Blog do Adriano Roberto


PF faz operação para apreender 47 aeronaves do tráfico de drogas
Autor
Adriano Roberto

PF faz operação para apreender 47 aeronaves do tráfico de drogas

Do G1 Tocantins - A Polícia Federal tenta apreender nesta quinta-feira (21) 47 aeronaves em operação contra uma quadrilha especializada em transportar drogas da Colômbia e da Bolívia para o Brasil, os Estados Unidos e a Europa. Os agentes também buscam prender 55 pessoas envolvidas no esquema.

João Soares Rocha, apontado como chefe da quadrilha, foi preso em Tucumã, no Pará. Além dele, outras 14 pessoas foram presas até o momento.

Segundo a investigação, a quadrilha transportou mais de 9 toneladas de cocaína entre 2017 e 2018, em 23 voos que carregavam 400 quilos da droga, em média, cada um.

Além de pilotos, a organização contava com mecânicos que adulteravam as aeronaves para aumentar a autonomia dos voos e ocultar o prefixo original dos aparelhos, para despistar as autoridades. O grupo usava Palmas e Porto Nacional, no Tocantins, como pontos de apoio.

As investigações indicam que a rota do transporte de drogas passava pelos países produtores (Colômbia, Bolívia), países intermediários (Venezuela, Honduras, Suriname e Guatemala) e países destinatários (Brasil, Estados Unidos e União Europeia).

A operação envolve 400 policiais e conta com o apoio da Força Aérea Brasileira (FAB) e do Grupamento de Rádio Patrulha Aérea da Polícia Militar de Goiás. Os mandados foram expedidos pelo juiz federal Pedro Felipe de Oliveira Santos, da 4ª Vara de Palmas. As investigações também tiveram apoio da agência americana DEA (Drug Enforcement Administration) e da agência surinamesa CTIU (CounterTerrorism Intelligence Unit).

Os mandados são cumpridos no Ceará, no Distrito Federal, em Goiás, no Pará, no Paraná, em Roraima, em São Paulo e no Tocantins. Além da apreensão das aeronaves, o juiz determinou o sequestro de 13 fazendas e de cerca de 10 mil cabeças de gado.

Segundo a PF, os investigados devem responder por tráfico transnacional de drogas, associação para o tráfico, financiamento ao tráfico, organização criminosa, lavagem de dinheiro e atentado contra a segurança do transporte aéreo.

A operação foi batizada de Flak, termo que, de acordo com a PF, era usado durante a Segunda Guerra Mundial para identificar a artilharia antiaérea alemã.

O esquema

As investigações da Polícia Federal apontam que o grupo agia dividido em quatro núcleos. O primeiro era comandado por João Soares Rocha e tinha a função de gerenciar as operações de transporte e de distribuição de cocaína.

Eles eram responsáveis pela comunicação com produtores e varejistas do tráfico, organização do transporte aéreo, recrutamento de pilotos e mecânicos para tarefas operacionais, definição das estratégias de fuga, seleção das pistas de pouso e pontos de apoio, além de outras funções gerenciais.

O segundo núcleo era composto de pilotos e ajudantes que prestam serviços regulares ao núcleo empresarial. Eles eram responsáveis pela condução das aeronaves adulteradas com drogas e dinheiro, além da elaboração de planos de voos irregulares, mapeando rotas para escapar do controle aeronáutico.

Mecânicos que adulteravam a estrutura dos aviões para prolongar a autonomia do voo integravam o terceiro núcleo. Eles também faziam manutenção das aeronaves e adulteravam os prefixos.

Os produtores ou compradores de cocaína, que contratam os serviços do núcleo logístico para o transporte e a distribuição da droga, são apontados pela PF como quarto núcleo.



Centrão ameaça e diz que reforma não avança sem diálogo
Autor
Adriano Roberto

Centrão ameaça e diz que reforma não avança sem diálogo

Líderes de partidos do chamado centrão acordaram que, até o Planalto começar a dialogar com o Congresso, a proposta de reforma da Previdência não avancará, de acordo com informações da coluna Painel, da Folha de S. Paulo.

A insatisfação em relação à falta de interlocução com o governo de Jair Bolsonaro ficou ainda mais clara depois da primeira derrota do Planalto na Câmara, na última terça-feira (19).

Na ocasião, deputados aprovaram um projeto que susta os efeitos do decreto editado pelo vice-presidente Hamilton Mourão, em janeiro, que ampliou a funcionários comissionados e de segundo escalão o poder de impor sigilo a documentos públicos.

Diante do cenário, ainda conforme a coluna, o DEM - partido dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre -, chegou a propor ao ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que pudesse atuar diretamente na organização da base. A oferta teria sido feita durante um jantar na segunda-feira (18).

Mas, a legenda já alertou: só entra "na jogada" se tiver “instrumentos” para entregar aos parlamentares o que for acordado em troca do apoio ao presidente. Um líder do centrão diz que é impossível negociar com Lorenzoni, já que ele sempre ouve as demandas, mas nunca tem autonomia para garantir o atendimento por parte do governo.

A atuação do líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO), também é questionada. Dirigentes partidários demonstram que, assim como a derrubada do decreto que facilitava o sigilo de documentos públicos, a queda de Hugo está dentro do pacote de sinais de descontentamento que o Parlamento quer mandar a Jair Bolsonaro.


Mais um áudio vazado, agora entre Onyx e Bolsonaro no O GLOBO
Autor
Adriano Roberto

Mais um áudio vazado, agora entre Onyx e Bolsonaro no O GLOBO

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni ,  buscou negociar uma espécie de armistício com o ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência Gustavo Bebianno para poupar o presidente Jair Bolsonaro. Aliado de primeira hora de Bolsonaro, Bebianno foi exonerado na segunda-feira , depois de ter se envolvido em uma guerra de versões sobre conversas com o presidente, alimentada pelo vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente.
 
Nesta quarta-feira, em uma conversa com Onyx, por volta de 16h50, o presidente mostrou-se preocupado com o fato de ainda ser representado em processos judiciais por Bebianno, que é advogado por formação. Onyx disse a Bolsonaro que teria uma conversa reservada com Bebianno ainda nesta tarde e prometeu “acertar” a questão. A conversa foi ouvida a partir de um telefonema aparentemente acidental do ministro da Casa Civil para um jornalista do GLOBO, enquanto estava reunido com o presidente.
 
Ministro da Casa Civil diz a presidente que ex-ministro prometeu fim de ataques: “Ele disse: 'Eu não dou mais nenhuma palavra, acabou tudo ontem'”
 
- Você vai conversar com ele sobre as ações? — pergunta Bolsonaro.
Onyx confirma que abordará o assunto na conversa.
 
- Se ele (Bebianno) me cobrar individualmente o mínimo, eu to f... Tem que vender uma casa minha para poder pagar — disse Bolsonaro.
 
Onyx também informa ao presidente sobre contatos que teve com o ex-ministro, por meio de intermediários, após o jornal “Folha de S.Paulo” publicar nesta quarta-feira uma nota sobre a suposta intenção de Bebianno de juntar documentos para contar histórias sobre a campanha de Bolsonaro e o período em que ficou no governo.
 
Sobre a potencial ameaça, Onyx diz ao presidente que Bebianno teria “dado a palavra” de que não faria mais declarações sobre a polêmica envolvendo Carlos Bolsonaro e a troca de mensagens dele com o presidente.
 
- A Folha deu uma nota e o Antagonista acabou de reproduzir e ele (Bebianno) acabou de ligar e pediu para tirar. Que é o seguinte… Que ele estava preparando documentos e não sei o quê para atacar. Ele disse ao Jorge (possivelmente Jorge Oliveira, subchefe de Assuntos Jurídicos do Planalto): “O que eu tinha para fazer, eu fiz ontem. Eu não dou mais nenhuma palavra, acabou tudo ontem. Eu to te dando a minha palavra. Ok?” Então, agora, no fim da tarde, para tu saber, eu vou lá dar uma conversada com ele.
 
O site O Antagonista havia, de fato, replicado a notícia do jornal. Como Bebianno teria relatado a Onyx, o site retirou o conteúdo do ar. “O Antagonista replicou uma nota da Folha no seu clipping diário. Gustavo Bebianno entrou em contato para dizer que a nota não era verdadeira. Verificamos que a notícia não tinha fundamento e a retiramos do ar, como faz qualquer publicação séria em situação semelhante”, disse o site, em nota.
 
O GLOBO procurou o presidente e Onyx. O ministro informou que não poderia falar no momento. Bolsonaro não respondeu. Já Bebianno afirmou que Bolsonaro não tem dívidas com ele por causa dos serviços advocatícios. “O trabalho foi feito por acreditar na causa, Ele não deve nada pra mim e nem para os advogados que engajei”, disse o ex-ministro, em mensagem.
 
Leia a conversa entre Bolsonaro e Onyx
 
Onyx : A Folha deu uma nota e o Antagonista acabou de reproduzir e ele (Bebianno) acabou de ligar e pediu para tirar. Que é o seguinte… Que ele estava preparando documentos e não sei o quê para atacar. Ele disse ao Jorge (possivelmente Jorge Oliveira, subchefe de Assuntos Jurídicos do Planalto): “o que eu tinha para fazer, eu fiz ontem. Eu não dou mais nenhuma palavra, acabou tudo ontem. Eu to te dando a minha palavra. Ok?” Então, agora, no fim da tarde, para tu saber, eu vou lá dar uma conversada com ele.
 
Bolsonaro : Você vai conversar com ele sobre as ações?
 
Onyx : Vou conversar com ele sobre as ações.
 
Bolsonaro : Se ele me cobrar individualmente o mínimo, eu to f... Tem que vender uma casa minha para poder pagar.
 
O Globo ainda não disponibilizou o áudio.


Presidente do PSL em Petrolina mostra indignação dos eleitores de bolsonaro na cidade
Autor
Adriano Roberto

Presidente do PSL em Petrolina mostra indignação dos eleitores de bolsonaro na cidade

O vereador Gabriel Menezes , presidente do PSL, em Petrolina, demostrou, em nota,  o sentimento de grande decepção que os eleitores petrolinenses de Bolsonaro estão sentindo com a nomeação de, Fernando Bezerra Coelho, para liderar o governo no Senado. Para o vereador é uma contradição aprovar o pacote anticrime para combater à corrupção e no mesmo dia anunciar o senador Fernando Bezerra Coelho como  líder do governo Bolsonaro. Veja na integra:
 
Eu gostaria muito de comemorar a indicação de um nordestino para a liderança do governo no senado, sobretudo por ser da minha cidade. Porém conhecendo a fundo o indicado, limito-me a registrar minha profunda indignação.
 
Sou apenas um dos quase 58 milhões de brasileiros que elegeram Bolsonaro, acreditando que políticos assim, não teriam espaço no Brasil que acreditamos e queremos.
 
Hoje cedo também vibrei com a assinatura do pacote anticrime, na esperança de ver realmente, o tão anunciado combate à corrupção.
 
Eis que chego ao fim do mesmo dia, com a indigesta e amarga contradição, renitentemente, me dizendo:
Esqueça a nova política!
 
Ela não existe.
 
Gabriel Menezes
Vereador de Petrolina


Bolsonaro entrega hoje reforma da Previdência ao Congresso
Autor
Adriano Roberto

Bolsonaro entrega hoje reforma da Previdência ao Congresso

Bolsonaro entregará o texto ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. Na Casa, a proposta passará primeiramente pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), depois irá para uma comissão especial, antes de ir a plenário. Se aprovada em dois turnos por pelo menos três quintos dos deputados (308 votos), a reforma segue para o Senado.
 
Durante o dia, o presidente gravará um pronunciamento explicando a necessidade de reformar a Previdência. Elaborado em conjunto pela equipe econômica e pelo gabinete presidencial, o discurso será transmitido à noite em cadeia nacional de rádio e televisão.
 
Explicações
O ministro da Economia, Paulo Guedes, e o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, também participarão da cerimônia de entrega do texto. Da Câmara dos Deputados, eles irão direto para o 3º Fórum de Governadores, que ocorre nesta quarta-feira. Guedes e Marinho apresentarão a proposta para os chefes estaduais. Atualmente, sete estados estão em situação de calamidade financeira em meio a orçamentos comprometidos com a folha de pagamento e com as aposentadorias dos servidores locais.
 
Enquanto Guedes e Marinho estiverem explicando a proposta aos governadores, técnicos da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho detalharão todos os pontos da reforma da Previdência a jornalistas. Na semana passada, Marinho confirmou que o texto proporá a idade mínima de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres, com calendário de transição de 12 anos.
Detalhes
 
Entre os detalhes a serem divulgados hoje estão as mudanças nas aposentadorias especiais de professores, policiais, bombeiros, trabalhadores rurais e profissionais que atuam em ambientes insalubres. Também serão informadas as propostas para regras como o acúmulo de pensões e de aposentadorias e possíveis mudanças nas renúncias fiscais para entidades filantrópicas.
 
Falta saber ainda como ficarão o fator previdenciário, usado para calcular o valor dos benefícios dos trabalhadores do setor privado com base na expectativa de vida, e o sistema de pontuação 86/96, soma dos anos de contribuição e idade, atualmente usado para definir o momento da aposentadoria para os trabalhadores do setor privado. Em relação aos servidores públicos, ainda não se sabe qual será a proposta para a regra de transição.
 
Também nesta quarta-feira, o governo informará como incluirá na proposta a mudança para o regime de capitalização, no qual cada trabalhador terá uma conta própria em que contribuirá para a aposentadoria. Atualmente, a Previdência dos setores público e privado é estruturada com base no sistema de repartição, onde o trabalhador na ativa e o empregador pagam os benefícios dos aposentados e pensionistas.
 
Para viabilizar a migração de regime, o governo tem de incluir um dispositivo na Constituição que autoriza o envio de um projeto de lei - complementar ou ordinária - para introduzir o novo modelo depois da aprovação da reforma. Será revelado ainda se o governo enviará o projeto para reformular a Previdência dos militares junto da PEC ou em outro momento.
Tramitação
 
O governo calcula que a reforma vai permitir uma economia de R$ 800 bilhões a R$ 1 trilhão nos próximos dez anos. Por se tratar de uma PEC, a reforma da Previdência precisa ser votada em dois turnos na Câmara e no Senado, com o apoio de no mínimo três quintos dos deputados e dos senadores em cada votação. Com informações da Agência Brasil.




MPCO proíbe Meira de repassar verbas públicas à blocos de carnaval
Autor
Adriano Roberto

MPCO proíbe Meira de repassar verbas públicas à blocos de carnaval

O conselheiro Carlos Porto, do Tribunal de Contas do Estado (TCE), expediu, nesta terça-feira (19), uma recomendação para o prefeito de Camaragibe, Demóstenes Meira (PTB), proibindo o gestor de pagar despesas do carnaval de 2019, inclusive patrocínios e apoios, com verbas públicas.

O assunto ganhou a mídia nacional após Meira convocar os comissionados para prestigiarem o show de sua noiva, também secretária municipal. 

A determinação atendeu a requerimento da procuradora geral do Ministério Público de Contas (MPCO), Germana Laureano, protocolado nesta segunda-feira (18). A procuradora quer que o prefeito preste esclarecimentos sobre o uso de verbas públicas no carnaval da cidade, especialmente nos vários blocos e eventos em que a noiva do prefeito está anunciada como atração musical. 

"Recomendo que não seja paga nenhuma despesa relativa ao Carnaval de 2019, inclusive apoios e patrocínios, até nova análise da questão pelo Tribunal de Contas, nos autos do Processo TC 1920880-7", determinou Carlos Porto, relator das contas. 

Este processo do TCE, aberto em janeiro antes da polêmica do show da noiva do prefeito, apura a inexistência de lei orçamentária válida, na cidade de Camaragibe, para o ano de 2019. 

A investigação já tinha sido aberta em janeiro, a pedido do procurador Cristiano Pimentel, após o MPCO receber uma denúncia de vereador de Camaragibe. No caso, está sendo investigado se a aprovação do orçamento de 2019 seguiu o rito legislativo. Existe um conflito na cidade, entre o prefeito e alguns membros da Câmara de Vereadores. 

Segundo o MPCO, em janeiro, o TCE já tinha enviado um "alerta" ao prefeito, indicando que era "crime de responsabilidade" executar despesas não aprovadas em lei orçamentária. 

"Como aparentemente não tem orçamento aprovado em Camaragibe para 2019, com maior razão não devem ser pagas as despesas com carnaval", defende a procuradora geral Germana Laureano. 

A recomendação é válida até a equipe de auditores do TCE analisar se houve verba pública no carnaval da cidade.



Carnaval Solidário de Andréa Martins movimenta Triunfo
Autor
Adriano Roberto

Carnaval Solidário de Andréa Martins movimenta Triunfo

A colunista social, publicitária e blogueira, Andrea Martins, da cidade de Triunfo-PE. Lançou uma ação inédita na região do Pajeú durante o período de carnaval. Andréa resolveu lançar o Bloco Infantil Caretinhas Kids na Folia, o Bloco da Inclusão Social.

O Bloco conta com um grande diferencial, vai dar a oportunidade de Crianças Carentes e Crianças com Necessidades Especiais (Microcefalia, Cadeirante, Deficiente Auditivo, Físico e Visual) entre outras necessidades, sejam inclusas na folia de Momo, participando efetivamente da festa. As crianças vão se divertir tanto na concentração, como no cortejo pelas ruas da cidade. 

No Bloco Caretinhas Kids, elas serão as estrelas do evento. A ideia é que crianças de várias de cidades do Pajeú, possam participar da festa. Essa ação é pioneira na região do Pajeú.

As crianças vão ter uma tarde carnavalesca com muita alegria, brindes e recreação e com personagens infantis, além de muito frevo no pé!

Andréa montou um kit especial com Confete, Serpentina, Glitter, Apito, Pirulito, Pipoca, Salgadinho e uma parceria doce e deliciosa com a Indústria Capriche que está doando biscoitos pra toda a criançada.

A colunista criou o bloco a poucos dias, por isso precisa de pessoas generosas "Ajude adotando pelo menos uma criança, desta forma ela ganhará um lindo kit especial + abadá", disse Andréa.  

As crianças contam com a solidariedade de todos. Que muitos possam abençoar ao menos uma criança finalizou Andréa.

 O valor do Kit + Abadá = R$ 40,00 - Se você quiser pode fazer uma ou mais crianças felizes neste carnaval.

Segundo a colunista, cada criança abençoada, enviará um lindo vídeo agradecendo sua solidariedade.



Presidente da CNI é preso em investigação sobre corrupção em contratos do Sistema S
Autor
Adriano Roberto

Presidente da CNI é preso em investigação sobre corrupção em contratos do Sistema S

Do G1PE - O presidente da Confederação Nacional da Indústria, Robson Braga de Andrade, foi preso pela Polícia Federal, nesta terça-feira (19), dentro da Operação Fantoche, que investiga um esquema de corrupção envolvendo contratos com o Ministério do Turismo e entidades do Sistema S.

A investigação aponta que um grupo de empresas, sob o controle de uma mesma família, vem executando contratos, desde 2002, por meio de convênios tanto com o ministério, quanto com as entidades. Foram emitidos, ao todo, dez mandados de prisão.
Entre os alvos já localizados pela PF está o empresário Luiz Otávio Gomes Vieira da Silva, um dos donos da Aliança Comunicação. Ele já havia sido preso pela PF em 2013, na Operação Esopo.

São cumpridos outros 40 de busca e apreensão no Distrito Federal, Pernambuco, São Paulo, Paraíba, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Alagoas. Segundo a PF, são investigadas a prática de crimes contra a administração pública, fraudes licitatórias, associação criminosa e lavagem de ativos.

A operação conta com apoio do Tribunal de Contas da União (TCU). A investigação aponta que o grupo costumava utilizar entidades de direito privado sem fins lucrativos para justificar os contratos e convênios diretos com o ministério e unidades do Sistema S.

A maioria dos contratos eram voltados à execução de eventos culturais e de publicidade superfaturados ou que não foram concluídos, com recursos desviados em favor do núcleo empresarial por meio de empresas de fachada, de acordo com a PF.



PF coloca nas ruas do Recife a Operação Fantoche contra desvio de dinheiro público
Autor
Adriano Roberto

PF coloca nas ruas do Recife a Operação Fantoche contra desvio de dinheiro público

Polícia Fedral desencadeia em Pernamhco a Operação Fantoche que está em curso cumprindo 23 mandados de busca e apreensão e 7 de prisão. Trata de contratos do Ministério do Turismo e Sistema S. A PF está na Casa da Industria e as !0 horas da manhã vai haver uma entrevista coletiva. Presidente da CNI foi preso em SP por essa mesma operação. Em instantes mais informações.



Profundas movimentações políticas em Serra com Luciano e Augusto Cesar
Autor
Adriano Roberto

Profundas movimentações políticas em Serra com Luciano e Augusto Cesar

A cidade de Serra Talhada vive modificações importantes no seu cenário político. A primeira mudança é a saida do prefeito, Luciano Duque, do partido que o elegeu prefeito da cidade por duas vezes, o PT. Luciano já oficializou sua saída no diretório regional do Partido dos Trabalhadores, que por sua vez, ainda não comunicou a saída de Duque.

A outra notícia que vai mudar a política da capital do xaxado é a aposentadoria do ex-deputado, Augusto Cesar. Em conversa com este repórter Augusto oficializou que não mais se candidatará a deputado estadual e está repassando suas bases. 

Augusto foi um deputado muito carismático e que vai deixar saudades nos seus companheiros de Assemableia Legislativa por ser gente boa. Os prefeitos que sempre apoiaram Augusto Cesar, já estão com as bases dele liberadas no município para apoiarem outro candidato em 2022.



MPPE faz Anderson Ferreira começar 2019 num inferno astral
Autor
Adriano Roberto

MPPE faz Anderson Ferreira começar 2019 num inferno astral

Do Blog Roberto Santos - Como havíamos noticiado em primeira mão semana passada e repercutida em diversos canais da mídia pernambucana, o Ministério Público do Estado de Pernambuco (MPPE), está com uma força tarefa investigando crimes contra a administração pública praticados no Município de Jaboatão dos Guararapes.

As informações que chegaram é que tudo foi motivado por fatos e motivos justificados para investigar a gestão de Jaboatão. Bem, para quem chegou só a dois anos na cidade e tinha um discurso de fazer diferente, pelo andar da carruagem, a gestão tem muito o que explicar a população.

O maior erro da atual gestão foi andar de salto alto e achar que está acima de todos, um verdadeiro complexo de pavão reina na cidade, outro fato, subestimar os Jaboatonenses fazendo uma gestão com pessoas que, além de não ser da cidade, não conhece suas prioridades e, não gostar do povo. Vivem nos gabinetes e colocaram barreiras de cimento e humanas para dificultar o acesso a gestão.