimentadas, a qualquer tempo.

A MP também estabelece que os recursos remanescentes nas contas não sacados serão tidos por abandonados a partir de 1º de junho de 2025 e passarão a ser propriedade da União.

Saque temporário do FGTS

A MP diz ainda que fica disponível, aos titulares de conta vinculada do FGTS, a partir de 15 de junho de 2020 e até 31 de dezembro de 2020 o saque de recursos até o limite de R$ 1.045,00 (um salário mínimo) por trabalhador. Segundo a MP, esse saque foi autorizado em razão do enfrentamento do estado de calamidade pública e da emergência de saúde de importância internacional decorrente da pandemia de coronavírus (covid-19),

Caso o titular tenha mais de uma conta vinculada, o saque será feito na seguinte ordem: contas vinculadas relativas a contratos de trabalho extintos, com início pela conta que tiver o menor saldo; e demais contas vinculadas, com início pela conta que tiver o menor saldo.

Segundo a MP, os saques serão efetuados conforme cronograma de atendimento, critérios e forma estabelecidos pela Caixa Econômica Federal, permitido o crédito automático para conta de depósitos de poupança de titularidade do trabalhador previamente aberta na nessa instituição financeira, desde que o trabalhador não se manifeste negativamente, ou o crédito em conta bancária de qualquer instituição financeira, indicada pelo trabalhador, desde que seja de sua titularidade.

A MP diz ainda que o trabalhador poderá, na hipótese do crédito automático, até 30 de agosto de 2020, solicitar o desfazimento do crédito.



Devido à pandemia, IBGE antecipa dados de pesquisa sobre mobilidade
Autor
Adriano Roberto

Devido à pandemia, IBGE antecipa dados de pesquisa sobre mobilidade

No Brasil, as pessoas precisam percorrer, em média, 72 quilômetros (km) para ter atendimento médico e odontológico de baixa e média complexidade, que não exigem internação, como consultas, exames clínicos, serviços ortopédicos e radiológicos, fisioterapia e pequenas cirurgias.

É o que mostram os dados da pesquisa Regiões de Influência das Cidades (Regic) 2018, que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) antecipou devido à pandemia do novo coronavírus. A pesquisa completa será divulgada ainda este ano.

Segundo o IBGE, com esses dados, divulgados ontem (8), o Ministério da Saúde e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) terão informações sobre o deslocamento da população para as cidades em busca de serviços de saúde, para auxiliar na elaboração de políticas públicas e logística para enfrentar a covid-19.

Os maiores deslocamentos ocorrem na Região Norte. Manaus (AM) é a cidade que recebe pacientes que percorreram as maiores distâncias, com média de 418 km para atendimento ou procedimentos de baixa e média complexidade. Os menores deslocamentos são em Santa Catarina, o único estado onde a média é inferior a 40 km, com destaque para Chapecó.

A cidade que atende a pacientes do maior número de localidades é Goiânia (GO), cujo sistema de saúde serve a 115 municípios. Para o coordenador de Geografia do IBGE, Claudio Stenner, esses dados ajudam a dimensionar o impacto social que os hospitais regionais têm na vida da população de toda a região que atende.

“Se uma cidade tem um hospital regional, isso significa que ele não atende somente pacientes do município onde está localizado, mas também das cidades vizinhas. Os dados dessa pesquisa ajudam a dimensionar o impacto disso na saúde. Daí a importância de sabermos como as pessoas se deslocam no território das cidades”.

Alta complexidade

Para um atendimento de alta complexidade, que são os que envolvem internação, cirurgias, exames como ressonância magnética e tomografia, e tratamentos especializados de alto custo, como de câncer, a média de deslocamento mais que dobra, chegando a 155 km.

A pesquisa do IBGE revela enorme desigualdade regional na concentração de cidades com atendimento de referência em saúde. O estado do Rio de Janeiro apresentou a menor média de deslocamento para alta complexidade, com 67 km, pois a capital divide os pacientes com os municípios fluminenses de Campos de Goytacazes, Volta Redonda e Itaperuna, e cidades mineiras, como Muriaé. Já no Nordeste, os tratamentos de alta complexidade estão concentrados nas capitais.

Nas regiões Sudeste e Sul, os deslocamentos para alta complexidade ficaram em 100 km em média, enquanto em Roraima foi de 471 km e no Amazonas de 462 km. A cidade de Barretos (SP) se mostrou um centro de referência para os tratamentos de câncer, recebendo pacientes de 122 cidades de oito estados, incluindo Rondônia, Pará e toda a Região Centro-Oeste.

Segundo o gerente de Redes e Fluxos Geográficos do IBGE, Bruno Hidalgo, os dados antecipados ajudarão os órgãos de saúde a enfrentar a pandemia, identificando os locais onde pode ocorrer superlotação do sistema hospitalar.

“É possível identificar, por exemplo, municípios onde pode ocorrer superlotação das unidades de saúde. Os órgãos poderão correlacionar com a quantidade de respiradores e verificar pontos no território menos assistidos, julgando necessária a instalação de locais de atendimento. São inúmeras as possibilidades de uso dos dados”.

A pesquisa, feita a cada dez anos pelo IBGE, “define a hierarquia dos centros urbanos brasileiros e delimita as regiões de influência a eles associados”, segundo o órgão, identificando as metrópoles e capitais regionais brasileiras e o alcance espacial da influência delas. O último levantamento de dados foi feito no segundo semestre de 2018.

O IBGE adiantou que vai disponibilizar, dentro do pacote de controle da pandemia do novo coronavírus, dados sobre os locais de compra da população, para contribuir com o planejamento das ações de abastecimento durante o período de restrições. Fonte Agência Brasil.



Desembargadora e mais 4 são denunciados por venda de decisões judiciais
Autor
Adriano Roberto

Desembargadora e mais 4 são denunciados por venda de decisões judiciais

A Procuradoria-Geral da República apresentou denúncia à Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) nesta segunda-feira, 6, contra a desembargadora do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) Sandra Inês Moraes Ruscioelli Azevedo e outras quatro pessoas por corrupção, organização criminosa e lavagem de dinheiro. Alvos da 5ª fase da Operação Faroeste, deflagrada no último dia 24, eles são acusados de envolvimento na negociação e venda de decisões judiciais proferidas por Sandra.

Segundo a Procuradoria, as propinas negociadas chegam a R$ 4 milhões, sendo que ao menos R$ 2,4 milhões teriam sido efetivamente pagos à desembargadora por intermédio de seu filho.

A peça é assinada pela subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo e atinge também os advogados Vanderlei Chilante e Vasco Ruscioelli - este último filho da desembargadora Sandra Ruscioelli. Os três foram presos no âmbito da quinta fase da Faroeste, desencadeada pelo ministro do STJ Og Fernandes.

Além deles, foram alvos da mais recente fase da investigação o produtor rural Nelson José Vigolo, representante da Bom Jesus Agropecuária, e o advogado Júlio César Cavalcanti Ferreira. O primeiro é apontado como o emissário da propina e teria sido beneficiado pelas decisões de Sandra. Já o segundo é o suposto intermediador dos pagamentos e negociações.

A ordem de Og Fernandes para abertura da 5ª fase da Faroeste teve como base uma ação da Polícia Federal que monitorou a entrega de propina de mais de R$ 250 mil no apartamento da desembargadora Sandra Inês Moraes Ruscioelli Azevedo. Segundo a Procuradoria, a negociação em torno de decisão favorável a Nelson Vigolo envolvia valores que chegavam a R$ 1 milhão.

Na decisão que autorizou a ação policial, o ministro pontuou que as atividades ilícitas dos investigados perduraram mesmo após a primeira etapa da operação ter sido deflagrada, em novembro de 2019, para investigar um esquema de venda de decisões judiciais que tinha o propósito legitimar a grilagem de cerca de em 800 mil hectares de terras no oeste da Bahia.

Além disso, Og registrou: "Chama atenção o fato de a ação criminosa não ter se interrompido mesmo durante a pandemia de Coronavírus (Covid-109), quando há a recomendação de restringir-se a interação social".

A denúncia pede à Corte que decrete a perda da função pública de Sandra - já afastada da Corte baiana por um ano, por ordem de Og Fernandes - além do perdimento dos bens adquiridos com a propina e do pagamento de indenização de R$ 4 milhões por danos morais coletivos em razão de "os prejuízos decorrentes dos crimes de organização criminosa e lavagem serem difusos e pluriofensivos, e deram causa, ilicitamente, ao descrédito do mais elevado órgão do Poder Judiciário local perante a sociedade".

Trata-se da segunda denúncia apresentada pela PGR no âmbito da Faroeste. A primeira foi enviada ao STJ em dezembro, contra quatro desembargadores alvos da primeira fase da investigação, além de outras 11 pessoas, dentre elas três juízes. O Ministério Público Federal acusa os 15 de organização criminosa e lavagem de R$ 517 milhões.



Radiodifusores e empresas de streaming reafirmam seu compromisso com os serviços
Autor
Adriano Roberto

Radiodifusores e empresas de streaming reafirmam seu compromisso com os serviços

A  Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) recebeu, nesta segunda-feira (6/4), carta assinada por associações de radiodifusão e empresas de OTT (do inglês Over The Top, empresas que prestam serviços via streaming), que reafirmaram seu compromisso com o monitoramento dos serviços e o diálogo com a Anatel e demais autoridades para debater sugestões de medidas voluntárias e colaborativas que poderão ser adotadas para a manutenção do funcionamento dos serviços digitais durante a pandemia causada pelo coronavírus (Covid-19).

As empresas ressaltam, na correspondência, que tem havido aumento do volume de tráfego de dados, com alterações do perfil e do horário de uso pelos consumidores e, por isso, provedores de aplicações de internet, preventivamente, adotaram medidas técnicas voluntárias e independentes, de modo a minimizar eventuais impactos no funcionamento da internet e dos serviços digitais.

A  Anatel, vale lembrar, criou um Comitê de Crise para Supervisão e Monitoramento dos Impactos da Covid-19 e segue atuando para manter o atendimento da sociedade com serviços de telecomunicações. No portal da Agência na internet, estão disponíveis informações sobre outros esforços da Anatel e dos diversos atores do setor de telecomunicações relacionados à sustentação dos serviços durante a pandemia.



Mais de 5 mil trabalhadores serão vacinados em Juazeiro-BA
Autor
Adriano Roberto

Mais de 5 mil trabalhadores serão vacinados em Juazeiro-BA

Começou nesta terça-feira (7) e prossegue até meados do mês de maio uma campanha da Agrovale para vacinação de 5 mil trabalhadores contra a gripe Influenza A (H1N1). 

A vacina contém a nova composição de CEPA pandêmica (H1NI) e sazonal atualizada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) para o ano de 2020.
 
A vacinação também será disponibilizada gratuitamente para todos os trabalhadores que serão contratados pela empresa visando a safra 2020. 
 
Acontecendo nas dependências da própria empresa, a vacinação dos trabalhadores, segundo o diretor Agrícola da Agrovale, Cid Porto Filho, preserva a saúde e garante um ambiente de trabalho saudável, seguro e produtivo. 
 
“Realizamos uma parceria com o SESI/DR/BA e fizemos um investimento de R$ 210 mil tendo em vista que a gripe é uma doença altamente contagiosa que atinge em média, 10% dos adultos”, ressaltou o diretor, lembrando ainda que a vacinação tem uma eficácia de até 95% no combate à doença.                      

Covid-19   

A Agrovale, em atendimento às orientações do Ministério da Saúde, vem tomando os cuidados necessários para a proteção e o bem-estar dos trabalhadores, com a adoção de uma série de medidas preventivas no combate à pandemia do Coronavírus (Covid-19). 

A primeira iniciativa foi o afastamento das atividades dos empregados que se enquadram no grupo de risco: pessoas acima de 60 anos de idade, gestantes, portadores de doenças crônicas. 
 
Para evitar aglomerações, a empresa está limitando o número de trabalhadores em áreas como o restaurante e vestiários. 
 
Nestes espaços e também no acesso ao registro de ponto, foram feitas marcações nos pisos a fim de que se mantenha a necessária distância entre as pessoas. 
 
Desde o início da pandemia a Agrovale está efetuando, de forma rigorosa, a higienização de áreas comuns, incluindo os ônibus, com substâncias desinfetantes, além da distribuição de álcool em gel em diversos pontos da empresa. 
 
Outras iniciativas que também vem obtendo bons resultados são as palestras educativas e de conscientização com a distribuição de panfletos contendo orientações para enfrentamento ao Covid-19.
 


Ministério propõe flexibilizar isolamento em locais com 50% do serviço de saúde vago
Autor
Adriano Roberto

Ministério propõe flexibilizar isolamento em locais com 50% do serviço de saúde vago

O Ministério da Saúde publicou nesta segunda-feira novo boletim epidemiológico para o coronavírus, com orientação para a flexibilização do isolamento social. O ministério orienta que, a partir de 13 de abril, municípios, Distrito Federal e os estados devem iniciar uma transição para o distanciamento social seletivo, o que o presidente Jair Bolsonaro está chamando de isolamento vertical.

Mas a recomendação serve para aquelas unidades que implementaram medidas de distanciamento social ampliado, onde o número de casos confirmados para a Covid-19 não tenham impactado mais de 50% da capacidade instalada dos serviços de saúde.

Esse isolamento social seletivo, ou vertical, é a estratégia de isolar apenas alguns grupos com mais risco de desenvolver a doença ou que apresentar um quadro mais grave, como idosos, doentes crônicos e gestantes de risco.

Os demais locais com impacto acima dos 50% do sistema de saúde devem manter medidas de isolamento ampliado até que os suprimentos e equipes médicas estejam disponíveis em quantitativos suficientes para permitir essa flexibilização.

O secretário de Vigilância do Ministério da Saúde, Wanderson Oliveira, afirma que as medidas de distanciamento social são necessárias até a reorganização do sistema de saúde para o atendimento da população.

“Eu não tenho dúvida que as medidas de distanciamento social são fundamentais para que o sistema de saúde se organize. O distanciamento não é para impedir a transmissão, equivoca-se quem acha isso. Distanciamento social o paciente é o sistema de saúde, não é a pessoa. Agora, fazer uma transição direta, sem termos os condicionantes de saúde, equipamentos de proteção individual, respirados mecânicos, testes laboratoriais e leitos em quantitativo suficiente é temerário”.

O Ministério da Saúde também publicou, nesta segunda-feira, novas orientações de afastamento do trabalho de profissionais de saúde e segurança. Wanderson Oliveira afirma que a medida é um começo para flexibilizar o isolamento social.

“Nó publicamos uma orientação sobre afastamento laboral, justamente para orientar profissionais, os serviços de saúde e segurança pública, para que aqueles profissionais que necessitem ficar em isolamento, só fiquem se realmente for indicado. É o começo de uma flexibilização para uma transição gradual, de onde está implementando distanciamento social ampliado, como São Paulo, Distrito Federal, migrar com segurança para o distanciamento social seletivo”.

Na estratégia, devem ficar em isolamento trabalhadores que apresentarem síndrome gripal ou síndrome respiratória aguda grave, e quem tiver contato próximo com doentes, além de pessoas acima de 60 anos e doentes crônicos.

O boletim do Ministério da Saúde alerta para a necessidade de ampliar os testes biológicos para o coronavírus para 30 a 50 mil testes por dia. Outra preocupação é com a carência de profissionais capacitados para o manejo de equipamentos de ventilação mecânica, fisioterapia respiratória e cuidados avançados de enfermagem.

O ministério ainda lembra que os leitos de UTI e internação não estão devidamente estruturados para a fase mais aguda da epidemia. E reafirma que não há evidência robusta do uso da cloroquina de forma ampliada para a população.